Si­nos vol­tam a to­car em ci­da­de ira­qui­a­na

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOR­GE FUENTELSAZ | EFE

Os si­nos da igre­ja do bair­ro de Al Adraa, na ci­da­de ira­qui­a­na de Bar­ta­la, vol­ta­ram a to­car dois anos e qua­tro me­ses de­pois dos seus ha­bi­tan­tes, na mai­o­ria cris­tãos, dei­xa­rem a ci­da­de pe­ran­te a imi­nen­te che­ga­da dos fun­da­men­ta­lis­tas do Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI).

No en­tan­to, o seu re­pi­car só é es­cu­ta­do pe­los sol­da­dos ira­qui­a­nos que vi­gi­am es­ta ci­da­de fan­tas­ma que os jiha­dis­tas dei­xa­ram há ape­nas al­guns di­as, não sem an­tes en­chê-la de mi­nas e ex­plo­si­vos.

Na cú­pu­la do tem­plo, os sol­da­dos co­lo­ca­ram uma cruz de ma­dei­ra im­pro­vi­sa­da e uma bandeira ira­qui­a­na, lo­cal on­de os ex­tre­mis­tas man­ti­ve­ram iça­do seu es­tan­dar­te ne­gro de­pois de ar­ran­car to­das as cru­zes das igre­jas, tan­to de Bar­ta­la co­mo das ou­tras ci­da­des que caí­ram nas su­as mãos.

Jun­to à igre­ja fi­ca o an­ti­go cen­tro cul­tu­ral que os jiha­dis­tas usa­ram co­mo ba­se de ope­ra­ções e no qual os sol­da­dos apres­sa­ram-se a ta­char os sím­bo­los do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Ago­ra es­tá va­zio e no pá­tio ain­da es­tá pen­du­ra­da uma ve­lha cai­xa de pa­pe­lão de cer­ve­ja, uma be­bi­da proi­bi­da pe­lo is­lão e cu­jo con­su­mo é cas­ti­ga­do pe­los jiha­dis­tas, in­clu­si­ve com a mor­te.

No mu­ro do edi­fí­cio, on­de são vi­sí­veis em vá­ri­as par­tes os des­tro­ços cau­sa­dos pe­los com­ba­tes, é pos­sí­vel ler uma ins­cri­ção im­pro­vi­sa­da e es­cri­ta pre­ci­pi­ta­da­men­te “O Es­ta­do Is­lâ­mi­co per­ma­ne­ce­rá e irá es­pa­lhar-se com for­ça”.

Num gran­de nú­me­ro de fa­cha­das de ca­sas é pos­sí­vel ler “es­ta ca­sa per­ten­ce ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co” ou “es­ta ca­sa foi em­bar­ga­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, que per­se­gue nas ter­ras que do­mi­na to­das as mi­no­ri­as re­li­gi­o­sas e to­dos aque­les que não com­par­ti­lham a sua vi­são fa­ná­ti­ca do is­lão su­ni­ta.

“Es­ta­mos an­si­o­sos pa­ra vol­tar aos nos­sos la­res por­que foi a pri­mei­ra vez em qua­se se­te mil anos que o nos­so po­vo dei­xou es­ta ter­ra”, dis­se à Agên­cia Efe o ex-de­pu­ta­do ira­qui­a­no Kha­les Stei­fu que, co­mo o res­to dos mo­ra­do­res des­ta re­gião, si­tu­a­da a les­te de Mos­sul, dei­xou sua ca­sa no dia 6 de Agos­to de 2014.

Stei­fu, que é tam­bém por­ta-voz do cor­po pa­ra­po­li­ci­al da Guar­da de Ni­nawa, cal­cu­la que de­pois do pe­ri­go se afas­tar da re­gião, se­rão pre­ci­sos dois me­ses pa­ra lim­par a ci­da­de de mi­nas, res­ta­be­le­cer a ad­mi­nis­tra­ção, os ser­vi­ços, a água e a elec­tri­ci­da­de, as­sim co­mo as es­co­las, an­tes que os seus ha­bi­tan­tes ori­gi­nais pos­sam re­tor­nar às su­as ca­sas.

“Es­ta­mos mui­to con­ten­tes, pa­ra nós é um no­vo nas­ci­men­to”, sen­ten­ci­ou Stei­fu na en­tra­da da ci­da­de.

Mas as ex­plo­sões es­po­rá­di­cas e os dis­pa­ros in­ter­mi­ten­tes lem­bram que os com­ba­tes con­ti­nu­am pró­xi­mos de Bar­ta­la, cu­jas ru­as es­tão in­fes­ta­das de cáp­su­las de pro­jéc­teis de me­tra­lha­do­ra, ca­bos de elec­tri­ci­da­de cor­ta­dos e lo­jas quei­ma­das.

Um mi­li­ci­a­no das for­ças de Sahel Ni­nawa, de­pen­den­tes das tro­pas de se­gu­ran­ça cur­das “pesh­mer­gas”, des­lo­cou-se com as for­ças es­pe­ci­ais ira­qui­a­nas a Bar­ta­la on­de bei­jou a fo­to­gra­fia de uma virgem ar­ran­ca­da de uma fo­lha de um ca­len­dá­rio, que re­pou­sa no as­sen­to tra­sei­ro de um veí­cu­lo blin­da­do.

“Sou cris­tão de Sahel Ni­nawa, sou de Ka­ra­kosh (Ham­da­niya, em tur­co), mas es­te tam­bém é o meu po­vo­a­do”, as­se­gu­rou à Efe Hu­san Sa­lem, que con­fes­sou que não pô­de des­cre­ver a ale­gria que sen­tiu por ter vol­ta­do pe­la pri­mei­ra vez à sua re­gião.

“Dou gra­ças a Deus por ter che­ga­do aqui (...) Co­lo­cá­mos uma cruz na igre­ja e fi­ze­mos so­ar os si­nos”, dis­se sem es­con­der a sa­tis­fa­ção re­flec­ti­da no seu ros­to.

Na es­tra­da prin­ci­pal que pas­sa jun­to ao po­vo­a­do, si­tu­a­do so­men­te a 9 qui­ló­me­tros de Mos­sul, a ac­ti­vi­da­de das tro­pas ira­qui­a­nas é cons­tan­te.

Há um ir e vir con­tí­nuo de veí­cu­los blin­da­dos e tan­ques, que vão e vol­tam da am­pla fren­te de com­ba­te aber­ta con­tra os jiha­dis­tas pa­ra a con­ti­nu­a­ção da ba­ta­lha pa­ra a li­ber­ta­ção de Mos­sul, prin­ci­pal re­du­to do EI no Ira­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.