Im­ple­men­ta­ção do IVA re­quer me­di­das adi­ci­o­nais

Re­du­zi­da li­te­ra­cia fis­cal e fi­nan­cei­ra en­tre os qua­tro de­sa­fi­os a su­pe­rar pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria

Jornal de Angola - - ECONOMIA - MADALENA JO­SÉ |

A im­ple­men­ta­ção do Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) em An­go­la vai le­var ain­da um lon­go ca­mi­nho e re­quer uma sé­rie de me­di­das co­mo a or­ga­ni­za­ção da pró­pria Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT), a sen­si­bi­li­za­ção dos con­su­mi­do­res e em­pre­sá­ri­os, afir­mou on­tem o ad­mi­nis­tra­dor da­que­la ins­ti­tui­ção.

Gil­ber­to Luther in­for­mou con­tu­do que o pro­ces­so pa­ra a im­ple­men­ta­ção do IVA en­trou num es­tá­gio de re­co­lha de ex­pe­ri­ên­ci­as e aus­cul­ta­ção dos vá­ri­os seg­men­tos da so­ci­e­da­de, que vai cul­mi­nar com a apre­sen­ta­ção aos ór­gãos su­pe­ri­o­res pa­ra de­ci­são so­bre a sua in­tro­du­ção.

O ad­mi­nis­tra­dor da AGT in­di­cou que o país ain­da tem al­gu­mas la­cu­nas a su­pe­rar, co­mo o re­du­zi­do nú­me­ro de qua­dros con­ta­bi­lís­ti­cos.

A es­te pro­pó­si­to, o PCA da em­pre­sa Sis­tec, Rui San­tos, dis­se que An­go­la tem 50 mil em­pre­sas e ape­nas 3.900 con­ta­bi­lis­tas, acres­ci­dos de dois mil es­tu­dan­tes de Con­ta­bi­li­da­de e ou­tros já em es­tá­gio. Es­pe­ra­se que nos pró­xi­mos dois anos es­te nú­me­ro su­ba pa­ra cin­co mil con­ta­bi­lis­tas e pos­sa su­pe­rar as la­cu­nas.

O IVA é o im­pos­to do va­lor acres­cen­ta­do so­bre o pre­ço fi­nal de to­dos os pro­du­tos im­por­ta­dos. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, Rui San­tos cor­ro­bo­rou a ideia de que a im­ple­men­ta­ção do Im­pos­to so­bre o IVA em An­go­la não é ta­re­fa fá­cil. A so­lu­ção do sis­te­ma do IVA pas­sa di­rec­ta­men­te pe­las em­pre­sas e as es­tru­tu­ras que têm de ser con­ta­bi­li­za­das pa­ra não ha­ver fu­ga ao fis­co e no au­men­to de qua­dros for­ma­dos pa­ra o nú­me­ro de em­pre­sas exis­ten­tes em An­go­la, su­bli­nhou o ges­tor.

O pre­si­den­te da Associação In­dus­tri­al em An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no, dis­se que o ac­tu­al im­pos­to de con­su­mo agra­va os cus­tos dos pro­du­tos na­ci­o­nais co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção do con­su­mi­dor. “É im­por­tan­te in­cre­men­tar a pro­du­ção na­ci­o­nal, que até ao mo­men­to atin­giu ape­nas 1,4 por cen­to do PIB”, sa­li­en­tou.

De acor­do com o pre­si­den­te da AIA, a nos­sa ofer­ta bai­xou em re­la­ção à pro­cu­ra e por is­so “é pre­ci­so dar um em­pur­rão e um dos as­pec­tos prin­ci­pais pa­ra vi­rar o qu­a­dro é eli­mi­nar o im­pos­to de con­su­mo em cas­ca­ta, que le­vou a que mui­tos paí­ses eli­mi­nas­sem o im­pos­to di­rec­to”.

A tri­bu­ta­ção de­ve be­ne­fi­ci­ar a pro­du­ção na­ci­o­nal, agra­var a im­por­ta­ção de pro­du­tos, co­mo a car­ne bo­vi­na, en­tre ou­tros.

Na con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal so­bre a tri­bu­ta­ção in­di­rec­ta par­ti­ci­pa­ram re­pre­sen­tan­tes do Qué­nia, Áfri­ca do Sul, Bra­sil, Mo­çam­bi­que e Ca­bo Ver­de, que fa­la­ram das ex­pe­ri­ên­ci­as so­bre a im­ple­men­ta­ção e cons­tran­gi­men­tos do IVA nos seus paí­ses.

