For­ças da guer­ri­lha e Go­ver­no pro­cu­ram sal­var acor­do de paz

NE­GO­CI­A­ÇÕES DE PAZ EM MO­ÇAM­BI­QUE Go­ver­no e Re­na­mo pro­cu­ram me­ca­nis­mos pa­ra pa­ci­fi­car o Cen­tro e Nor­te do país

Jornal de Angola - - PAR­TA­DA -

O Go­ver­no de Mo­çam­bi­que e a Re­na­mo es­tão a es­tu­dar a me­lhor for­ma de in­tro­du­zir me­ca­nis­mos pa­ra ul­tra­pas­sar os con­fron­tos não de­cla­ra­dos en­tre as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e o bra­ço ar­ma­do do par­ti­do, que já cau­sa­ram ví­ti­mas no Cen­tro e Nor­te do país, anun­ci­a­ram on­tem me­di­a­do­res do pro­ces­so de paz.

As ne­go­ci­a­ções in­di­rec­tas re­gis­tam pau­sa de uma se­ma­na, des­de sá­ba­do, pa­ra fa­ci­li­tar as ne­ces­sá­ri­as con­sul­tas das par­tes jun­to dos seus su­pe­ri­o­res. O co­or­de­na­dor da equi­pa de me­di­a­ção in­ter­na­ci­o­nal, Má­rio Raf­fa­e­li, ex­pli­cou que des­de que as ne­go­ci­a­ções fo­ram re­to­ma­das, a 18 de Ou­tu­bro, os me­di­a­do­res reu­ni­ram-se ape­nas em se­pa­ra­do com as de­le­ga­ções do Go­ver­no e da Re­na­mo.

Má­rio Raf­fa­e­li não avan­çou de­ta­lhes so­bre tais con­tac­tos, nem dis­se quan­do ha­ve­rá dis­cus­sões mais pro­fun­das en­tre as du­as par­tes. O úl­ti­mo ci­clo de ne­go­ci­a­ções ter­mi­nou a 30 de Se­tem­bro, por su­ges­tão dos me­di­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais, que acha­ram, na al­tu­ra, im­por­tan­te cri­ar um am­bi­en­te po­lí­ti­co ame­no.

As ne­go­ci­a­ções vol­ta­ram a ser adi­a­das após o ho­mi­cí­dio de Je­re­mi­as Pon­de­ca, mem­bro da de­le­ga­ção da Re­na­mo no diá­lo­go po­lí­ti­co e con­se­lhei­ro de Es­ta­do, atin­gi­do a ti­ro na ma­nhã de 8 de Ou­tu­bro, quan­do fa­zia exer­cí­ci­os fí­si­cos na praia da Cos­ta do Sol, na mar­gi­nal de Ma­pu­to. O úl­ti­mo ci­clo ne­go­ci­al não vol­tou a me­re­cer ne­nhum co­mu­ni­ca­do con­jun­to, co­mo era há­bi­to nas pri­mei­ras ron­das, de­vi­do a um com­pro­mis­so as­su­mi­do pe­las par­tes, se­gun­do Má­rio Raf­fa­e­li, me­di­a­dor in­di­ca­do pe­la União Eu­ro­peia.

Além da exi­gên­cia do mai­or par­ti­do na opo­si­ção em Mo­çam­bi­que de go­ver­nar em seis pro­vín­ci­as on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas elei­ções ge­rais de 2014, a agen­da do pro­ces­so ne­go­ci­al in­te­gra a ces­sa­ção ime­di­a­ta das hos­ti­li­da­des, a des­par­ti­da­ri­za­ção das For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, in­cluin­do a Po­lí­cia e os Ser­vi­ços de In­for­ma­ção do Es­ta­do, e o de­sar­ma­men­to do bra­ço ar­ma­do da Re­na­mo e a sua rein­te­gra­ção na vi­da ci­vil.

Os me­di­a­do­res pre­ten­dem igual­men­te ob­ter um cor­re­dor de se­gu­ran­ça pa­ra fa­lar com o lí­der da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma, que se en­con­tra pre­su­mi­vel­men­te des­de o iní­cio do ano na Ser­ra da Go­ron­go­sa, pro­vín­cia de So­fa­la, no Cen­tro do país, a par­tir da qual con­du­ziu a lu­ta de guer­ri­lha. A re­gião Cen­tro e Nor­te de Mo­çam­bi­que tem si­do pal­co de con­fron­tos en­tre o bra­ço ar­ma­do da Re­na­mo e as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça. A Po­lí­cia já re­gis­tou a par­ti­ci­pa­ção de rap­tos e as­sas­sí­ni­os de di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos das du­as par­tes. As au­to­ri­da­des mo­çam­bi­ca­nas acu­sam a Re­na­mo de uma sé­rie de em­bos­ca­das nas es­tra­das e ata­ques em lo­ca­li­da­des do Cen­tro e Nor­te do país, atin­gin­do pos­tos po­li­ci­ais, e tam­bém as­sal­tos a ins­ta­la­ções ci­vis, co­mo cen­tros de saú­de ou ins­ta­la­ções eco­nó­mi­cas.

DR

RE­NA­MO abre pos­si­bi­li­da­de de de­sar­mar o par­ti­do e co­lo­car os seus efec­ti­vos à dis­po­si­ção das For­ças Ar­ma­das Mo­çam­bi­ca­nas ao abri­go da lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.