A di­plo­ma­cia em tem­po de cri­se

PODEROSO INS­TRU­MEN­TO

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BELARMINO VAN-DÚ­NEM |

A di­plo­ma­cia ca­rac­te­ri­za-se pe­la in­te­rac­ção na­tu­ral que os Es­ta­dos man­têm en­tre si com vis­ta a de­fen­der os seus in­te­res­ses na­ci­o­nais no ex­te­ri­or. Por­tan­to, en­vol­ve uma di­men­são po­lí­ti­ca e ou­tra téc­ni­ca, fac­to que obri­ga as es­tru­tu­ras vo­ca­ci­o­na­das pa­ra a di­plo­ma­cia e as mis­sões di­plo­má­ti­cas em si a uma adap­ta­ção com a di­nâ­mi­ca po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al da con­jun­tu­ra na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

No cam­po in­ter­no, as es­tru­tu­ras de­vem re­flec­tir o es­ta­do da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al. É as­sim que os paí­ses que têm uma co­mu­ni­da­de emi­gran­te sig­ni­fi­ca­ti­va che­gam a ter um mi­nis­té­rio ou uma se­cre­ta­ria de Es­ta­do pa­ra as co­mu­ni­da­des. Se hou­ver tro­cas co­mer­ci­ais in­ten­sas com um de­ter­mi­na­do Es­ta­do as em­bai­xa­das são ca­bi­men­ta­das com um Adi­do Co­mer­ci­al e as­sim por di­an­te.

A mis­são di­plo­má­ti­ca tem que ser fle­xí­vel na sua fun­ção de re­pre­sen­tar ofi­ci­al­men­te o Es­ta­do. É um mis­to de fer­vor na­ci­o­na­lis­ta e a pe­rí­cia ne­ces­sá­ria pa­ra o do­mí­nio das téc­ni­cas di­plo­má­ti­cas que en­vol­vem des­de o pro­to­co­lo de bo­as ma­nei­ras, leis, do­mí­nio da si­tu­a­ção in­ter­na do Es­ta­do re­cep­tor até aos cos­tu­mes que fa­zem a di­fe­ren­ça quan­do se tra­ta de mais-va­lia pa­ra o Es­ta­do emis­sor.

As ques­tões que se co­lo­cam ho­je é sa­ber qual a im­por­tân­cia das mis­sões di­plo­má­ti­cas em tem­po de cri­se. Que ti­po de mis­são o Es­ta­do de­ve man­ter e co­mo ca­pi­ta­li­zar a pre­sen­ça dos di­plo­ma­tas nas mais di­ver­sas ca­pi­tais do mun­do a fa­vor do país.

A res­pos­ta é ób­via, nu­ma si­tu­a­ção de con­fli­to é ne­ces­sá­rio re­cor­rer aos téc­ni­cos com ex­pe­ri­ên­cia mi­li­tar e/ou es­pe­ci­a­lis­tas em re­co­lha de in­for­ma­ção pa­ra que pos­sam es­tar na fren­te di­plo­má­ti­ca. Con­clui-se que em tem­po de cri­se eco­nó­mi­ca as mis­sões di­plo­má­ti­cas têm que adap­tar as su­as ac­ti­vi­da­des pa­ra a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to ex­ter­no di­rec­to e in­di­rec­to.

A ca­pi­ta­li­za­ção da his­tó­ria do país no pal­co in­ter­na­ci­o­nal é a cha­ve, o país tem que es­tar na or­dem do dia pe­las me­lho­res ra­zões. Nes­se as­pec­to en­tra o pa­pel da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, a re­la­ção com os me­dia lo­cais é de­ter­mi­nan­te, mas a pro­jec­ção ex­ter­na a par­tir do in­te­ri­or uti­li­zan­do ca­nais in­ter­na­ci­o­nais sob di­rec­ção edi­to­ri­al ofi­ci­al tem sem­pre um im­pac­to mai­or.

As ac­ções di­plo­má­ti­cas de­vem con­cor­rer pa­ra a saí­da da cri­se. A ac­ti­vi­da­de do pes­so­al di­plo­má­ti­co de­ve­rá in­ci­dir so­bre os sec­to­res que ar­re­ca­dem re­cei­tas. As cam­pa­nhas so­bre as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio no país, a or­ga­ni­za­ção e par­ti­ci­pa­ção di­rec­ta em fó­runs pa­ra pas­sar uma ima­gem po­si­ti­va do país e a pos­tu­ra pe­ran­te as au­to­ri­da­des lo­cais trans­for­mam a ima­gem de for­ma ne­ga­ti­va ou po­si­ti­va. A fa­ci­li­ta­ção e sim­pli­fi­ca­ção na atri­bui­ção de vis­tos, as­sim co­mo a pron­ti­dão pa­ra for­ne­cer qual­quer ti­po de in­for­ma­ção de­vem ser prá­ti­cas cor­ren­tes.