AGT an­te­vê de­sa­fi­os

O ele­va­do ní­vel de in­for­ma­li­da­de e re­du­zi­da li­te­ra­cia fis­cal e fi­nan­cei­ra é um dos qua­tro prin­ci­pais de­sa­fi­os apon­ta­dos pe­lo ad­mi­nis­tra­dor da AGT, Fran­cis­co Bran­dão, pa­ra a in­tro­du­ção do Im­pos­to de Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) que se pre­ten­de im­ple­men­tar em An­go­la den­tro de dois anos.

Fran­cis­co Bran­dão in­di­cou igual­men­te as la­cu­nas re­le­van­tes de su­por­tes con­ta­bi­lís­ti­cos e re­la­to fi­nan­cei­ro fiá­veis co­mo obs­tá­cu­los a en­fren­tar, a que se acres­ce a prá­ti­ca ain­da pou­co co­mum de emis­são de fac­tu­ras e re­ci­bos. Pa­ra a im­ple­men­ta­ção do IVA, um dos im­pos­tos que a ní­vel mun­di­al é o su­por­te dos or­ça­men­tos de cer­ca de 160 paí­ses, An­go­la de­ve su­pe­rar ain­da a es­cas­sez de re­cur­sos hu­ma­nos qua­li­fi­ca­dos, co­mo con­ta­bi­lis­tas e au­di­to­res, e ques­tões in­for­má­ti­cas, quer na AGT quer nas em­pre­sas, en­tre as quais um soft­ware de fac­tu­ra­ção cer­ti­fi­ca­do pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria an­go­la­na.

Fran­cis­co Bran­dão, que dis­ser­ta­va so­bre o te­ma “Os de­sa­fi­os da AGT”, afir­mou que pa­ra a apli­ca­ção do IVA a ins­ti­tui­ção vai pre­ci­sar de mui­to apoio das es­tru­tu­ras com­pe­ten­tes, prin­ci­pal­men­te po­lí­ti­cas, mui­ta in­te­rac­ção com to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes no pro­ces­so de ar­re­ca­da­ção, pa­ra que ha­ja uma com­pre­en­são pú­bli­ca dos be­ne­fí­ci­os da in­tro­du­ção de um im­pos­to des­ta na­tu­re­za. O ad­mi­nis­tra­dor acau­te­lou a ques­tão dos pra­zos de im­ple­men­ta­ção des­se im­pos­to, sa­li­en­tan­do que “não há tem­po ta­xa­ti­vo”, exem­pli­fi­can­do que, em al­guns paí­ses, a con­cre­ti­za­ção le­vou en­tre dois a cin­co anos, e que nou­tros, co­mo Ga­na e Mal­ta, foi um fra­cas­so e só com per­sis­tên­cia se atin­giu o ob­jec­ti­vo.

Pa­ra o ca­so de An­go­la, dis­se o ad­mi­nis­tra­dor, não há um mo­de­lo a ser apli­ca­do, mas, su­bli­nhou, “de­ve ser sim­ples, que per­mi­ta quer à Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria, quer aos con­tri­buin­tes, ter um en­ten­di­men­to per­fei­to das su­as obri­ga­ções e que as pos­sam cum­prir sem quais­quer di­fi­cul­da­des”.

Fran­cis­co Bran­dão sa­li­en­tou que a im­ple­men­ta­ção de­ve aten­der às es­pe­ci­fi­ci­da­des de An­go­la (in­for­ma­li­da­de, eco­no­mia pe­tro­lí­fe­ra e re­du­zi­dos re­cur­sos hu­ma­nos qua­li­fi­ca­dos na área da con­ta­bi­li­da­de), e ás es­pe­ci­fi­ci­da­des mo­der­nas, com a uti­li­za­ção das me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais.

Cri­ar uma equi­pa de­di­ca­da e ca­paz de in­ves­ti­gar frau­des fis­cais e de de­li­ne­a­men­to de es­tra­té­gi­cas pre­ven­ti­vas con­cre­tas, bem co­mo es­ta­be­le­cer uma en­ti­da­de res­pon­sá­vel pe­la co­or­de­na­ção da im­ple­men­ta­ção do IVA, são va­lo­res que a AGT se pro­põe ul­tra­pas­sar.

Cons­ti­tu­em ain­da con­di­ções pri­o­ri­tá­ri­as o re­for­ço do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e a cri­a­ção de pro­gra­mas de Edu­ca­ção Fis­cal so­bre o pro­ces­so de im­ple­men­ta­ção do IVA, pa­ra se es­cla­re­cer os con­tri­buin­tes so­bre os be­ne­fí­ci­os des­se im­pos­to na ac­ti­vi­da­de dos que fo­rem tri­bu­ta­dos.

MA­RIA AU­GUS­TA

La­cu­nas re­le­van­tes de su­por­tes con­ta­bi­lís­ti­cos são obs­tá­cu­los à im­ple­men­ta­ção do im­pos­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.