Cres­ci­men­to mais rá­pi­do com re­cur­sos pú­bli­cos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MARIE HEUCLIN |

As ener­gi­as re­no­vá­veis vão de­sen­vol­ver-se mais ra­pi­da­men­te do que o pre­vis­to nos pró­xi­mos cin­co anos à con­di­ção de que te­nham apoio fi­nan­cei­ro pú­bli­co, as­se­gu­ra a Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia (AIE) num re­la­tó­rio pu­bli­ca­do on­tem.

Após anos de pre­vi­sões pru­den­tes, a AIE re­viu em al­ta as su­as pre­vi­sões pa­ra as ener­gi­as “ver­des”, co­mo a eó­li­ca ou a so­lar, se­gun­do o seu re­la­tó­rio anu­al, que apon­ta pre­vi­sões de mé­dio pra­zo.

A agên­cia ava­lia em 825 gi­gawatts a ca­pa­ci­da­de das ener­gi­as re­no­vá­veis que se­rão ins­ta­la­das no mun­do até 2021, um au­men­to de 42 por cen­to em re­la­ção a 2015, e 13 por cen­to mais que as su­as pre­vi­sões an­te­ri­o­res.

Es­sas pers­pec­ti­vas “mais op­ti­mis­tas” são o re­sul­ta­do de um re­cor­de no de­sen­vol­vi­men­to da ener­gia eó­li­ca ter­res­tre (112 GW ins­ta­la­dos) e das re­no­vá­veis em ge­ral (153 GW), in­di­cou Pa­o­lo Fran­kl, di­rec­tor da di­vi­são de ener­gi­as re­no­vá­veis na AIE nu­ma te­le­con­fe­rên­cia.

Fran­kl ci­ta, em par­ti­cu­lar, o apoio pú­bli­co às ener­gi­as re­no­vá­veis em paí­ses co­mo a Chi­na, Ín­dia e Mé­xi­co.

“Es­ta­mos a vi­ver uma trans­for­ma­ção dos mer­ca­dos mun­di­ais de elec­tri­ci­da­de, gra­ças às ener­gi­as re­no­vá­veis”, afir­mou o di­rec­to­re­xe­cu­ti­vo da AIE, Fa­tih Bi­rol, ci­ta­do num co­mu­ni­ca­do.

Se­gun­do a agên­cia com se­de em Pa­ris, as ener­gi­as re­no­vá­veis re­pre­sen­ta­rão em 2021,28 por cen­to da pro­du­ção mun­di­al de elec­tri­ci­da­de, em com­pa­ra­ção aos 23 por cen­to de 2015.

A AIE ex­pli­ca es­se avan­ço pe­la que­da dos cus­tos das ener­gi­as eó­li­ca e so­lar, que ace­le­ra­ram nos úl­ti­mos anos e que se tor­na­ram ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vas.

Além dis­so, nos pró­xi­mos cin­co anos, os cus­tos da ener­gia so­lar de­ve­ri­am bai­xar em 25 por cen­to e os da ener­gia eó­li­ca em 15 por cen­to. Es­sas du­as ener­gi­as re­pre­sen­ta­rão 75 por cen­to das no­vas ca­pa­ci­da­des ins­ta­la­das nes­se mes­mo pe­río­do.

Pa­ra as de­mais ener­gi­as re­no­vá­veis, a pers­pec­ti­va é me­nos fa­vo­rá­vel, e a AIE pre­vê a cons­tru­ção de me­nos cen­trais hi­dro­e­léc­tri­cas, em par­ti­cu­lar na Chi­na e no Bra­sil.

Tam­bém cres­ce­rão a um rit­mo mais len­to a bi­o­mas­sa, a ener­gia so­lar por con­cen­tra­ção, a ge­o­ter­mia e as ener­gi­as ma­rí­ti­mas.

A AIE aler­ta tam­bém pa­ra a que­da da ae­ro­ter­mia e dos bi­o­com­bus­tí­veis, que te­rão um de­sen­vol­vi­men­to “mui­to, mui­to len­to”, se­gun­do Fran­kl, que atri­buiu es­se re­cuo ao im­pac­to do bai­xo pre­ço do pe­tró­leo.

A agên­cia au­men­ta as su­as pre­vi­sões prin­ci­pal­men­te em qua­tro paí­ses — Es­ta­dos Uni­dos, Chi­na, Ín­dia e Mé­xi­co — pe­las po­lí­ti­cas fa­vo­rá­veis dos seus go­ver­nos às ener­gi­as re­no­vá­veis.

Nos Es­ta­dos Uni­dos, as au­to­ri­da­des pror­ro­ga­ram até 2021 as van­ta­gens fis­cais pa­ra o in­ves­ti­men­to em ener­gi­as re­no­vá­veis, en­quan­to a Chi­na de­fi­niu me­tas am­bi­ci­o­sas no seu no­vo pla­no eco­nó­mi­co quin­que­nal.

“A Ásia to­ma de­fi­ni­ti­va­men­te a li­de­ran­ça” no cres­ci­men­to das ener­gi­as ver­des no mun­do, ex­pli­ca Pa­o­lo Fran­kl, em­bo­ra a re­gião ain­da se­ja do­mi­na­da pe­las ener­gi­as fós­seis.

“A con­cor­rên­cia na Ásia en­tre as re­no­vá­veis e o gás e o car­vão se­rá o fac­tor-cha­ve que de­ci­di­rá se se ga­nha ou se per­de a ba­ta­lha con­tra as mu­dan­ças cli­má­ti­cas”, ad­ver­te.

DR

Trans­for­ma­ção no mun­do da elec­tri­ci­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.