Com o mun­do que te­mos im­por­ta ver pa­ra on­de o rio vai

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

De­bai­xo da asa do avião Cal­cu­tá in­si­nua-se des­lum­bran­te e ha­ve­rá, en­tre os pas­sa­gei­ros em­bar­ca­dos na Eu­ro­pa, qu­em afa­gue, de sú­bi­to, a má­qui­na fo­to­grá­fi­ca. Co­mo se es­ti­ves­se ou es­ti­ves­sem, já, em ter­ra, pron­tos pa­ra a pri­mei­ra in­ves­ti­da “tu­rís­ti­ca” em zo­na de mo­nu­men­tos ou de na­ti­vos pro­mis­so­res na for­ma de ves­tir. O que nor­mal­men­te nos acon­te­ce “em ter­ra” che­ga­dos a Cal­cu­tá, Bom­baim, ou Ka­ra­chi, três ma­cro­ce­fa­li­as as­sus­ta­do­ras, é fi­car­mos ater­ra­dos. E em No­va Ior­que, São Pau­lo ou Ci­da­de do Mé­xi­co, des­con­cer­ta­dos. Va­mos en­tão fa­lar de ge­o­gra­fia ur­ba­na, con­ven­ci­dos de as­sim che­gar­mos à so­ci­o­lo­gia ur­ba­na, ao sa­ne­a­men­to bá­si­co, ao pla­ne­a­men­to e às gran­dís­si­mas ques­tões le­van­ta­das pe­lo im­pa­rá­vel cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co. A nos­sa aten­ção de­ve fi­xar-se na ci­da­de e em seus be­ne­fí­ci­os tan­gí­veis. Na ex­pec­ta­ti­va, sem­pre, de que es­tes al­gum dia se tor­nem de aces­so ir­res­tri­to pa­ra os ha­bi­tan­tes. Um ca­so com­pro­va­ti­vo da exis­tên­cia de ha­bi­tan­tes vi­sí­veis e ha­bi­tan­tes in­vi­sí­veis, na mes­ma ur­be, é a Ci­da­de do Mé­xi­co. Pe­lo que me foi da­do ver ao lon­go de mais de uma dé­ca­da, é a Ci­da­de do Mé­xi­co, tam­bém, o ca­so mais exu­be­ran­te de quan­tos co­nhe­ço da pro­pa­gan­da das apa­rên­ci­as. A in­vi­si­bi­li­da­de, ali, de­pois de co­nhe- ci­da em seus as­pec­tos vis­ce­rais, as­som­bra. Ain­da há pou­co, ac­ti­vis­tas so­ci­ais e al­gum jor­na­lis­mo de in­ves­ti­ga­ção pos­si­bi­li­ta­ram a des­co­ber­ta, na Ci­da­de do Mé­xi­co, de ni­chos sub­ter­râ­ne­os de mi­lhar e meio de pes­so­as “vi­ven­do” em con­di­ções que al­gum de nós cha­ma­ria de “abai­xo da Ida­de da Pe­dra”: a mai­or par­te ja­mais ha­via ti­do uma con­sul­ta mé­di­ca ou to­ma­do um úni­co fár­ma­co em to­da a sua vi­da. Gen­te es­fo­me­a­da, es­far­ra­pa­da, au­sen­te do pla­ne­ta, des­te, o pla­ne­ta que te­mos - e não me­lho­ra­mos. Um qua­dro hor­rí­vel. Ape­sar dis­so, a vi­si­bi­li­da­de, ou “vi­da nor­mal”, na Ci­da­de do Mé­xi­co, não so­bres­sal­ta nem faz su­por que, sob os pés dos tran­seun­tes “nor­mais” - ri­cos, clas­se mé­dia, po­bres ou gen­te “mais ou me­nos as­sim” - pos­sa res­fo­le­gar uma mul­ti­dão de so­bre­vi­ven­tes agó­ni­cos an­dra­jo­sos. Me­lhor di­zen­do - não so­bres­sal­ta­va e não fa­zia su­por. Ago­ra, mui­ta gen­te sa­be. Mui­ta gen­te sa­be - mas nin­guém qu­er sa­ber co­mo in­ter­vir nu­ma pos­sí­vel ac­ção con­de­na­tó­ria do “alhe­a­men­to” do go­ver­na­dor da Ci­da­de do Mé­xi­co. “La vi­da si­gue” em Po­lan­co, Lo­mas de Sol, In­sur­gen­tes, nos “San­borns” e nou­tros lo­cais “apra­zí­veis”. Ca­da qual à sua vi­da e Deus …

