Co­me­ça con­sul­ta so­bre o fu­tu­ro pri­mei­ro-mi­nis­tro

SI­TU­A­ÇÃO PO­LÍ­TI­CA NA GUINÉ-BISSAU

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Pre­si­den­te da Guiné-Bissau, Jo­sé Má­rio Vaz, ini­ci­ou, na se­gun­da-fei­ra, au­di­ções a di­ri­gen­tes do país vi­san­do a no­me­a­ção de uma fi­gu­ra de con­sen­so pa­ra o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro.

No co­me­ço da se­ma­na de tra­ba­lho, Jo­sé Má­rio Vaz ou­viu, em au­di­ên­ci­as se­pa­ra­das, os re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, das con­fis­sões re­li­gi­o­sas e da Li­ga Gui­ne­en­se dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. On­tem, o Che­fe de Es­ta­do re­ce­beu re­pre­sen­tan­tes dos par­ti­dos sem as­sen­to parlamentar, es­tan­do agen­da­do pa­ra ho­je a reu­nião com as for­ças po­lí­ti­cas re­pre­sen­ta­das na As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar (ANP, Parlamento), pa­ra de­ci­dir, até fi­nal da se­ma­na, so­bre o no­me do fu­tu­ro pri­mei­ro-mi­nis­tro, se­gun­do fon­te li­ga­da ao pro­ces­so.

Os res­pon­sá­veis ou­vi­dos na se­gun­da-fei­ra, Au­gus­to da Sil­va, da Li­ga dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Ven­ça Men­des e Jor­ge Gomes, da pla­ta­for­ma das or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, e o pas­tor Ca­e­ta­no In­da­mi, fo­ram unâ­ni­mes em re­co­men­dar “a es­co­lha ur­gen­te de uma fi­gu­ra que pos­sa me­re­cer a con­fi­an­ça de to­dos.”

Os res­pon­sá­veis da so­ci­e­da­de ci­vil exor­ta­ram o Pre­si­den­te gui­ne­en­se a “ser fir­me” em re­la­ção aos lí­de­res po­lí­ti­cos do país que as­si­na­ram os acor­dos de Co­na­cri, mas que, “pa­re­cem não o que­rer res­pei­tar”, no­ta­ram. Lí­de­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses de­sa­vin­dos es­ti­ve­ram reunidos no iní­cio do mês na ca­pi­tal da Guiné-Co­na­cri, sob a me­di­a­ção do Pre­si­den­te da­que­le país, Alpha Con­dé, vi­san­do en­con­trar um en­ten­di­men­to so­bre a cri­se na Guiné-Bissau. Ru­bri­ca­ram um acor­do que de­ter­mi­na­va que o pri­mei­ro-mi­nis­tro a ser es­co­lhi­do se­ria uma fi­gu­ra que me­re­ces­se a con­fi­an­ça do Che­fe de Es­ta­do e que se­ja in­di­ca­do de for­ma con­sen­su­al en­tre to­dos.

Mas, nos úl­ti­mos di­as, a clas­se po­lí­ti­ca gui­ne­en­se tem vin­do ao pú­bli­co com in­ter­pre­ta­ções dís­pa­res so­bre o te­or e o es­pí­ri­to dos acor­dos ru­bri­ca­dos na Guiné-Co­na­cri. Ven­ça Men­des da pla­ta­for­ma da so­ci­e­da­de ci­vil dis­se ter fei­to no­tar ao Pre­si­den­te gui­ne­en­se que os sig­na­tá­ri­os dos acor­dos de Co­na­cri “não têm ou­tra saí­da que não se­ja res­pei­ta­rem o que as­si­na­ram.”

“Nin­guém foi co­a­gi­do a as­si­nar”, dis­se Ven­ça Men­des, an­ti­go pre­si­den­te do sin­di­ca­to dos pro­fes­so­res. A União pa­ra a Mu­dan­ça (UM), par­ti­do com as­sen­to na ANP, afir­mou na sex­ta-fei­ra, que “exis­te já um no­me de con­sen­so pa­ra li­de­rar o Go­ver­no de con­sen­so e in­clu­si­vo, cu­ja for­ma­ção é aguar­da­da a qual­quer al­tu­ra na Guiné-Bissau e que ao se con­fir­mar tra­rá de vol­ta ao país a nor­ma­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal.

