Re­jei­ção ao blo­queio sem opo­si­ção dos EUA

Go­ver­no cu­ba­no saú­da mu­dan­ça na pos­tu­ra de Washing­ton mas con­si­de­ra in­su­fi­ci­en­te

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

A As­sem­bleia Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) vol­tou a pe­dir, na quar­ta­fei­ra, em No­va Ior­que, o fim do embargo dos Es­ta­dos Uni­dos a Cu­ba, nu­ma re­so­lu­ção apro­va­da com 191 vo­tos en­tre 193 paí­ses, des­ta vez sem o ve­to dos EUA, que, pe­la pri­mei­ra vez em 25 anos, de­ci­diu abs­ter-se de vo­tar con­tra o tex­to pro­mo­vi­do pe­lo Go­ver­no cu­ba­no.

Apro­va­do com abs­ten­ções de Is­ra­el e dos Es­ta­dos Uni­dos, paí­ses que du­ran­te 24 anos con­se­cu­ti­vos vo­ta­ram con­tra a re­so­lu­ção apre­sen­ta­da su­ces­si­va­men­te em ou­tros tan­tos anos, e sem vo­tos con­tra, o do­cu­men­to re­co­nhe­ce a “von­ta­de rei­te­ra­da” de Ba­rack Oba­ma em “tra­ba­lhar pa­ra a eli­mi­na­ção do blo­queio eco­nó­mi­co, co­mer­ci­al e fi­nan­cei­ro” a Cu­ba, con­si­de­ra “po­si­ti­vas” as me­di­das des­ti­na­das a ali­vi­ar o embargo, que “têm al­can­ce li­mi­ta­do”, ra­zão pe­la qual a re­sou­ção pe­de “o der­ru­be to­tal do embargo”.

A mu­dan­ça de pos­tu­ra dos EUA vai ao en­con­tro do de­se­jo do Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma, que des­de o pro­ces­so de re­a­pro­xi­ma­ção com Cu­ba, ini­ci­a­do há qua­se dois anos, tem adop­ta­do me­di­das pa­ra ate­nu­ar o embargo eco­nó­mi­co im­pos­to à ilha em 1962, cu­ja sus­pen­são de­pen­de do Con­gres­so (Par­la­men­to) nor­te-ame­ri­ca­no, ac­tu­al­men­te con­tro­la­do pe­lo Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no. Ao anun­ci­ar a abs­ten­ção, a em­bai­xa­do­ra nor­te-ame­ri­ca­na nas Na­ções

As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das apro­vou pe­la pri­mei­ra vez sem ve­tos a re­so­lu­ção con­tra o embargo dos EUA a Cu­ba

Uni­das, Sa­mantha Power, con­si­de­rou a re­so­lu­ção apro­va­da na quar­ta­fei­ra “um exem­plo per­fei­to de que a po­lí­ti­ca de iso­lar Cu­ba não es­tá a fun­ci­o­nar” e que, em vez de iso­lar Cu­ba, “iso­la os EUA, in­cluin­do aqui, nas Na­ções Uni­das”.

Ape­sar da abs­ten­ção, Sa­mantha Power es­cla­re­ceu que o seu país re­jei­ta o tex­to da re­so­lu­ção da As­sem­bleia Ge­ral, que, re­fe­riu, “su­ge­re que as ac­ções dos EUA con­tra Cu­ba vão con­tra a Car­ta da ONU e as leis in­ter­na­ci­o­nais”. Bru­no Ro­dri­guez, mi­nis­tro cu­ba­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, qua­li­fi­cou a abs­ten­ção co­mo “um pas­so po­si­ti­vo” e re­co­nhe­ceu que nos úl­ti­mos dois anos hou­ve avan­ços no diá­lo­go e na co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, mas res­sal­tou que o blo­queio eco­nó­mi­co, co­mer­ci­al e fi­nan­cei­ro per­sis­te, pro­vo­can­do da­nos ao po­vo cu­ba­no e obs­tá­cu­los ao de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do país. O embargo, su­bli­nhou, tem ca­rác­ter ex­tra­ter­ri­to­ri­al, afec­ta di­rec­ta­men­te os Es­ta­dos­mem­bros da ONU “e o pró­prio Pre­si­den­te Oba­ma e al­tos fun­ci­o­ná­ri­os já o qua­li­fi­ca­ram de ob­so­le­to”.

O im­por­tan­te e con­cre­to, re­fe­riu, “é des­mon­tar o blo­queio, mais que os dis­cur­sos, que as de­cla­ra­ções de im­pren­sa e mais que o vo­to de uma de­le­ga­ção nes­ta sa­la”.

A po­si­ção de An­go­la foi di­vul­ga­da an­tes da vo­ta­ção pe­lo em­bai­xa­dor de An­go­la na ONU, Is­ma­el Mar­tins, à agên­cia de no­tí­ci­as Pren­sa La­ti­na. Em de­cla­ra­ções à agên­cia de no­tí­ci­as cu­ba­na, o di­plo­ma­ta con­fir­mou o vo­to de An­go­la con­tra o embargo e lem­brou que o com­pro­mis­so da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal “pro­du­ziu já mui­tos re­sul­ta­dos, mas não o mais ne­ces­sá­rio: o fim do embargo”.

No iní­cio des­te mês, a em­bai­xa­do­ra cu­ba­na em An­go­la, Gi­ze­la Ri­ve­ra, re­ve­lou em de­cla­ra­ções ex­clu­si­vas ao Jor­nal de An­go­la, an­tes de a As­sem­bleia-Ge­ral da ONU apro­var a re­so­lu­ção con­tra o embargo, que o Go­ver­no de Ha­va­na vol­ta­va a pe­dir es­te ano na ONU o fim do blo­queio eco­nó­mi­co, co­mer­ci­al e fi­nan­cei­ro dos EUA, “que se man­tém ape­sar dos dis­cur­sos e da vi­si­ta do Pre­si­den­te dos EUA a Cu­ba, e das me­di­das to­ma­das por es­te, que re­co­nhe­ce­mos co­mo po­si­ti­vas, mas con­si­de­ra­mos li­mi­ta­das e in­su­fi­ci­en­tes”.

Na al­tu­ra, ques­ti­o­na­da se a mu­dan­ça na Pre­si­dên­cia dos EUA po­dia al­te­rar a po­lí­ti­ca pa­ra Cu­ba, a di­plo­ma­ta cu­ba­na res­pon­deu que a mai­o­ria dos nor­te-ame­ri­ca­nos é con­tra o blo­queio, ra­zão pe­la qual, “se a von­ta­de do po­vo é ou­vi­da e res­pei­ta­da, in­de­pen­den­te­men­te de qu­em ve­nha a es­tar na Ca­sa Bran­ca, vai ter em con­ta o de­se­jo dos nor­te-ame­ri­ca­nos”.

Gi­ze­la Ri­ve­ra afir­mou na al­tu­ra es­tar con­ven­ci­da que o blo­queio dos EUA a Cu­ba vai ser le­van­ta­do “mais ce­do ou mais tar­de, por­que não tem sen­ti­do, é con­trá­rio às leis in­ter­na­ci­o­nais e até aos in­te­res­se dos nor­te-ame­ri­ca­nos”, e por a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal apoi­ar Cu­ba nes­ta lu­ta di­plo­má­ti­ca.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.