Há no mun­do vá­ri­as for­mas ou ti­pos de as­sen­ta­men­to hu­ma­no e na ac­tu­a­li­da­de o que mais pre­o­cu­pa são dois fe­nó­me­nos - que não são de to­do re­cen­tes: a ma­cro­ce­fa­lia e a se­cun­da­ri­za­ção do seu agra­va­men­to. Ca­da vez há mais gen­te nas ci­da­des. E ca­da vez há mais gen­te no mun­do, por mais que ocor­ram de­vas­ta­ções hu­ma­nas co­mo as do Ru­an­da, do Ira­que, do Afe­ga­nis­tão, do Su­dão, da Sí­ria, com os ver­da­dei­ros pre­da­do­res a men­tir e a de­fen­der o in­de­fen­sá­vel. Pa­ra ava­li­ar o es­ta­do des­te uni­ver­so ca­da vez mais alar­man­te pro­mo­veu a ONU, há bem pou­co, em Qui­to, Equa­dor, a ci­mei­ra “Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­tat”. O Equa­dor, no­te-se, é a mais an­ti­ga das re­pú­bli­cas da Amé­ri­ca do Sul, con­sequên­cia po­lí­ti­ca e mi­li­tar da gran­di­o­sa ges­ta de Simão Bo­lí­var. Ao con­trá­rio de me­tró­po­les eu­ro­pei­as que, co­mo Lis­boa, por exem­plo, não têm se­quer pre­pa­ra­do um pro­gra­ma de res­pos­ta à ocor­rên­cia de ter­ra­mo­tos, Qui­to, que bem co­nhe­ce es­sa ter­rí­vel ex­pe­ri­ên­cia, tem pa­ra o efei­to na te­sou­ra­ria do Go­ver­no na­ci­o­nal uma re­ser­va pre­ven­ti­va de cer­ca de 300 mi­lhões de dó­la­res. Que, “por aca­so”, a ad­mi­nis­tra­ção de Ra­fa­el Cor­rea tem es­ta­do a in­ves­tir na re­cons­tru­ção das ci­da­des afec­ta­das pe­lo sis­mo (7,8 de mag­ni­tu­de) ocor­ri­do no país a 16 de Abril des­te ano. Em ape­nas cer­ca de 4 me­ses foi pos­sí­vel já de­vol- ver aos ha­bi­tan­tes no­vas ca­sas, cons­truí­das a um rit­mo im­pres­si­o­nan­te. Ana Su­granyes, sul-ame­ri­ca­na mui­to ver­sa­da na ma­té­ria (“Ur­ba­nism­no e Ha­bi­tat”), lem­brou que “o pro­ble­ma não é o cres­ci­men­to das ci­da­des”, é “sim”, en­fa­ti­zou ela, “a de­si­gual­da­de”, tra­du­zi­da em “múl­ti­plas in­jus­ti­ças”. Su­granyes alu­diu a “ci­da­des se­gre­ga­das e as­si­mé­tri­cas”, “ci­da­des que cri­am mui­tos re­cur­sos mas não pro­ce­dem a uma re­dis­tri­bui­ção be­né­fi­ca pa­ra a ci­da­da­nia”. O cul­to a pre­pon­de­rar na Eu­ro­pa, di­ga­mos na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, pas­sa por olhar a ci­da­de com olhos ve­lo­zes, su­per­fi­ci­ais e so­fis­ti­ca­dos, nu­ma pers­pec­ti­ca de pos­tal tu­rís­ti­co que, em Lis­boa, de for­ma es­can­da­lo­sa, sub­trai do de­ba­te pú­bli­co o apo­dre­ci­men­to dis­fun­ci­o­nal dos trans­por­tes pú­bli­cos - com­boi­os su­bur­ba­nos exi­bin­do car­ru­a­gens en­ve­lhe­ci­das, ma­te­ri­al es­ta­lan­te e fal­ta de “se­gu­ran­ças” no apoio a re­vi­so­res e pas­sa­gei­ros, me­tro a pa­de­cer da mes­ma cor­ro­são, com a agra­van­te das 3 car­ru­a­gens em vez de 6 ou 7 em li­nhas de mai­or afluên­cia, es­ca­das ro­lan­tes ava­ri­a­das e to­tal des­pre­zo por ga­ran­ti­as de aces­si­bi­li­da­de pa­ra ido­sos e de­fi­ci­en­tes, au­to­car­ros “can­sa­dos” e ge­ra­do­res de es­pe­ras in­fin­dá­veis nas pa­ra­gens. To­do es­te pan­de­mó­nio “cor­rec­ta­men­te in­vi­sí­vel” a fluir nu­ma Lis- boa que, à mar­gem do alu­vião de asiá­ti­cos e afri­ca­nos, não pon­de­ra so­bre os fal­sos tu­ris­tas eu­ro­peus - mui­tas pes­so­as in­di­vi­du­ais e co­lec­ti­vas que, sob o man­to do “tu­ris­mo”, da pro­pa­gan­da das apa­rên­ci­as, es­co­lheu de fac­to es­te lu­gar pa­ra vi­ver: é mais ba­ra­to e os eu­ros vin­dos de ou­tras la­ti­tu­des - pen­sões de re­for­ma, sub­ven­ções es­pú­ri­as ou não-de­cla­ra­das e tra­ba­lho in­ter­náu­ti­co - ba­na­li­zam o des­man­te­la­men­to sen­so­ri­al e a de­ser­ção crí­ti­ca do elei­to­ra­do e do pas­ma­tó­rio dos ob­ser­va­do­res. A ci­da­de não aguen­ta e não tem res­pos­tas pa­ra o am­bi­en­te, pa­ra a saú­de, pa­ra o ci­vis­mo. Co­mo ou­tras ci­da­des eu­ro­pei­as, de igual mo­do, não têm, as mais das ve­zes por­que qu­em go­ver­na não qu­er ter. Ma­drid é a ca­ra cha­pa­da do des­man­te­la­men­to ur­ba­no e cí­vi­co. Cha­me­mos-lhe an­tes a ca­pi­tal eu­ro­peia dos des­pe­jos a tor­to e a di­rei­to: afun­da­dos no de­sem­pre­go, os in­qui­li­nos ati­ra­dos pa­ra “la cal­le” ha­vi­am si­do atraí­dos pe­lo ”cré­di­to à ha­bi­ta­ção” ofe­re­ci­do, co­mo a ba­nha-da-co­bra, de por­ta em por­ta. O can­to da se­reia. A ar­ma­di­lha. Por fim, a con­tas es­ta­mos de fac­to, tam­bém, com uma ques­tão se­mân­ti­ca: ur­ba­nis­mo não sig­ni­fi­ca ur­ba­ni­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.