Ren­di­men­to per ca­pi­ta su­fi­ci­en­te pa­ra gra­du­a­ção

An­go­la tem tu­do pa­ra re­for­çar o de­sem­pe­nho dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res eco­nó­mi­cos

Jornal de Angola - - POLÍTICA - JOSINA DE CAR­VA­LHO |

O co­or­de­na­dor re­si­den­te das Na­ções Uni­das, Pi­er Bal­la­del­li afir­mou on­tem, em Lu­an­da, que o ren­di­men­to na­ci­o­nal bru­to per ca­pi­ta já é su­fi­ci­en­te pa­ra a pas­sa­gem de An­go­la à ca­te­go­ria de país de ren­di­men­to mé­dio, por su­pe­rar o do­bro do li­mi­ar se­lec­ci­o­na­do.

Pi­er Bal­la­del­li, que dis­cur­sou na aber­tu­ra do se­mi­ná­rio so­bre “Gra­du­a­ção de An­go­la da ca­te­go­ria de paí­ses me­nos avançados”, dis­se que a con­di­ção de al­to ren­di­men­to que ca­rac­te­ri­za o país vai per­mi­tir, se bem ge­ri­do, eli­mi­nar a po­bre­za, de­sen­vol­ver ple­na­men­te o seu ca­pi­tal hu­ma­no, in­cluin­do mu­lhe­res e jo­vens, re­du­zir a de­si­gual­da­de nos ren­di­men­tos, des­cen­tra­li­zar com­pe­tên­ci­as as pro­vín­ci­as e pro­cu­rar um óp­ti­mo de di­ver­si­fi­ca­ção económica e in­dus­tri­a­li­za­ção.

“Por ou­tras pa­la­vras, An­go­la tem o que é pre­ci­so pa­ra re­for­çar o de­sem­pe­nho dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res so­ci­ais e re­du­zir os cho­ques eco­nó­mi­cos e vul­ne­ra­bi­li­da­de”, cla­ri­fi­cou.

Na sua vi­são, as au­to­ri­da­des an­go­la­nas e a po­pu­la­ção trans­mi­tem uma men­sa­gem po­si­ti­va de ac­tu­ar com efi­ci­ên­cia na ges­tão dos re­cur­sos, dan­do pri­o­ri­da­de as es­tra­té­gi­as eco­nó­mi­cas que li­be­rem o país de uma de­pen­dên­cia to­tal do pe­tró­leo e as de in­ves­ti­men­tos em sec­to­res co­mo a agri­cul­tu­ra, mi­ne­rais, tu­ris­mo, in­dús­tria e co­mér­cio de ali­men­tos e ou­tros pro­du­tos pa­ra a ex­por­ta­ção.

“São es­tas opor­tu­ni­da­des que po­dem to­mar mai­or re­le­vân­cia na transição, con­jun­ta­men­te com a bus­ca de con­di­ções de for­ma­ção e em­pre­go pa­ra a fran­ja ju­ve­nil, de ma­nei­ra que eles e as mu­lhe­res se­jam os su­jei­tos pri­vi­le­gi­a­dos na pro­du­ção de ren­di­men­tos do­més­ti­cos e na­ci­o­nais, se os nú­me­ros fo­rem de gran­de mag­ni­tu­de”, acres­cen­tou Pi­er Bal­la­del­li. O pro­ces­so de transição, re­co­men­dou, de­ve en­vol­ver to­dos os mi­nis­té­ri­os go­ver­na­men­tais, o par­la­men­to, so­ci­e­da­de ci­vil, aca­dé­mia, sec­tor pri­va­do e or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais de de­sen­vol­vi­men­to. “Es­ta­mos com o Go­ver­no pa­ra ofe­re­cer um apoio es­tra­té­gi­co e co­or­de­na­do, pa­ra até Fe­ve­rei­ro de 2021, e de­pois até 2025, o país pos­sa im­ple­men­tar de for­ma con­jun­ta a agen­da da gra­du­a­ção e dos Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel”, ga­ran­tiu.

