Lim­pe­za pú­bli­ca em Lu­an­da

Jornal de Angola - - PARTADA -

A cam­pa­nha per­ma­nen­te, en­tre nós, con­tra a ma­lá­ria, com su­ces­si­vos con­se­lhos à po­pu­la­ção, so­bre a im­por­tân­cia do cum­pri­men­to diá­rio de uma sé­rie de me­di­das, tem con­tri­buí­do pa­ra a do­en­ça não atin­gir pro­por­ções ain­da mai­o­res em An­go­la.

En­tre as me­di­das dos or­ga­nis­mos ofi­ci­ais con­ta-se o ape­lo à co­lo­ca­ção cor­rec­ta do li­xo - em sa­cos de­vi­da­men­te fe­cha­dos em con­ten­to­res des­ti­na­dos ao efei­to, cu­jas tam­pas não de­vem nun­ca ser dei­xa­das aber­tas.

A in­ten­ção é boa, o prin­cí­pio cor­rec­to, mas in­su­fi­ci­en­te, pa­ra não di­zer im­pro­fí­cuo, se não for­mos to­dos nós a co­la­bo­rar de for­ma cons­ci­en­te e efec­ti­va nes­te com­ba­te a uma do­en­ça que con­ti­nua a cei­far diariamente mi­lha­res de vi­das em to­do o Mun­do e per­ma­ne­ce um fla­ge­lo no li­mi­ar do sé­cu­lo XXI, quan­do vi­si­tas à Lua dei­xa­ram de ser so­nho de ci­en­tis­tas e a Mar­te se apres­sam em bre­ve a tor­nar-se igual­men­te “cor­ri­quei­ras”.

O pro­ble­ma da lim­pe­za pú­bli­ca em Lu­an­da - in­du­bi­ta­vel­men­te o mais gra­ve no país - re­quer sem dú­vi­da o em­pe­nho da po­pu­la­ção, não ape­nas no que se re­fe­re ao li­xo do­més­ti­co, mas igual­men­te ao pro­du­zi­do por zun­guei­ros, qui­tan­dei­ras, su­per­mer­ca­dos, res­tau­ran­tes e tas­cas. O que im­pli­ca, tam­bém nes­tes ca­sos, a “re­vo­lu­ção” de men­ta­li­da­des. O que, acen­tue-se, não é ta­re­fa fá­cil nu­ma ur­be que se trans­for­mou, pe­los pi­o­res mo­ti­vos, nu­ma gran­de me­tró­po­le.

Lu­an­da, con­ce­bi­da no tem­po co­lo­ni­al pa­ra qui­nhen­tos mil ha­bi­tan­tes, no má­xi­mo, tem ho­je cer­ca de seis mi­lhões e meio. Es­te des­co­mu­nal au­men­to po­pu­la­ci­o­nal de­ve-se es­sen­ci­al­men­te aos que fu­gi­am da(s) guer­ra(s) e vi­ram na ca­pi­tal o lo­cal mais se­gu­ro pa­ra so­bre­vi­ver. Vi­e­ram de to­do o país, ci­da­des, vi­las e quim­bos. Em aviões su­per­lo­ta­dos de rai­vas e lá­gri­mas. Trou­xe­ram cos­tu­mes di­fe­ren­tes. Ins­tin­ti­va­men­te, pro­cu­ra­ram man­tê­los. Tor­na­ram-se de­sen­rai­za­dos. Cons­truí­ram “ca­sas” com o que ti­nham mais à mão - ma­dei­ra, cha­pas, ole­a­dos, pa­pe­lão -, on­de pro­cu­ra­ram con­vi­ver com o me­do que tra­zi­am pe­ga­do à pe­le e às sau­da­des da paz. Na edi­fi­ca­ção des­tes “re­fú­gi­os” blo­que­a­ram ru­as e be­cos, adul­te­ra­ram prai­as e bair­ros, su­per­lo­ta­ram pré­di­os “tão al­tos!”, co­mo al­guns ja­mais ima­gi­na­ram ha­ver. Ou­tros, pou­cos, aci­ma de tu­do cri­an­ças ór­fãs, en­con­tra­ram na rua o aga­sa­lho pa­ra a so­li­dão.

