Ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra no Mai­om­be

Aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res afec­ta flo­res­tas nos mu­ni­cí­pi­os de Bu­co-Zau e Be­li­ze

Jornal de Angola - - PARTADA - BER­NAR­DO CAPITA | Ca­bin­da

A par do pe­tró­leo, a ma­dei­ra é um re­cur­so im­por­tan­te pa­ra Ca­bin­da. Os mu­ni­cí­pi­os de Bu­co-Zau, na mar­gem di­rei­ta do rio Lu­a­li, e Be­li­ze, bem no in­te­ri­or da flo­res­ta do Mai­om­be, o se­gun­do mai­or “pul­mão” do mun­do, de­pois da Ama­zó­nia (Bra­sil), são as prin­ci­pais zo­nas de ex­plo­ra­ção.

A par do pe­tró­leo, a ma­dei­ra é um re­cur­so im­por­tan­te pa­ra Ca­bin­da. Os mu­ni­cí­pi­os de Bu­coZau, na mar­gem di­rei­ta do rio Lu­a­li, e Be­li­ze, bem no in­te­ri­or da flo­res­ta do Mai­om­be, o se­gun­do mai­or “pul­mão” do mun­do, de­pois, da Ama­zó­nia (Bra­sil), são as prin­ci­pais zo­nas de ex­plo­ra­ção.

O ecos­sis­te­ma da re­gião per­mi­te uma rá­pi­da re­ge­ne­ra­ção das se­men­tes sem re­cur­so a mé­to­dos con­ven­ci­o­nais de re­po­vo­a­men­to flo­res­tal. Cres­ce ali uma gran­de di­ver­si­da­de de es­pé­ci­es, co­mo cam­ba­la, mun­di­a­nu­ni ver­me­lho e pre­to, pau pre­to, to­la bran­ca, pau ro­sa, men­ga­men­ga, ta­ku­la, nsin­ga e li­fui­ti, to­das de al­to va­lor co­mer­ci­al.

O che­fe do de­par­ta­men­to pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal, An­tó­nio Pau­lo, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que no pre­sen­te ano flo­res­tal, que vai de 31 de Mar­ço a 30 de No­vem­bro, a ac­ti­vi­da­de de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra es­tá a ser fei­ta ape­nas por se­te das 11 em­pre­sas le­ga­li­za­das pa­ra o seu cor­te.

A ca­da em­pre­sa li­cen­ci­a­da pe­lo Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF), foi atri­buí­da uma área que vai de dois a 10 mil hec­ta­res pa­ra ex­trac­ção da ma­dei­ra. As di­men­sões são atri­buí­das em fun­ção de re­qui­si­tos de­fi­ni­dos pe­la Lei de Ter­ras, que es­ta­be­le­ce que, no ca­so de em­pre­sas não de­ten­to­ras de equi­pa­men­tos e uni­da­des de se­mi-trans­for­ma­ção, é ce­di­do um pe­rí­me­tro não su­pe­ri­or a dois mil hec­ta­res, ao pas­so que àque­las que pos­su­em in­dús­tri­as e ou­tros mei­os téc­ni­cos de ex­plo­ra­ção são per­mi­ti­dos até dez mil hec­ta­res.

Re­ser­va flo­res­tal

O ecos­sis­te­ma de Mai­om­be já ca­re­ce de áre­as vir­gens. A úni­ca área com tais con­di­ções na­que­la pe­ri­fe­ria é a da re­gião do Al­to Sun­di, pa­ra on­de “es­tá a ser trans­fe­ri­da, de for­ma gra­du­al, gran­de par­te de em­pre­sas que ex­plo­ram ma­dei­ra em Bu­co-Zau”, dis­se o res­pon­sá­vel do IDF.

Des­de o tem­po co­lo­ni­al, es­ta zo­na é mui­to ex­plo­ra­da pe­los ma­dei­rei­ros, além do des­ma­ta­men­to fei­to pe­los agri­cul­to­res iti­ne­ran­tes, que aba­tem “to­do ti­po de ár­vo­re que apa­re­cer à sua fren­te, che­gan­do ao pon­to de der­ru­bar es­pé­ci­es em cres­ci­men­to.”

O IDF, à luz do no­vo de­cre­to que cria os ins­ti­tu­tos pú­bli­cos, foi clas­si­fi­ca­do co­mo ins­ti­tu­to pro­du­ti­vo, que, den­tre ou­tras ta­re­fas, tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de emi­tir li­cen­ças de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra, fis­ca­li­zar a ac­ti­vi­da­de de cor­te, co­bran­ça de ta­xas de ex­plo­ra­ção flo­res­tal e pro­du­ção de car­vão ve­ge­tal.

