CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MADALENA AFONSO ARTUR PANZO CAR­LOS SERAFIM CON­CEI­ÇÃO LU­CAS

Os jar­dins e os lar­gos

Es­cre­vo pa­ra es­te es­pa­ço pa­ra ape­lar às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes pa­ra se dar um me­lhor tra­ta­men­to ao lar­go si­tu­a­do em fren­te aos Cor­rei­os de An­go­la, na Bai­xa de Lu­an­da. O jar­dim des­te lar­go es­tá em es­ta­do las­ti­má­vel e pen­so que não era di­fí­cil re­qua­li­fi­cá-lo pa­ra atrair os ci­da­dãos. Tra­ta-se de um lar­go de pe­que­nas di­men­sões e mui­to fre­quen­ta­do por ci­da­dãos que tra­ba­lham ou ha­bi­tam na Bai­xa de Lu­an­da. Já ago­ra apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra exor­tar as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais a cui­da­rem de to­dos os lar­gos que exis­tem em Lu­an­da.

Acho que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais de­vem pre­o­cu­par-se com a qua­li­da­de de vi­da dos ci­da­dãos. E cui­dar dos jar­dins é con­tri­buir pa­ra que os ci­da­dãos vi­vam em am­bi­en­te sau­dá­vel .

Si­tu­a­ção na RDC

Te­nho acom­pa­nha­do com mui­ta aten­ção a si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e as mo­vi­men­ta­ções di­plo­má­ti­cas des­ti­na­das a su­pe­rar os pro­ble­mas que exis­tem nes­te país vi­zi­nho.

Gos­tei do dis­cur­so do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, que ape­lou na quar­ta-fei­ra aos po­lí­ti­cos da RDC pa­ra o diá­lo­go, com vis­ta a evi­tar-se pro­ble­mas mais gra­ves. Os po­vos afri­ca­nos es­tão can­sa­dos de gu­er­ras.

De­pois de mui­tos anos de in­de­pen­dên­cia é ho­ra de nós, afri­ca­nos, nos con­cen­trar­mos ex­clu­si­va­men­te em pro­ces­sos de cons­tru­ção do de­sen­vol­vi­men­to. Áfri­ca já so­freu mui­to du­ran­te o co­lo­ni­a­lis­mo.

É tem­po de cons­tru­ção da paz nos nos­sos Es­ta­dos in­de­pen­den­tes.

Que An­go­la con­ti­nue a con­tri­buir pa­ra que o Con­go De­mo­crá­ti­co se­ja pa­ci­fi­ca­do. Que os po­lí­ti­cos da RDC se­jam pers­pi­ca­zes e en­con­trem so­lu­ções que pos­sam evi­tar con­fli­tos ar­ma­dos , com con­sequên­ci­as ne­fas­tas pa­ra as su­as po­pu­la­ções. Os po­lí­ti­cos da RDC de­vem dar pro­vas da sua ca­pa­ci­da­de pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas do seu país, no in­te­res­se dos mi­lhões de con­go­le­ses, que es­pe­ram dos go­ver­nan­tes e da opo­si­ção ati­tu­des cons­tru­ti­vas em prol da paz e da nor­ma­li­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal.

O em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal

Gos­to de ou­vir os de­ba­tes que pas­sam nas nos­sas rá­di­os so­bre a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al em An­go­la . Há uma rá­dio co­mer­ci­al que pro­mo­ve pro­gra­mas pa­ra abor­da­gem de te­mas re­la­ci­o­na­dos com a ac­ti­vi­da­de económica em An­go­la.

Tra­ta-se de de­ba­tes que con­tam com a par­ti­ci­pa­ção de ex­pe­ri­men­ta­dos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos .

Era bom que os go­ver­nan­tes cap­tas­sem mui­tas das opi­niões que são emi­ti­das por es­ses em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que já de­ram mui­to “ca­be­dal” em vá­ri­os sec­to­res pro­du­ti­vos. Acho que as su­as opi­niões so­bre a nos­sa eco­no­mia são va­li­o­sas e va­le a pe­na que se­jam ou­vi­das pe­los de­ci­so­res po­lí­ti­cos. As em­pre­sas são agen­tes eco­nó­mi­cos im­por­tan­tís­si­mos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do nos­so país. A ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va tem de ser re­lan­ça­da se qui­ser­mos sair da ac­tu­al cri­se em que vi­ve­mos. E há pes­so­as que têm idei­as pa­ra a saí­da da cri­se.

As idei­as des­tas pes­so­as de­vem ser ti­das em con­ta, es­tu­dan­do-as, pa­ra se ver em que me­di­da po­dem con­tri­buir pa­ra a re­so­lu­ção de mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas.

Pa­ga­men­to de im­pos­tos

Os im­pos­tos são re­cei­tas que o Es­ta­do pre­ci­sa pa­ra sa­tis­fa­zer ne­ces­si­da­des co­lec­ti­vas. To­dos nós , sal­vo em cer­tas si­tu­a­ções jus­ti­fi­cá­veis, de­ve­mos pa­gar im­pos­tos, pa­ra que o Es­ta­do pos­sa re­a­li­zar des­pe­sas ne­ces­sá­ri­as à pro­mo­ção do bem-es­tar das po­pu­la­ções.

De­vo elo­gi­ar a cam­pa­nha que a Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria le­va a ca­bo pa­ra sen­si­bi­li­zar os con­tri­buin­tes (gran­des e pe­que­nos) a pa­gar im­pos­tos. É pre­ci­so com­ba­ter a fu­ga ao Fis­co.

Não é jus­to que uns pa­guem re­gu­lar­men­te os seus im­pos­tos e ou­tros se fur­tem ao pa­ga­men­to das su­as con­tri­bui­ções. To­dos te­mos na so­ci­e­da­de di­rei­tos e obri­ga­ções.Um bom ci­da­dão de­ve cum­prir com as su­as obri­ga­ções im­pos­tas por lei.

As leis do país exis­tem pa­ra se­rem res­pei­ta­das. Nin­guém es­tá aci­ma da lei. As re­cei­tas do Es­ta­do ob­ti­das por via da co­bran­ça de im­pos­tos be­ne­fi­ci­am a to­dos. Se to­dos pa­ga­rem os seus im­pos­tos, po­de­mos vi­ver me­lhor.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.