Opor­tu­ni­da­des

Pi­er Bal­la­del­li, que é tam­bém re­pre­sen­tan­te re­si­den­te do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD) su­ge­re que se o país apro­vei­te es­ta fa­se de transição pa­ra re­ne­go­ci­ar, ao ní­vel re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, as ga­ran­ti­as pa­ra o aces­so a sub­sí­di­os aos me­di­ca­men­tos, em­prés­ti­mos con­ces­si­o­nais e con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra for­ta­le­cer o ta­len­to hu­ma­no, sair da po­bre­za e cri­ar op­ções de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. “O pro­ces­so de gra­du­a­ção pro­por­ci­o­na ao país mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ini­ci­ar um ajus­te di­nâ­mi­co das su­as po­lí­ti­cas, pro­gra­mas, pro­jec­tos e or­ça­men­to pa­ra es­tar pron­to pa­ra a gra­du­a­ção”, re­for­çou.

O ro­tei­ro de ela­bo­ra­ção da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Transição Su­a­ve, in­for­mou, de­ve in­cluir a for­ma­ção de co­mi­tés de gra­du­a­ção e con­sul­tas na­ci­o­nais, a cri­a­ção de um me­ca­nis­mo de con­sul­ta, es­tu­dos de aná­li­se iden­ti­fi­car as per­das e ga­nhos do país com a gra­du­a­ção, bem co­mo a iden­ti­fi­ca­ção de me­di­das de apoio in­ter­na­ci­o­nais com os paí­ses me­nos avançados, ar­ti­cu­la­ção e o apro­fun­da­men­to das par­ce­ri­as e dos es­for­ços já em­pre­en­di­dos pa­ra li­dar com a cri­se económica em cur­so.

Es­tra­té­gia de Transição Su­a­ve

O co­or­de­na­dor re­si­den­te das Na­ções Uni­das dis­se que a mis­são da ONU pa­ra a gra­du­a­ção de Paí­ses Me­nos Avançados (PMA), nes­te mo­men­to em An­go­la, vai pro­vi­den­ci­ar as­sis­tên­cia téc­ni­ca pa­ra a pre­pa­ra­ção da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Transição Su­a­ve, com o fo­co no ren­di­men­to na­ci­o­nal bru­to per ca­pi­ta, nos ín­di­ces de ac­ti­vos hu­ma­nos e de vul­ne­ra­bi­li­da­de económica.

Na pers­pec­ti­va do mi­nis­tro do Pla­ne­a­men­to e De­sen­vol­vi­men­to Ter­ri­to­ri­al, Job Gra­ça, a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de­ve ser ro­bus­ta, efec­ti­va, es­tar in­te­gra­da no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2018-2022 e pro­mo­ver a di­ver­si­fi­ca­ção económica e a re­a­li­za­ção dos ob­jec­ti­vos do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Pa­ra a ela­bo­ra­ção des­sa Es­tra­té­gia, re­fe­riu o mi­nis­tro, An­go­la tem de be­ne­fi­ci­ar da ex­pe­ri­ên­cia dos paí­ses que fi­ze­rem já es­se mes­mo ca­mi­nho e da par­ce­ria das agên­ci­as do Sis­te­ma das Na­ções Uni­das, em par­ti­cu­lar do PNUD, que são de­po­si­tá­ri­os do ne­ces­sá­rio e es­pe­cí­fi­co co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co e téc­ni­co.

O mi­nis­tro ex­pli­cou que a gra­du­a­ção vai co­lo­car An­go­la ao la­do de um gru­po res­tri­to de qua­tro paí­ses, Botswa­na, Ca­bo Ver­de, Mal­di­vas e Sa­moa, que con­se­gui­ram mi­grar da ca­te­go­ria de país me­nos avan­ça­do pa­ra a de ren­di­men­to mé­dio.