Nes­sa pers­pec­ti­va, no pri­mei­ro se­mes­tre de 2016, a ins­ti­tui­ção ar­re­ca­dou pa­ra a Con­ta Úni­ca de Te­sou­ro (CUT) 16.377 mi­lhões de kwan­zas, re­sul­tan­tes de co­bran­ças de ta­xas de ex­plo­ra­ção flo­res­tal e de ou­tros emo­lu­men­tos re­fe­ren­tes à ex­por­ta­ção de 10.079,400 me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra em to­ro pa­ra a Chi­na e o Vi­et­na­me e 1.166,610 me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra ser­ra­da pa­ra Por­tu­gal e o Vi­et­na­me, além dos 40. 268 me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra re­fe­ren­tes ao re­gi­me de ca­bo­ta­gem.

O va­lor ar­re­ca­da­do pe­lo IDF re­sul­tou ain­da na co­bran­ça de 462.625 me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra ser­ra­da des­ti­na­da ao con­su­mo in­ter­no e de mul­tas pe­la pro­du­ção de car­vão ve­ge­tal em áre­as não au­to­ri­za­das pe­lo ór­gão que vela pe­la con­ser­va­ção da na­tu­re­za.

Ga­rim­po de ma­dei­ra

O ga­rim­po de ma­dei­ra tor­nou-se, nos di­as de ho­je, um ne­gó­cio mui­to ape­la­ti­vo em Ca­bin­da, por pro­pi­ci­ar às pes­so­as que se de­di­cam ao aba­te clan­des­ti­no de ár­vo­res um en­ri­que­ci­men­to fá­cil e rá­pi­do. O cor­te clan­des­ti­no de ma­dei­ra é fei­to na zo­na de Ne­cu­to, na sua mai­o­ria ci­da­dãos do Con­go De­mo­crá­ti­co com a cum­pli­ci­da­de de na­ci­o­nais, in­cluin­do au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais da­que­la lo­ca­li­da­de fron­tei­ri­ça.

A de­nún­cia é do che­fe do de­par­ta­men­to pro­vin­ci­al do IDF, An­tó­nio Pau­lo, que des­cre­veu o qu­a­dro co­mo pre­o­cu­pan­te, de­vi­do à in­va­são da flo­res­ta de Ne­cu­to por es­tran­gei­ros ile­gais com a “per­mis­são das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais des­sa lo­ca­li­da­de, se­pa­ra­da da RDC por uma fron­tei­ra fluvial.”

O res­pon­sá­vel do IDF afir­mou que os con­go­le­ses vi­vem em pe­que­nos ca­se­bres na flo­res­ta, mu­ni­dos de mo­tos­ser­ras e de ou­tros mei­os ru­di­men­ta­res e, na ca­la­da da noi­te, fa­zem o cor­te ile­gal de ma­dei­ra e a ser­ra­gem em si­mul­tâ­neo.

“Es­ta­mos mui­to pre­o­cu­pa­dos com es­sa si­tu­a­ção, por­que os ga­rim­pei­ros, além de se­rem mai­o­ri­ta­ri­a­men­te es­tran­gei­ros ile­gais, tra­ba­lham à mar­gem da lei, de­vas­tam a flo­res­ta, com con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis à flo­ra, já que, por fal­ta de equi­pa­men­tos apro­pri­a­dos pa­ra o cor­te de ma­dei­ra, es­co­lhem pre­fe­ren­ci­al­men­te ár­vo­res de pe­que­nas di­men­sões, com di­â­me­tros en­tre 20 e 40 cen­tí­me­tros pa­ra o aba­te, o que é re­pro­vá­vel”, afir­mou. As es­pé­ci­es mais pro­cu­ra­das pe­los ga­rim­pei­ros de ma­dei­ra são a to­la bran­ca e a cam­ba­la.

“O ga­rim­po é a for­ma mais vi­o­len­ta de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra que já sur­giu na nos­sa pro­vín­cia”, aler­tou An­tó­nio Pau­lo, pa­ra quem es­sa prá­ti­ca fo­ge ao con­tro­lo da ins­ti­tui­ção. O IDF ape­nas pos­sui no­ve fis­cais, nú­me­ro in­su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir uma fis­ca­li­za­ção efi­caz da ac­ti­vi­da­de de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra, tan­to na ex­ten­sa flo­res­ta do Mai­om­be, co­mo na re­gião de Ne­cu­to, on­de ocor­re o con­tra­ban­do de ma­dei­ra.

Ou­tro ne­gó­cio apon­ta­do pe­lo res­pon­sá­vel do IDF que con­tri­bui de for­ma ne­ga­ti­va pa­ra a de­vas­ta­ção da flo­res­ta é o de fa­bri­co de car­vão ve­ge­tal e de le­nha, cu­jos ac­to­res vi­o­lam as nor­mas le­gais es­ta­be­le­ci­das, li­mi­tan­do-se a ex­trair a le­nha pa­ra o fa­bri­co de car­vão em áre­as não au­to­ri­za­das.

