Pré­mio Na­ci­o­nal pa­ra Mi­to Gas­par

PRÉ­MIO NA­CI­O­NAL DE CUL­TU­RA E AR­TES An­tó­nio Fon­se­ca pre­si­den­te do jú­ri do con­cur­so anun­ci­ou on­tem os ven­ce­do­res

Jornal de Angola - - PARTADA - MANUEL ALBANO |

A es­cri­to­ra Cre­mil­da de Li­ma foi a gran­de ven­ce­do­ra da edi­ção 2016 do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes, na ca­te­go­ria da Li­te­ra­tu­ra. Os dis­tin­gui­dos fo­ram anun­ci­a­dos on­tem, nu­ma ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da no Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, pe­lo pre­si­den­te do jú­ri do con­cur­so, An­tó­nio Fon­se­ca, que des­ta­cou a pre­fe­rên­cia do ju­ra­do pe­la ex­ce­lên­cia nos tra­ba­lhos elei­tos.

Cre­mil­da de Li­ma ven­ceu pe­lo con­jun­to da sua obra, com uma es­cri­ta an­co­ra­da na ora­li­da­de an­go­la­na e va­lo­res da ci­da­da­nia, com há­beis e cri­te­ri­o­sos re­cur­sos lin­guís­ti­cos, le­xi­cais, nar­ra­ti­vos e qua­li­da­de de es­cri­ta.

O mú­si­co, com­po­si­tor e in­tér­pre­te Mi­to Gas­par ven­ceu na ca­te­go­ria de Mú­si­ca, tam­bém pe­lo con­jun­to da sua obra, en­rai­za­do na iden­ti­da­de cul­tu­ral an­go­la­na, re­cor­ren­do ao do­mí­nio do ima­gi­ná­rio ex­pres­so nos pro­vér­bi­os quim­bun­do e em te­mas co­mo “Ha­ve­mos de Vol­tar” de Agos­ti­nho Ne­to, de que re­sul­tou uma bri­lhan­te tra­du­ção pa­ra o quim­bun­do pe­la sua pe­na “ver­ga o seu can­to à ma­nei­ra de um cân­ti­co da vi­da exis­ten­ci­al quim­bun­do”.

Na ca­te­go­ria Ci­ne­ma e Au­di­o­vi­su­al, o jú­ri atri­buiu o pré­mio aos cri­a­ti­vos téc­ni­cos e in­ves­ti­ga­do­res do do­cu­men­tá­rio “In­de­pen­dên­cia”, no­me­a­da­men­te Pau­lo La­ra (cri­a­ção, in­ves­ti­ga­ção e guião), Jor­ge Cohen (cri­a­ção), Con­cei­ção Ne­to (in­ves­ti­ga­ção e guião) e Má­rio Bas­to (re­a­li­za­ção, in­ves­ti­ga­ção e guião). O jú­ri de­ci­diu atri­buir o pré­mio a es­te do­cu­men­tá­rio, sen­do a in­ves­ti­ga­ção o su­por­te e a ba­se do mes­mo. Ava­li­a­do em 3,5 mi­lhões de kwan­zas, o pré­mio dis­tin­guiu na ca­te­go­ria das Ar­tes Plás­ti­cas, o Nú­cleo de Jo­vens An­go­la­nos de Ban­da De­se­nha­da, que par­ti­ci­pou no Fes­ti­val de Ban­da De­se­nha­da e Ani­ma­ção 2016.

Ao gru­po “Amor à Ar­te” foi atri­buí­do o pré­mio, na ca­te­go­ria de Te­a­tro, pe­las pe­ças “O Re­sul­ta­do” e “O ver­da­dei­ro san­gue”, pe­la cri­a­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca e cé­ni­ca. Na In­ves­ti­ga­ção em Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e So­ci­ais, o pré­mio foi atri­buí­do a Hen­ri­que Guer­ra pe­lo con­jun­to da sua obra, au­tor com um vas­to cam­po de ac­tu­a­ção no do­mí­nio das Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas e So­ci­ais des­de a dé­ca­da de 50, co­mo um dos an­go­la­nos pi­o­nei­ros nos es­tu­dos et­no­grá­fi­cos que o con­sa­gra­ri­am nos anos 80 com o li­vro “Três His­tó­ri­as Po­pu­la­res”.

Na Dan­ça, o pré­mio foi pa­ra o con­jun­to de gru­pos de dan­ça par­ti­ci­pan­tes no Fes­ti­val Lu­va­le de Ka­zom­bo, mu­ni­cí­pio do Al­to-Zam­be­ze, pe­lo al­to grau es­té­ti­co, ex­pres­si­vo, cri­a­ti­vo, ma­tu­ri­da­de in­ter­pre­ta­ti­va e cé­ni­ca. Os ri­tu­ais dan­ça­dos, as más­ca­ras, mú­si­ca, ves­tuá­rio cons­ti­tu­em uma for­ma de res­ga­te, pre­ser­va­ção e di­vul­ga­ção dos va­lo­res ma­tri­ci­ais da cul­tu­ra an­go­la­na.

A mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, elo­gi­ou e ape­lou aos cri­a­do­res na­ci­o­nais a de­sen­vol­ve­rem e a da­rem pri­o­ri­da­de à cul­tu­ra da paz nos seus tra­ba­lhos, de for­ma a agre­gar va­lo­res cul­tu­rais à di­men­são da his­tó­ria dos an­go­la­nos.

Cri­a­do no ano 2000, o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes cons­ti­tui uma ho­me­na­gem e in­cen­ti­vo ao gé­nio cri­a­dor e in­ven­ti­vo dos an­go­la­nos.

PAULINO DAMIÃO

Mi­to Gas­par tem um in­vul­gar es­ti­lo mu­si­cal

PAULINO DAMIÃO

Es­cri­to­ra foi dis­tin­gui­da pe­lo con­jun­to da sua obra des­de a gé­ne­se da li­te­ra­tu­ra in­fan­til de que é um dos pi­o­nei­ros até aos di­as de ho­je

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.