Go­ver­no qu­er ins­ti­tuir um no­vo tri­bu­to

IMPOSTO SO­BRE O VA­LOR ACRESCENTADO Au­to­ri­da­des an­go­la­nas pro­jec­tam sim­pli­fi­car e ele­var os ní­veis da co­lec­ta fis­cal

Jornal de Angola - - ECONOMIA - MA­DA­LE­NA JO­SÉ |

O Go­ver­no es­tu­da a ins­ti­tui­ção de um tri­bu­to com as ca­rac­te­rís­ti­cas do Imposto so­bre o Va­lor Acrescentado (IVA), des­de que es­te­ja adap­ta­do às con­di­ções do país, se­ja o mais sim­ples pos­sí­vel e mo­der­no o su­fi­ci­en­te pa­ra cor­res­pon­der à eco­no­mia glo­ba­li­za­da, de­cla­rou on­tem, em Lu­an­da, um res­pon­sá­vel da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT).

O ad­mi­nis­tra­dor da AGT, Her­me­ne­gil­do Gas­par, de­cla­rou na aber­tu­ra da con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre tri­bu­ta­ção - que en­cer­ra ho­je que a de­ci­são das au­to­ri­da­des, ex­pres­sa nas li­nhas ge­rais do Exe­cu­ti­vo pa­ra a Re­for­ma Tri­bu­tá­ria, coin­ci­de com as ten­dên­ci­as da evo­lu­ção da eco­no­mia.

A re­cei­ta tri­bu­tá­ria não pe­tro­lí­fe­ra re­pre­sen­ta ac­tu­al­men­te 64 por cen­to do to­tal da do Es­ta­do, quan­do, en­tre 2011 e 2012, a pe­tro­lí­fe­ra cons­ti­tuía cer­ca de 80 por cen­to do va­lor glo­bal da re­cei­ta pú­bli­ca, um qua­dro que o ad­mi­nis­tra­dor da AGT atri­bui à que­da bru­ta do pre­ço do cru­de no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, de­pois da se­gun­da me­ta­de de 2014.

No ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal, 160 paí­ses adop­ta­ram es­se ti­po de imposto, 54 dos quais em Áfri­ca, sen­do An­go­la o úni­co Es­ta­do-mem­bro da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) que não o ins­ti­tuiu.

Her­me­ne­gil­do Gas­par con­si­de­rou que a ins­ti­tui­ção do IVA é o ca­mi­nho do res­ga­te da es­ta­bi­li­za­ção e da di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de re­cei­tas pú­bli­cas, re­du­zin­do a de­pen­dên­cia do pe­tró­leo. “De­fen­de­mos que An­go­la pre­ci­sa de um IVA”, afir­mou o ad­mi­nis­tra­dor da AGT, que subs­ti­tua ou­tros im­pos­tos, tor­ne mais efi­ci­en­te o pro­ces­so tri­bu­tá­rio, não afec­te a alo­ca­ção de re­cur­sos à eco­no­mia, obe­de­ça os prin­cí­pi­os do be­ne­fí­cio, a ca­pa­ci­da­de con­tri­bu­ti­va e da pro­du­ti­vi­da­de, sen­do ca­paz de ge­rar ar­re­ca­da­ção a ta­xas mo­de­ra­das.

Mas, pa­ra ade­são ao IVA, An­go­la pre­ci­sa de pre­pa­rar o con­tri­buin­te e o con­su­mi­dor, mos­tran­do as opor­tu­ni­da­des e os be­ne­fí­ci­os que o imposto traz, co­mo tam­bém tem ne­ces­si­da­de de for­mar qua­dros, ad­ver­tiu, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o ad­mi­nis­tra­dor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Apoio à Pe­que­na e Mé­dia Em­pre­sa, Sa­mo­ra Ki­tum­ba.

As au­to­ri­da­des an­go­la­nas tam­bém têm que fa­zer uma op­ção so­bre os ní­veis de tri­bu­ta­ção im­pos­tos pe­lo IVA e de­ci­dir em que me­di­da de­vem be­ne­fi­ci­ar o con­su­mi­dor. A di­rec­to­ra de Au­di­to­ria e Cor­rec­ção da Di­rec­ção Na­ci­o­nal das Re­cei­tas do Es­ta­do (DNRE) de Ca­bo Ver­de, Ce­li­na Li­zar­do, lem­brou que o IVA foi ins­ti­tuí­do no seu país há 12 anos e que, de­pois da re­sis­tên­cia ini­ci­al do mer­ca­do, que re­ce­a­va que o no­vo imposto fos­se en­ca­re­cer o con­su­mo, os pro­gres­sos são em gran­de me­di­da as­si­na­lá­veis.

O ob­jec­ti­vo do IVA não é en­ca­re­cer os pro­du­tos, mas har­mo­ni­zar a po­lí­ti­ca fis­cal e a agre­ga­ção da pau­ta adu­a­nei­ra, da ta­xa eco­ló­gi­ca, do imposto so­ci­al e de ou­tras ta­xas, afir­mou a di­rec­to­ra da DNRE de Ca­bo Ver­de.

As au­to­ri­da­des do ar­qui­pé­la­go fi­ze­ram um es­tu­do de im­pac­to e es­ta­be­le­ce­ram, a par­tir de 2013, uma ta­xa do IVA de 15 por cen­to pa­ra to­dos os pro­du­tos. Ho­je, Ca­bo Ver­de pos­sui uma de­cla­ra­ção elec­tró­ni­ca do IVA e a co­bran­ça cons­ti­tui 35 por cen­to das re­cei­tas do Es­ta­do

O di­rec­tor de Re­em­bol­sos da Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria de Mo­çam­bi­que, Hen­ri­que Gre­gó­rio, afir­mou que, de­pois de o IVA fi­car es­ta­be­le­ci­do, em 1999, pas­sou a cons­ti­tuir o prin­ci­pal imposto da­que­le país, re­pre­sen­tan­do 32 por cen­to da ar­re­ca­da­ção nos dois pri­mei­ros anos, che­gou a 38 em 2011, mas es­te ano re­pre­sen­ta 36.

MARIA AUGUSTA

Es­ta­be­le­ci­men­to de imposto mo­bi­li­za qua­dros da ad­mi­nis­tra­ção fis­cal em in­ten­sos de­ba­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.