O cor­te anár­qui­co do “pau Ca­bin­da” pa­ra apro­vei­ta­men­to da cas­ca pa­ra uso co­mo es­ti­mu­lan­te se­xu­al con­tri­bui tam­bém pa­ra a de­vas­ta­ção da flo­res­ta na co­mu­na de Ne­cu­to, a 75 qui­ló­me­tros a nor­des­te da ci­da­de de Ca­bin­da, de­nun­ci­ou An­tó­nio Pau­lo.

Trans­for­ma­ção da ma­dei­ra

Pa­ra ren­ta­bi­li­zar as em­pre­sas de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra, é im­pres­cin­dí­vel que as mes­mas te­nham tam­bém pe­que­nas ou mé­di­as uni­da­des de trans­for­ma­ção, do­ta­das de equi­pa­men­tos téc­ni­cos ca­pa­zes de ga­ran­tir um pro­du­to aca­ba­do de qua­li­da­de, tal co­mo tá­bu­as, bar­ro­tes, fo­lhas de con­tra­pla­ca­do e ta­cos pa­ra co­lo­ca­ção em pa­vi­men­tos no in­te­ri­or das re­si­dên­ci­as.

Ca­bin­da pos­sui oi­to ser­ra­ções que o sec­tor da In­dús­tria pre­ten­de do­tar de car­pin­ta­ri­as in­dus­tri­ais pa­ra a pro­du­ção de mo­bi­liá­rio, dis­se o se­cre­tá­rio pro­vin­ci­al, Ge­ral­do Pau­lo.

A es­tra­té­gia, de acor­do com aque­le res­pon­sá­vel, re­sul­ta da ori­en­ta­ção do Exe­cu­ti­vo, que proí­be do­ra­van­te a ex­por­ta­ção de ma­dei­ra em to­ro. An­tes da ex­por­ta­ção, o pro­du­to de­ve ser trans­for­ma­do no país, pa­ra a res­pec­ti­va va­lo­ri­za­ção e cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho.

“Ul­tra­pas­sá­mos a pro­du­ção diá­ria de 20 mil me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra ser­ra­da, ci­fra es­ta­be­le­ci­da pe­lo Exe­cu­ti­vo até 2017. A apos­ta ago­ra es­tá na cri­a­ção de uni­da­des de pro­du­ção de mo­bi­liá­rio e ou­tros bens úteis pa­ra a eco­no­mia e pa­ra a vi­da das po­pu­la­ções”, afir­mou.

A ins­ta­la­ção de uma es­tu­fa de se­ca­gem de ma­dei­ra, pa­ra per­mi­tir que o pro­du­to das fu­tu­ras car­pin­ta­ri­as in­dus­tri­ais se­ja de ex­ce­lên­cia, é ou­tra apos­ta do sec­tor, anun­ci­a­da pe­lo se­cre­tá­rio da In­dús­tria. Ge­ral­do Pau­lo acre­di­ta que, com um pou­co mais de apoio ins­ti­tu­ci­o­nal aos ope­ra­do­res do sec­tor ma­dei­rei­ro, é pos­sí­vel de­sen­vol­ver um con­jun­to de de­ri­va­dos de ma­dei­ra pa­ra os vá­ri­os seg­men­tos so­ci­o­e­co­nó­mi­cos do país.

A Ima­col, do gru­po An­tó­nio Pe­rei­ra Ne­ves, é uma das oi­to em­pre­sas de ex­plo­ra­ção flo­res­tal li­cen­ci­a­das pe­lo IDF e es­tá do­ta­da de uma pe­que­na uni­da­de de se­mi-trans­for­ma­ção, ca­paz de ser­rar 30 me­tros cú­bi­cos por dia. A pro­du­ção da uni­da­de des­ti­na­se em ex­clu­si­vo pa­ra o mer­ca­do lo­cal e a car­pin­ta­ria da em­pre­sa, que se de­di­ca ao fa­bri­co de mo­bí­lia e pran­chas pa­ra sus­ten­ta­ção da li­nha fér­rea.

O res­pon­sá­vel da uni­da­de, Má­rio Co­vas, dis­se que a pre­o­cu­pa­ção, de mo­men­to, es­tá re­la­ci­o­na­da com o ga­rim­po da ma­dei­ra, que sus­ten­ta o mer­ca­do in­for­mal e que pro­vo­ca a con­cor­rên­cia des­le­al, já que os prin­ci­pais con­su­mi­do­res do pro­du­to, com a cri­se fi­nan­cei­ra rei­nan­te no país, pre­fe­rem o mer­ca­do in­for­mal, on­de en­con­tram pre­ços mui­to mais bai­xos do que os pra­ti­ca­dos em ser­ra­ções.

“Es­ta­mos com sé­ri­os pro­ble­mas de fal­ta de cli­en­te­la, por um la­do, e, por ou­tro, de­vi­do ao au­men­to ex­po­nen­ci­al dos cus­tos de pro­du­ção”, la­men­tou.

RA­FA­EL TATI

RA­FA­EL TATI

O des­ma­ta­men­to da flo­res­ta é fei­to des­de o tem­po co­lo­ni­al por agri­cul­to­res iti­ne­ran­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.