Com­ple­xo mi­nei­ro é o mai­or do mun­do

Aná­li­ses ge­oquí­mi­cas de­vem com­pro­var a des­co­ber­ta e aju­dar a de­ter­mi­nar as quan­ti­da­des de gra­ni­to ne­gro e ou­tros mi­ne­rais as­so­ci­a­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA ROSA |

Até pou­cas se­ma­nas atrás, a pi­to­res­ca re­gião de Sam La­ke, em On­tá­rio, Ca­na­dá, era co­nhe­ci­da co­mo o mai­or com­ple­xo ga­bro-anor­to­sí­ti­co do mun­do. Des­de a dé­ca­da de 20 do sé­cu­lo XIX, com no­vas des­co­ber­tas à me­di­da que cres­ci­am as ne­ces­si­da­des da in­dús­tria mun­di­al, a re­gião não pa­rou de crescer.

Des­de me­tais no­bres co­mo o ou­ro e a pra­ta, aos es­tra­té­gi­cos, co­mo co­bal­to e quart­zo, Sam La­ke reú­ne em cer­ca de 22 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos uma va­ri­e­da­de as­si­na­lá­vel de mi­ne­rais, na sua mai­o­ria in­te­gra­dos na ca­deia de pro­du­ção das gran­des in­dús­tri­as a ní­vel do mun­do.

Era o mai­or, até se­rem co­nhe­ci­dos os re­sul­ta­dos pre­li­mi­na­res do le­van­ta­men­to ae­ro-ge­o­fí­si­co à re­gião sul de An­go­la, no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal Ge­o­ló­gi­co (Pla­na­geo). Abran­gen­do uma área to­tal de 45 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos – mais do que o do­bro de Sam La­ke, o com­ple­xo ga­bro-anor­to­sí­ti­co do Cu­ne­ne é o mai­or do mun­do em ex­ten­são.

Da­dos pre­li­mi­na­res apon­tam pa­ra uma pre­sen­ça sig­ni­fi­ca­ti­va de gra­ni­to ne­gro, mas é qua­se uma cer­te­za, se­gun­do téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, que as aná­li­ses ge­oquí­mi­cas ve­nham a con­fir­mar a pre­sen­ça de ou­tros mi­ne­rais as­so­ci­a­dos, co­mo o ou­ro, a pra­ta e o co­bre, mas tam­bém o quart­zo, só pa­ra ci­tar al­guns.

Es­tu­dos ini­ci­a­dos ain­da na épo­ca co­lo­ni­al já fa­zi­am alu­são ao po­ten­ci­al ga­bro-anor­to­sí­ti­co da re­gião. Em vá­ri­os si­tes de bus­ca na In­ter­net foi pos­sí­vel en­con­trar re­fe­rên­ci­as a al­guns des­ses es­tu­dos, co­mo o “Com­ple­xo ga­bro-anor­to­sit́i­co do Su­do­es­te de An­go­la/Nor­des­te da Na­mí­bia”, de Hei­tor de Car­va­lho e Pau­lo Al­ves, pu­bli­ca­do em 1990, pe­lo De­par­ta­men­to de Ci­ên­ci­as da Ter­ra, do Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca Tro­pi­cal, do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­a­men­to e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio.

Não me­nos in­te­res­san­te é o ar­ti­go pu­bli­ca­do pe­la Re­vis­ta Bra­si­lei­ra de Ge­o­ci­ên­ci­as, in­ti­tu­la­do “Sub­sí­dio es­ta­tís­ti­co à in­ter­pre­ta­ção de da­dos do Com­ple­xo Ga­bro-anor­to­sí­ti­co de An­go­la”, que é as­si­na­do por Ze­nai­de C. G. Sil­va e Manuel A. G. Sil­va. Qual­quer dos tra­ba­lhos re­ve­la atu­ra­do ri­gor de aná­li­se e cui­da­do com os da­dos ob­ti­dos com ba­se em re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos de pon­ta pa­ra o pe­río­do em que fo­ram fei­tas as ava­li­a­ções.

