Proi­bi­da a con­ser­va­ção das cin­zas dos fa­le­ci­dos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Igre­ja Ca­tó­li­ca di­vul­gou na ter­ça-fei­ra, a cer­ca de uma se­ma­na do Dia dos Fi­na­dos, que se as­si­na­la a 2 de No­vem­bro, no­vas di­rec­tri­zes pa­ra a se­pul­tu­ra dos mor­tos e a con­ser­va­ção das cin­zas da­que­les que são cre­ma­dos.

Se­gun­do as no­vas nor­mas, apre­sen­ta­das no Va­ti­ca­no pe­lo car­de­al ale­mão Gerhard Ludwig Mül­ler, pre­fei­to da Con­gre­ga­ção pa­ra a Dou­tri­na da Fé, as cin­zas dos mor­tos de­vem ser man­ti­das num ce­mi­té­rio ou num lo­cal sa­gra­do e não em ca­sa. “Não es­tá per­mi­ti­da a con­ser­va­ção das cin­zas no lar” nem “a sua dis­per­são no ar, na ter­ra ou na água”, ou a sua con­ver­são co­mo lem­bran­ça.

“Evi­ta-se as­sim o ris­co de os mor­tos se­rem es­que­ci­dos pe­las fa­mí­li­as e pe­la co­mu­ni­da­de cris­tã e tam­bém são evi­ta­dos pos­sí­veis des­cui­dos e fal­tas de res­pei­to por par­te das ge­ra­ções su­ces­si­vas”, ex­pli­cou à im­pren­sa o car­de­al ale­mão, cu­jo car­go tam­bém é co­nhe­ci­do pe­la de­sig­na­ção “Gu­ar­dião da Fé”.

Se­gun­do Gerhard Mül­ler, a Igre­ja Ca­tó­li­ca lem­bra que, des­de 1963, é per­mi­ti­da a cre­ma­ção, uma prá­ti­ca que “se di­fun­diu no­ta­vel­men­te em mui­tos paí­ses, mas que tam­bém foi acom­pa­nha­da pe­la pro­pa­ga­ção de idei­as que es­tão em de­sa­cor­do com a fé.” Em ca­sos “ex­cep­ci­o­nais e gra­ves”, de acor­do com as no­vas di­rec­tri­zes, os bis­pos lo­cais po­dem con­ce­der a per­mis­são de con­ser­var as cin­zas em ca­sa, co­mo é o ca­so das zo­nas em si­tu­a­ção de guer­ra, on­de o ac­to de se­pul­tar os mor­tos é di­fi­cul­ta­do.

A Igre­ja Ca­tó­li­ca proí­be cla­ra­men­te e de for­ma ca­te­gó­ri­ca que as cin­zas se con­ver­tam “em re­cor­da­ções, jói­as e ou­tros ob­jec­tos”, as­sim co­mo a dis­tri­bui­ção das cin­zas de um fa­le­ci­do en­tre os di­fe­ren­tes pa­ren­tes. Es­ta re­co­men­da­ção é apli­cá­vel, de for­ma re­tro­ac­ti­va, às re­lí­qui­as dos san­tos.

O Va­ti­ca­no en­co­ra­ja a me­mó­ria e a ora­ção por par­te da fa­mí­lia e de to­da a co­mu­ni­da­de cris­tã. “Ca­so o fa­le­ci­do te­nha de­ci­di­do pe­la cre­ma­ção e dis­per­são das su­as cin­zas na na­tu­re­za por ra­zões con­trá­ri­as à fé cris­tã, o seu fu­ne­ral de­ve ser ne­ga­do”, de acor­do com a no­va nor­ma.

Por­tan­to, as pes­so­as que de­se­ja­rem que as su­as cin­zas se­jam es­pa­lha­das não po­de­rão ter fu­ne­rais ca­tó­li­cos, se­gun­do a de­ci­são apro­va­da pe­lo Pa­pa Fran­cis­co em Mar­ço des­te ano e divulgada ape­nas ago­ra, se­te me­ses de­pois.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.