Job Gra­ça re­cor­dou que as Na­ções Uni­das con­si­de­ra­ram An­go­la ele­gí­vel pa­ra a gra­du­a­ção de país me­nos avan­ça­do pe­la pri­mei­ra vez em 2012, ten­do co­mo ba­se o cri­té­rio de ren­di­men­to per ca­pi­ta de cer­ca de 6.135 dó­la­res.

Pa­ra ava­li­ar as con­di­ções ob­jec­ti­vas e sub­jec­ti­vas da transição de An­go­la pa­ra país de ren­di­men­to mé­dio, foi cri­a­da em Abril de 2013 uma co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al, cu­jo tra­ba­lho le­vou as Na­ções Uni­das a con­vi­dar o país a pre­pa­rar du­ran­te cin­co anos a sua es­tra­té­gia na­ci­o­nal de transição su­a­ve, com o seu apoio, de par­cei­ros bi­la­te­rais e mul­ti­la­te­rais de de­sen­vol­vi­men­to e co­mer­ci­ais.

De­pois da ela­bo­ra­ção da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Transição Su­a­ve a par­tir des­te ano até 2020, An­go­la de­ve im­ple­men­tá-la no pe­río­do en­tre 2022 e 2024, pa­ra fi­nal­men­te ser gra­du­a­da a país de ren­di­men­to mé­dio no pe­río­do de 2025 a 2029.

Pro­ces­so com­ple­xo

O eco­no­mis­ta-che­fe do Bu­re­au re­gi­o­nal pa­ra a Áfri­ca do PNUD, Ayo­de­le Odu­so­la, du­ran­te a sua dis­ser­ta­ção so­bre “Gra­du­a­ção da ca­te­go­ria de PMA- de­sa­fi­os e opor­tu­ni­da­des: PNUD co­mo par­cei­ro es­tra­té­gi­co pa­ra os paí­ses en­vol­vi­dos nes­tes pro­ces­sos” dis­se que a gra­du­a­ção é com­ple­xa de­vi­do a re­du­zi­da ca­pa­ci­da­de dos paí­ses pa­ra ge­rir a vul­ne­ra­bi­li­da­de económica e a trans­for­ma­ção so­ci­al, ao re­ceio de per­der pri­vi­lé­gi­os dos par­cei­ros de de­sen­vol­vi­men­to e ao re­ceio do des­co­nhe­ci­do, por não sa­be­rem o que lhes vai acon­te­cer no fu­tu­ro.

No seu pon­to de vis­ta, An­go­la é uma ter­ra aben­ço­a­da por­que tem re­cur­sos mi­ne­rais, ter­ras agrí­co­las e ca­pa­ci­da­de de trans­for­mar, di­ver­si­fi­car a eco­no­mia e ex­por­tar pro­du­tos aca­ba­dos pa­ra qual­quer par­te do mun­do.

Mas, aler­tou, é pre­ci­so tra­ba­lhar na mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos, in­ves­tir na agri­cul­tu­ra, nos jo­vens e nas mu­lhe­res, re­du­zir as fra­gi­li­da­des da económica, au­men­tar a sus­ten­ta­bi­li­da­de do ca­pi­tal hu­ma­no e sa­ber li­dar com as mu­dan­ças cli­má­ti­cas.

O se­mi­ná­rio so­bre “Gra­du­a­ção de An­go­la da ca­te­go­ria de paí­ses me­nos avançados” ter­mi­nou on­tem e te­ve co­mo ob­jec­ti­vo a apre­sen­ta­ção em li­nhas ge­rais do ro­tei­ro pa­ra a ela­bo­ra­ção da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Transição pa­ra a gra­du­a­ção de An­go­la de país me­nos avan­ça­do e con­tri­buir pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são dos cus­tos e be­ne­fí­ci­os des­se pro­ces­so e do pa­pel do go­ver­no, sec­tor em­pre­sa­ri­al pri­va­do e da so­ci­e­da­de ci­vil.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Pi­er Bal­la­del­li quan­do in­ter­vi­nha no se­mi­ná­rio so­bre Gra­du­a­ção de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.