Ag­ne­lo Re­ga­la, que fa­la­va em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, afir­mou exis­tir já um no­me de con­sen­so em re­la­ção aos três no­mes avan­ça­dos pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, que em prin­ci­pio tem a mis­são de tor­nar pú­bli­co o no­me da in­di­vi­du­a­li­da­de es­co­lhi­da. O lí­der da União pa­ra a Mu­dan­ça ex­pli­cou que tal “con­sen­so” não cons­tou no Acor­do, nem no Co­mu­ni­ca­do Fi­nal da me­sa re­don­da de Co­na­cri, “por uma ques­tão de so­be­ra­nia.”

“Opor­tu­na­men­te, es­se no­me foi apre­sen­ta­do em pri­mei­ra mão ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Má­rio Vaz, que, em prin­ci­pio, tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de o tor­nar pú­bli­co”, fri­sou.

Li­ber­da­de de im­pren­sa

O Pre­si­den­te da Guiné-Bissau, Jo­sé Má­rio Vaz, pe­diu “mo­de­ra­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de” aos jor­na­lis­tas em prol da li­ber­da­de de im­pren­sa e de opi­nião. O lí­der gui­ne­en­se fez o ape­lo se­gun­da-fei­ra na aber­tu­ra de um se­mi­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal pro­mo­vi­do pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al do país pa­ra, en­tre ou­tros te­mas, fa­lar da re­gu­la­ção edi­to­ri­al na In­ter­net. O en­con­tro, que de­cor­re até ama­nhã, jun­ta cer­ca de 100 pes­so­as, na mai­o­ria jor­na­lis­tas gui­ne­en­ses e al­guns pe­ri­tos por­tu­gue­ses. O Pre­si­den­te da Guiné-Bissau afir­mou que é pe­la to­tal li­ber­da­de dos jor­na­lis­tas, mas des­de que ha­ja mo­de­ra­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de, sob pe­na de se co­lo­car em cau­sa a pró­pria es­ta­bi­li­da­de so­ci­al. “A clas­se po­lí­ti­ca, a so­ci­e­da­de ci­vil, mas so­bre­tu­do os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de­vem po­der fa­zer o seu tra­ba­lho, de in­for­mar e for­mar a opi­nião pú­bli­ca, de for­ma li­vre, sem se­rem in­co­mo­da­dos”, re­fe­riu. Jo­sé Má­rio Vaz res­sal­vou que se as li­ber­da­des “não fo­rem exer­ci­das com mo­de­ra­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de, exis­te o ris­co de se trans­for­ma­rem em ins­tru­men­tos de ma­ni­pu­la­ção e de des­ta­bi­li­za­ção.”

Li­ber­da­de sim, mas in­sul­to nun­ca, de­fen­deu ain­da o Pre­si­den­te gui­ne­en­se. “O con­tra­di­tó­rio é sau­dá­vel na jus­ta me­di­da em que dis­cor­dar não sig­ni­fi­ca in­sul­tar e pôr em cau­sa a dig­ni­da­de da pes­soa com quem não con­cor­da­mos. A dig­ni­da­de hu­ma­na e ins­ti­tu­ci­o­nal de­ve ser res­pei­ta­da”, en­fa­ti­zou Jo­sé Má­rio Vaz.

O Pre­si­den­te gui­ne­en­se des­ta­cou o fac­to de, du­ran­te os dois anos do seu man­da­to, ne­nhum jor­na­lis­ta ter si­do per­se­gui­do a man­do do Che­fe do Es­ta­do.

So­bre a im­por­tân­cia do en­con­tro, o Pre­si­den­te gui­ne­en­se dis­se ser uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a tro­ca de ex­pe­ri­en­ci­as e es­trei­tar os la­ços de co­o­pe­ra­ção en­tre os pro­fis­si­o­nais da Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP).

JAIMAGEM

De­ci­são do Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz aguar­da­da com gran­de ex­pec­ta­ti­va em to­do o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.