Ac­ções de sen­si­bi­li­za­ção são re­for­ça­das nos quar­téis

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - WEZA PASCOAL |

As cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção con­tra a violência nos la­res, prin­ci­pal­men­te pa­ra os mi­li­ta­res e agen­tes po­li­ci­ais, de­vem ser re­for­ça­das, nos pró­xi­mos tem­pos, pe­la Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher do Cuando Cubango, de­fen­deu, em Me­non­gue, uma res­pon­sá­vel da ins­ti­tui­ção.

Maria Ca­cuhu Cam­bin­da, que fa­la­va nu­ma pa­les­tra com o te­ma “Violência Do­més­ti­ca e Fu­ga à Pa­ter­ni­da­de”, dis­se es­tar pre­o­cu­pa­da com o ele­va­do nú­me­ro de ca­sos de vi­o­lên­ci­as do­més­ti­ca que en­vol­ve efec­ti­vos das For­ças Ar­ma­das (FAA) e da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

Em fun­ção dos ca­sos que che­gam à di­rec­ção da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, a res­pon­sá­vel ape­la pa­ra o re­for­çou da in­ter­ven­ção da so­ci­e­da­de do Cuando Cubango, pa­ra ba­nir tais prá­ti­cas.

A pa­les­tran­te cha­mou a aten­ção das fa­mí­li­as pa­ra se abs­te­rem de ac­tos que pre­ju­di­cam a con­vi­vên­cia sau­dá­vel e op­ta­rem pe­lo diá­lo­go co­mo uma das armas pa­ra re­sol­ver con­fli­tos.

Maria Ca­cuhu Cam­bin­da avan­çou que, por os mi­li­ta­res se­rem par­te in­te­gran­te da so­ci­e­da­de, de­vem cri­ar es­pa­ços pa­ra uma mai­or co­a­bi­ta­ção en­tre os ci­da­dãos, pri­man­do, em pri­mei­ra ins­tân­cia pe­lo diá­lo­go qu­er nas uni­da­des, qu­er nos la­res.

“Com a adop­ção des­ta es­tra­té­gia, do diá­lo­go aci­ma de tu­do, acre­di­to que po­de­mos evi­tar os vá­ri­os ca­sos de de­ses­tru­tu­ra­ção das fa­mí­li­as”, dis­se a res­pon­sá­vel da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher. A ora­do­ra avan­çou que, de Ja­nei­ro a Se­tem­bro des­te ano, a di­rec­ção pro­vin­ci­al no­ti­fi­cou 367 ca­sos de violência do­més­ti­ca, com 74 re­gis­tos de in­cum­pri­men­to de me­sa­da, dez de fu­ga à pa­ter­ni­da­de, cin­co de aban­do­no de lar, 47 de ofen­sas mo­rais, no­ve de chan­ta­gens, 26 de ofen­sas cor­po­rais, um de pri­va­ção de bens e três de de­sa­lo­ja­men­to.

Maria Cam­bin­da res­sal­tou que 146 fo­ram re­sol­vi­dos, 32 re­sul­ta­ram em di­vór­ci­os, no­ve fo­ram en­ca­mi­nha­dos ao Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC), se­te à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, cin­co à Jus­ti­ça Mi­li­tar, um ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC) e ou­tro dei­xa­do sob res­pon­sa­bi­li­da­de do so­ba­do. “To­dos os di­as vá­ri­as mu­lhe­res acor­rem ao cen­tro de acon­se­lha­men­to fa­mi­li­ar, pa­ra re­gis­tar quei­xa de seus par­cei­ros, dai pe­dir mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de dos efec­ti­vos mi­li­ta­res, po­li­ci­ais e da so­ci­e­da­de ci­vil em ge­ral pa­ra co­la­bo­ra­rem mais na re­du­ção de ca­sos de violência do­més­ti­ca”.

Maria Cam­bin­da la­men­tou o fac­to de gran­de par­te dos ca­sos de in­cum­pri­men­to de me­sa­da, ofen­sas cor­po­rais, fu­ga à pa­ter­ni­da­de e de aban­do­no te­rem si­do co­me­ti­dos por efec­ti­vos mi­li­ta­res, ra­zão pe­la qual de­fen­de uma sé­rie de pa­les­tras so­bre a pro­ble­má­ti­ca da violência do­més­ti­ca.

“Va­mos le­var a ca­bo es­tas pa­les­tras pa­ra to­das as uni­da­des po­li­ci­ais e mi­li­ta­res, no sen­ti­do de mi­ni­mi­zar ou co­lo­car ter­mo às ta­xas ele­va­das de vi­o­la­ções nos la­res”, re­fe­riu Maria Cam­bin­da, pa­ra acres­cen­tar que o ac­tu­al qua­dro de violência do­més­ti­ca na pro­vín­cia ain­da é pre­o­cu­pan­te, dai a di­rec­ção da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar pa­ra in­ver­ter o qua­dro, que des­trói cen­te­nas de fa­mí­li­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.