CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­A­QUIM AMBRIZ JOSEFA DO NASCIMENTO LAURINDO SIL­VA DOMINGOS JO­SÉ

O ci­da­dão e o re­gis­to

De­cor­re em to­do país o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral. To­dos já sa­be­mos. Já sa­be­mos tam­bém que es­se pro­ces­so cons­ti­tui a úni­ca, mais do que nun­ca, opor­tu­ni­da­de de ca­da um de nós de­mons­trar in­di­vi­du­al­men­te que sa­be ser an­go­la­no na sua mãe Pá­tria. O ci­da­dão em ida­de pa­ra vo­tar tem a res­pon­sa­bi­li­da­de cí­vi­ca de con­tri­buir pa­ra um fu­tu­ro bom pa­ra to­dos nós.

Atra­vés do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, es­ta­mos a ma­ni­fes­tar o nos­so in­te­res­se em par­ti­ci­par num im­por­tan­te acon­te­ci­men­to, que são as elei­ções ge­rais do pró­xi­mo ano.

Por via do re­gis­to elei­to­ral, os an­go­la­nos dão si­nais de que não vi­vem à mar­gem do que acon­te­ce no seu país, par­ti­cu­lar­men­te em épo­cas em que têm de exer­cer o seu di­rei­to de vo­to pa­ra es­co­lher os go­ver­nan­tes.

O ci­da­dão an­go­la­no não de­ve vi­ver dis­so­ci­a­do da re­a­li­da­de na­ci­o­nal, uma re­a­li­da­de que abran­ge o des­por­to, a po­lí­ti­ca, a eco­no­mia, a área da ci­ên­cia, da tec­no­lo­gia ou da cul­tu­ra. Acho que to­dos os an­go­la­nos de­vem ade­rir ao pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral. O re­gis­to elei­to­ral é um ac­to im­por­tan­te pa­ra a nos­sa vi­da. kwan­zas ao lon­go de vá­ri­os anos. Pen­so que é ne­ces­sá­rio res­pon­sa­bi­li­zar to­dos os que cri­a­ram es­te com­ple­xo es­que­ma pa­ra ga­nhar mui­to di­nhei­ro. A so­ci­e­da­de pre­ci­sa de sa­ber quem afi­nal an­dou a en­ga­nar o Es­ta­do pa­ra en­ri­que­cer ili­ci­ta­men­te. A im­pren­sa fa­la mui­to dos nú­me­ros de tra­ba­lha­do­res fan­tas­mas, mas não di­vul­ga o nú­me­ro dos que cri­a­ram o es­que­ma que per­mi­tiu que exis­tis­sem es­ses fal­sos fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do.

As pes­so­as que en­ri­que­ce­ram à cus­ta des­te es­que­ma de in­tro­du­ção nas fo­lhas de sa­lá­ri­os de tra­ba­lha­do­res fan­tas­mas exis­tem.

Por que ra­zão es­sas pes­so­as não são de­nun­ci­a­das e não se de­sen­ca­dei­am pro­ces­sos dis­ci­pli­na­res e cri­mi­nais con­tra elas?

Eu pe­lo me­nos não te­nho co­nhe­ci­men­to de que al­gu­ma vez os res­pon­sá­veis pe­lo re­fe­ri­do es­que­ma te­nham si­do pro­ces­sa­dos.

Gos­ta­va en­tre­tan­to de elo­gi­ar o tra­ba­lho que tem si­do fei­to pe­lo Exe­cu­ti­vo no sen­ti­do de se aca­bar com os fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas. No­to que há de­ter­mi­na­ção de se com­ba­ter as ir­re­gu­la­ri­da­des.

O fe­nó­me­no dos tra­ba­lha­do­res fan­tas­mas não é só um pro­ble­ma de An­go­la. Sou­be que na Ni­gé­ria hou­ve pro­ble­ma idên­ti­co e sei que os go­ver­nan­tes des­te país afri­ca­no con­ti­nu­am a en­vi­dar es­for­ços pa­ra que o Es­ta­do não pa­gue sa­lá­ri­os a tra­ba­lha­do­res que não exis­tem.

De­se­jo ao go­ver­no do nos­so país êxi­tos nes­ta sua em­prei­ta­da pa­ra se pôr fim aos fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas.

Ac­ções de so­li­da­ri­e­da­de

Na nos­sa so­ci­e­da­de, há ain­da mui­tas pes­so­as ca­ren­ci­a­das que pre­ci­sam de aju­da de di­ver­sa na­tu­re­za. A cri­se que atra­ves­sa­mos veio agra­var ain­da mais a si­tu­a­ção de mui­tas fa­mí­li­as que atra­ves­sam mui­tas di­fi­cul­da­des. Pen­so que as pes­so­as que têm al­gu­ma coi­sa pa­ra ofe­re­cer aos mais ca­ren­ci­a­dos de­vi­am cri­ar uma re­de de so­li­da­ri­e­da­de com as pes­so­as que têm ne­ces­si­da­des bá­si­cas. Os an­go­la­nos são um po­vo ge­ne­ro­so e acre­di­to que os nos­sos com­pa­tri­o­tas que pos­su­em mui­tos re­cur­sos po­de­rão aju­dar aque­les ci­da­dãos que qua­se na­da têm.

Re­co­lha do li­xo

Sou mo­ra­dor do bair­ro Pren­da e es­tou sa­tis­fei­to com a ce­le­ri­da­de com que o li­xo es­tá a ser re­co­lhi­do no meu bair­ro. É ine­gá­vel que a re­co­lha do li­xo me­lho­rou mui­to em Lu­an­da. De­se­jo que não vol­te a ha­ver nun­ca mais gran­des con­cen­tra­ções de re­sí­du­os nos nos­sos bair­ros. Es­ta­mos já em épo­ca de chu­vas e é bom que a nos­sa ci­da­de de Lu­an­da es­te­ja per­ma­nen­te­men­te lim­pa. De­vo elo­gi­ar to­do o es­for­ço que tem si­do fei­to pe­lo Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da pa­ra tor­nar a ca­pi­tal uma ca­sa sau­dá­vel pa­ra to­dos nós. Ape­lo a to­dos os ha­bi­tan­tes do meu bair­ro pa­ra co­la­bo­ra­rem com as au­to­ri­da­des, de­po­si­tan­do o li­xo em lo­cais apro­pri­a­dos, pa­ra fa­ci­li­tar o tra­ba­lho das ope­ra­do­ras de lim­pe­za.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.