Em to­dos os es­tu­dos, dos mais ru­di­men­ta­res aos mais mo­der­nos, che­gou-se às mes­mas con­clu­sões quan­to à pre­sen­ça de um com­ple­xo de mi­ne­rais na re­gião. Mas os pro­gres­sos da ci­ên­cia e a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca le­vam a no­vas con­clu­sões em re­la­ção à ca­rac­te­ri­za­ção ge­oquí­mi­ca, mas tam­bém a di­men­são em si do com­ple­xo ga­bro-anor­to­sit́i­co.

De­cor­re­ram vá­ri­as dé­ca­das até que as au­to­ri­da­des ca­na­di­a­nas pu­des­sem di­men­si­o­nar o com­ple­xo ga­bro-anor­to­sit́i­co de Sam La­ke.Além da de­man­da da in­dús­tria mun­di­al, em par­ti­cu­lar no pe­río­do sub­se­quen­te à I Guer­ra Mun­di­al, a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca, com ca­da vez mai­or di­ver­si­da­de de equi­pa­men­tos de pes­qui­sa ge­o­ló­gi­ca e la­bo­ra­to­ri­al, te­ve um pa­pel fun­da­men­tal na de­ter­mi­na­ção do com­ple­xo.

Al­gu­mas ho­ras de voo

Em An­go­la, o le­van­ta­men­to aé­reo ge­o­fí­si­co, ge­o­ló­gi­co e ge­oquí­mi­co de to­do o ter­ri­tó­rio, no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal de Ge­o­lo­gia, tem aju­da­do a en­cur­tar o ca­mi­nho. Fru­to do evo­luir da ci­ên­cia, em ape­nas al­gu­mas ho­ras de avião con­se­gue-se mui­to mais e me­lhor que as an­ti­gas ex­pe­di­ções dos pri­mór­di­os de Sam La­ke.

Em pou­co mais de um ano, a pros­pec­ção fei­ta com re­cur­so a ae­ro­na­ve equi­pa­da pa­ra re­a­li­zar le­van­ta­men­tos ae­ro­ge­o­fí­si­cos, ge­oquí­mi­cos, car­to­grá­fi­cos, ge­o­ló­gi­cos, além de es­tu­dos ge­o­téc­ni­cos e de in­fra-es­tru­tu­ras, tem pro­du­zi­do re­sul­ta­dos bas­tan­te ani­ma­do­res e pro­va dis­so é pre­ci­sa­men­te a de­ter­mi­na­ção exac­ta da ex­ten­são do com­ple­xo ga­bro-anor­to­sit́i­co do Cu­ne­ne, so­bre a qual mui­to se es­pe­cu­lou no pas­sa­do.

Des­tro­nar Sam La­ke co­mo o mai­or com­ple­xo ga­bro-anor­to­sí­ti­co do mun­do é por si só um da­do re­le­van­te que jus­ti­fi­ca a ve­lo­ci­da­de com que se es­pa­lhou a no­tí­cia so­bre mais es­ta gran­de des­co­ber­ta, que sur­ge nu­ma al­tu­ra em que as au­to­ri­da­des an­go­la­nas es­tão for­te­men­te apos­ta­das em aca­bar com a de­pen­dên­cia do pe­tró­leo e alar­gar a ba­se das ex­por­ta­ções.

Re­ser­va Mi­nei­ra

É cer­to que com es­ta des­co­ber­ta as au­to­ri­da­des an­go­la­nas vêm re­for­ça­do o ar­gu­men­to de que exis­tem sim con­di­ções ob­jec­ti­vas pa­ra aca­bar com a pe­tro­de­pen­dên­cia. Mais do que sa­ber que re­cur­sos tem no seu ter­ri­tó­rio, que é um dos gran­des ob­jec­ti­vos do Pla­na­geo, é po­der ter um sec­tor mi­nei­ro or­ga­ni­za­do e atrac­ti­vo ao in­ves­ti­men­to pri­va­do, se­ja na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro. Um pri­mei­ro pas­so a ser da­do, ao mes­mo tem­po que se apu­ram mais da­dos so­bre o que re­al­men­te exis­te nos 45 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos do com­ple­xo ga­bro­a­nor­to­sí­ti­co do Cu­ne­ne é cri­ar uma zo­na de re­ser­va mi­nei­ra, tal co­mo pre­vis­to no Có­di­go Mi­nei­ro.