As ins­ti­tui­ções in­ter­nas de­vem acom­pa­nhar a mes­ma di­nâ­mi­ca, sob pe­na do po­ten­ci­al in­ves­ti­dor se sen­tir de­frau­da­do. É ne­ces­sá­rio pre­pa­rar as ins­ti­tui­ções no país pa­ra que es­te­jam pre­pa­ra­das pa­ra re­ce­ber os in­ves­ti­do­res e de­sen­vol­ver po­lí­ti­cas que de­mons­trem dis­po­ni­bi­li­da­de com ga­ran­ti­as de es­ta­bi­li­da­de nos im­pos­tos, as­sim co­mo o ri­gor na fa­ci­li­ta­ção por par­te das au­to­ri­da­des lo­cais pa­ra que os mes­mos pos­sam ser im­ple­men­ta­dos sem en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos. Aqui a in­ci­dên­cia re­cai so­bre os re­cur­sos hu­ma­nos, a for­ma­ção e cons­ci­en­ci­a­li­za­ção dos téc­ni­cos que li­dam di­rec­ta­men­te com o po­ten­ci­al in­ves­ti­dor.

O tu­ris­mo é uma fon­te de re­cei­ta que be­ne­fi­cia di­rec­ta­men­te o in­ves­ti­dor lo­cal, cria em­pre­go di­rec­to e in­di­rec­to e po­de ali­men­tar to­da a ca­deia pro­du­ti­va. A qua­li­da­de da ofer­ta do pa­co­te tu­rís­ti­co de­ve ajus­tar-se com pre­ços con­vi­da­ti­vos e con­vin­cen­tes.

Não exis­te aglo­me­ra­ção hu­ma­na que não pos­sua uma his­tó­ria que pos­sa ser trans­for­ma­da em pro­du­to tu­rís­ti­co. Mas as con­di­ções a mon­tan­te de­vem es­tar ga­ran­ti­das: trans­por­tes, lo­cais de­vi­da­men­te si­na­li­za­dos e ca­ta­lo­ga­dos, gui­as e/ou in­for­ma­dos com for­ma­ção es­pe­ci­a­li­za­da, as­sim co­mo a exis­tên­ci­as de um con­jun­to de ser­vi­ços ho­ri­zon­tais que são in­dis­pen­sá­veis pa­ra que o tu­ris­ta sin­ta que a op­ção foi a me­lhor e que se­ja ac­tor do efei­to mul­ti­pli­ca­dor.

As mis­sões di­plo­má­ti­cas de­vem ter par­ce­ri­as com as agên­ci­as de tu­ris­mo. É ne­ces­sá­rio cla­ri­fi­car o ti­po de tu­ris­mo que o país e a re­gião in­di­ca­da em par­ti­cu­lar es­tá em con­di­ções de ofe­re­cer: Ru­ral, cul­tu­ral, re­li­gi­o­so, des­por­ti­vo, re­pou­so eco­ló­gi­co, exó­ti­co, o tu­ris­ta tem de sa­ber com o que vai con­tar.

Por­tan­to, as ac­ções pa­ra fa­zer fa­ce à cri­se de­vem es­tar vol­ta­das pa­ra fo­ra do ter­ri­tó­rio, so­bre­tu­do quan­do o ob­jec­ti­vo ex­pres­so é a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to ex­ter­no. A es­tra­té­gia pa­ra fa­zer fa­ce à cri­se pas­sa obri­ga­to­ri­a­men­te pe­la di­plo­ma­cia. As mis­sões di­plo­má­ti­cas es­tão na li­nha da fren­te e de­las po­de de­pen­der a úl­ti­ma de­ci­são de um de­ter­mi­na­do in­ves­ti­dor op­tar ou não pe­lo país.

Nes­ta pers­pec­ti­va, a fren­te di­plo­má­ti­ca de­ve ser re­for­ça­da e re­for­mu­la­da por­que a re­trac­ção po­de sig­ni­fi­car per­das em re­la­ção aos ob­jec­ti­vos já al­can­ça­dos. To­do o tra­ba­lho de cri­a­ção de ima­gem e com fins eco­nó­mi­cos aca­ba por não sur­tir o efei­to de­se­ja­do.

A di­plo­ma­cia de­ve ser exer­ci­da co­mo um ca­ta­li­sa­dor co­mer­ci­al e eco­nó­mi­co do país, po­den­do tra­zer re­tor­nos nou­tros sec­to­res, co­mo o po­lí­ti­co, cul­tu­ral e no da ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca, sen­do um dos fun­da­men­tos da co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal na ac­tu­a­li­da­de. Em tem­po de cri­se a di­plo­ma­cia de­ve ser in­ten­si­fi­ca­da por ser um ins­tru­men­to poderoso que abre as por­tas do ex­te-

CIA PAK|UN PHOTO

A di­plo­ma­cia é uma ar­ma po­de­ro­sa em si­tu­a­ções de cri­se ou con­fli­tos in­ter­na­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.