Os mais ido­sos olha­ram a ci­da­de gran­de com olhos de me­do, os mais no­vos com des­lum­bra­men­to. Na ho­ra de re­fa­zer a vi­da, à fal­ta de um can­to de ter­ra pa­ra a la­vra, mui­tos dos ho­mens fi­ze­ram-se pes­ca­do­res ou ven­de­do­res de rua. As mu­lhe­res con­ti­nu­a­ram a acar­re­tar água, a ser mães, com­pa­nhei­ras, “zun­guei­ras” sen­ta­das nos pas­sei­os co­mo o fa­zi­am à bei­ra dos ca­mi­nhos ou nos mer­ca­dos.

Lu­an­da, so­li­dá­ria, acolheu-os a to­dos. Tam­bém ela co­nhe­ce­ra di­rec­ta­men­te - das ou­tras for­mas con­ti­nu­a­va a so­frer - os efei­tos da fú­ria as­sas­si­na dos ini­mi­gos. An­go­la es­ta­va em guer­ra. A so­be­ra­nia e a in­te­gri­da­de do país em cau­sa. Mui­tos dos seus me­lho­res fi­lhos de­fen­di­am-na de ar­mas na mão. O Go­ver­no, o Exér­ci­to, a Po­lí­cia, as au­to­ri­da­des ofi­ci­ais, ti­nham co­mo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo o cum­pri­men­to da His­tó­ria, uma Pá­tria una e in­di­vi­sí­vel. A des­ca­rac­te­ri­za­ção da ca­pi­tal era, en­tão, fa­ce a to­das ou­tras con­sequên­ci­as ine­vi­tá­veis de um con­fli­to ar­ma­do, coi­sa de so­me­nos, além do mais se tal se de­via a aco­lher ir­mãos “sem te­lha­do, nem es­tei­ra”.

A His­tó­ria cum­priu-se. A Na­ção man­tém-se so­be­ra­na e in­tac­ta nas fron­tei­ras que a de­li­mi­tam ge­o­gra­fi­ca­men­te. Os ini­mi­gos fo­ram der­ro­ta­dos, mas An­go­la não usou a so­bran­ce­ria. Es­ten­deu-lhes a mão do per­dão e da fra­ter­ni­da­de. Che­ga­ra o mo­men­to da re­con­ci­li­a­ção. Era pre­ci­so re­cons­truir o que fo­ra des­truí­do e cons­truir o que nun­ca hou­ve­ra e era, é, tan­to!

Na ho­ra da vi­tó­ria, que trou­xe a paz, mui­tos dos que che­ga­ram já ido­sos a Lu­an­da ti­nham mor­ri­do ou es­ta­vam ir­re­me­di­a­vel­men­te mar­ca­dos pe­las agru­ras pa­ra que­re­rem vol­tar aos sí­ti­os on­de ti­nham vi­vi­do pe­sa­de­los que tra­zi­am ar­qui­va­dos na me­mó­ria. Os que co­nhe­ce­ram a ca­pi­tal já adul­tos, ou eram de­ma­si­a­do ve­lhos pa­ra re­gres­sa­rem às ori­gens ou não sen­ti­am for­ças pa­ra re­co­me­çar. Aos mais no­vos, os que che­ga­ram cri­an­ças, nem lhes fa­las­sem em aban­do­nar a ter­ra on­de fi­ca­ram ho­mens sem tem­po de ser me­ni­nos. A to­dos es­tes, há que jun­tar os que após exí­li­os, prin­ci­pal­men­te em Áfri­ca e na Eu­ro­pa, es­tão ou­tra vez em Lu­an­da, tam­bém eles com no­vos há­bi­tos e, em al­guns ca­sos, sem ca­pa­ci­da­de, in­fe­liz­men­te, de per­ce­be­rem uma no­va re­a­li­da­de.

Jun­tar to­das es­tas for­mas de es­tar e pen­sar num ca­di­nho po­de ser de­sas­tro­so se não hou­ver an­tes uma aná­li­se pro­fun­da da si­tu­a­ção e não se cair na ten­ta­ção, uma vez mais, de que­rer trans­plan­tar pa­ra Lu­an­da mo­de­los de ou­tras gran­des ci­da­des.

O pro­ble­ma da lim­pe­za pú­bli­ca em Lu­an­da é gra­ve e tem de ser re­sol­vi­do com ur­gên­cia, mas não pre­ci­pi­ta­da­men­te, pa­ra não se cair em si­tu­a­ções com­ple­xas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.