Se­gun­do o mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, Fran­cis­co Qu­ei­roz, a fu­tu­ra Re­ser­va Mi­nei­ra fun­ci­o­na um pou­co co­mo uma “Zo­na de Re­ser­va Fun­diá­ria”, em que o Es­ta­do por de­cre­to cria uma re­ser­va pa­ra as po­lí­ti­cas do Exe­cu­ti­vo pa­ra fins fun­diá­ri­os.

Nes­te ca­so é de es­pe­rar que o Exe­cu­ti­vo crie a zo­na de Re­ser­va Mi­nei­ra, cri­an­do re­gras es­pe­cí­fi­cas pa­ra atrair o in­ves­ti­men­to e dar lu­gar a uma Zo­na de De­sen­vol­vi­men­to Mi­nei­ro de acor­do com a es­tra­té­gia que tem pa­ra o sec­tor. “O que pen­sa­mos é cri­ar nes­sa zo­na um Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to Mi­nei­ro”, re­ve­la.

De­pois da de­ter­mi­na­ção da ex­ten­são do com­ple­xo gar­bo-anor­to­sí­ti­co do Cu­ne­ne pas­sou-se pa­ra a fa­se da aná­li­se ge­oquí­mi­ca das des­co­ber­tas que fo­ram fei­tas no ter­re­no. “Va­mos po­der com­pro­var e en­tão de­ter­mi­nar que quan­ti­da­des de gra­ni­to ne­gro, de ou­ro, de pra­ta e de co­bre e tam­bém ou­tros mi­ne­rais as­so­ci­a­dos”.

Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to

Fran­cis­co Qu­ei­roz ga­ran­te que com ba­se nes­sa in­for­ma­ção ge­oquí­mi­ca vai ser pos­sí­vel pla­ni­fi­car e pro­gra­mar a ex­plo­ra­ção sus­ten­tá­vel des­sa área. O mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas avi­sa que o pro­ces­so es­tá em fa­se adi­an­ta­da e afir­ma que em­bo­ra o dos­si­er es­te­ja a ser tra­ta­do com pru­dên­cia, es­tão a ser da­dos pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos no sen­ti­do de tor­nar re­a­li­da­de o Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to Mi­nei­ro. “Is­so é ime­di­a­to por­que o de­cre­to que pre­vê a cri­a­ção de Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to em ge­ral já exis­te, o que res­ta é adap­tar es­sa re­gra ao fu­tu­ro Pó­lo de De­sen­vol­vi­men­to Mi­nei­ro”, afir­ma o mi­nis­tro, sus­ten­tan­do que “exis­te uma co­mis­são mul­tis­sec­to­ri­al cri­a­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, com o ob­jec­ti­vo de es­tu­dar os Pó­los de De­sen­vol­vi­men­to Mi­nei­ro”.

O mi­nis­tro sa­li­en­ta que o re­sul­ta­do dis­so po­de sur­gir a mé­dio pra­zo, com a cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras nes­sa zo­na e com ba­se ne­las in­cen­ti­var em­pre­sá­ri­os a in­ves­ti­rem nes­sa área.

Có­di­go Mi­nei­ro

Ins­pi­ra­do na ex­pe­ri­ên­cia de ou­tros paí­ses, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no lan­çou­se ao de­sa­fio de cri­ar ba­ses pa­ra que a ac­ti­vi­da­de mi­nei­ra as­su­ma um pa­pel mais ac­ti­vo na eco­no­mia, se­ja na ofer­ta de em­pre­gos se­ja na di­ver­si­fi­ca­ção do PIB. A apro­va­ção do Có­di­go Mi­nei­ro foi um pas­so de­ci­si­vo. É a prin­ci­pal re­fe­rên­cia do qua­dro le­gis­la­ti­vo nes­sa ma­té­ria, e o im­pac­to que tem na or­ga­ni­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor, faz des­per­tar o in­te­res­se de ou­tros paí­ses na de­fi­ni­ção de um mo­de­lo de ges­tão de re­cur­sos.

JAIMAGEM.COM

DR

Mi­nis­té­rio da Ge­o­lo­gia e Mi­nas con­si­de­ra re­a­bi­li­ta­ção do por­to mi­nei­ro do Na­mi­be cru­ci­al pa­ra as ex­por­ta­ções

DR

Aná­li­ses de la­bo­ra­tó­rio vão con­fir­mar e quan­ti­fi­car a va­ri­e­da­de de mi­ne­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.