Ne­ga­da exis­tên­cia de es­qua­drões de mor­te

Au­to­ri­da­des tran­qui­li­zam a po­pu­la­ção so­bre on­da de as­sas­si­na­tos e pro­me­tem jus­ti­ça

Jornal de Angola - - MUNDO -

O mi­nis­tro mo­çam­bi­ca­no da Jus­ti­ça, Isa­que Chan­de, re­jei­tou, quar­ta-fei­ra, acu­sa­ções se­gun­do as qu­ais o Go­ver­no ins­ti­tuiu es­qua­drões de mor­te con­tra mi­li­tan­tes da opo­si­ção e afir­mou que as au­to­ri­da­des per­se­guem ape­nas or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas.

So­bre a ale­ga­da inér­cia das au­to­ri­da­des no es­cla­re­ci­men­to da su­pos­ta on­da de as­sas­si­na­tos po­lí­ti­cos, Chan­de ad­mi­tiu ape­nas a exis­tên­cia de um ata­que a um mem­bro do Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co de Mo­çam­bi­que ( MDM), ter­cei­ro mai­or par­ti­do no país e acres­cen­tou que de­cor­re um pro­ces­so pa­ra a res­pon­sa­bi­li­za­ção dos seus au­to­res.

Du­ran­te a ses­são com de­pu­ta­dos, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, As­sun­tos Cons­ti­tu­ci­o­nais e Re­li­gi­o­sos, afir­mou que a Po­lí­cia mo­çam­bi­ca­na não per­se­gue opo­si­to­res po­lí­ti­cos, mas gru­pos de cri­mi­no­sos.

A RENAMO e o MDM acu­sa­ram o Go­ver­no de ter ins­ti­tuí­do es­qua­drões de mor­te con­tra mem­bros da opo­si­ção, en­quan­to a ban­ca­da da FRELIMO, par­ti­do no po­der, im­pu­tou ao bra­ço ar­ma­do do prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção a au­to­ria de as­sas­si­na­tos dos seus mi­li­tan­tes.

Mi­li­tan­tes dos dois prin­ci­pais par­ti­dos mo­çam­bi­ca­nos fo­ram as­sas­si­na­dos nos úl­ti­mos me­ses no país, no con­tex­to da ac­tu­al vi­o­lên­cia mi­li­tar en­tre as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça mo­çam­bi­ca­nas e o bra­ço ar­ma­do da RENAMO.

Je­re­mi­as Pon­de­ca, an­ti­go de­pu­ta­do e mem­bro do Con­se­lho de Es­ta­do pe­la RENAMO, que in­te­gra­va a equi­pa do par­ti­do nas ne­go­ci­a­ções com o Go­ver­no pa­ra a paz no país, foi re­cen­te­men­te en­con­tra­do mor­to com si­nais de ba­las no cor­po.

A ac­ção cri­mi­no­sa ge­rou co­mo­ção no país e uma for­te con­de­na­ção de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e em­bai­xa­das re­pre­sen­ta­das em Ma­pu­to.

A de­le­ga­ção da União Eu­ro­peia tal co­mo a re­pre­sen­ta­ção di­plo­má­ti­ca dos Es­ta­dos Uni­dos em Ma­pu­to con­de­na­ram, na oca­sião, o “bár­ba­ro as­sas­si­na­to” de um dos ne­go­ci­a­do­res de paz da RENAMO e ape­la­ram pa­ra “uma in­ves­ti­ga­ção cé­le­re e exaus­ti­va do cri­me.” “Qual­quer ten­ta­ti­va de in­ti­mi­dar per­so­na­li­da­des en­vol­vi­das na pro­cu­ra de uma paz du­ra­doi­ra em Mo­çam­bi­que de­ve­rá ser con­de­na­da ao ní­vel mais al­to pos­sí­vel”, dis­se uma no­ta da Em­bai­xa­da nor­te-ame­ri­ca­na na ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na.

A em­bai­xa­da exor­tou às au­to­ri­da­des pa­ra que aos au­to­res do ho­mi­cí­dio se­jam le­va­dos a tri­bu­nal, ape­lan­do ain­da a ces­sa­ção de to­das as for­mas de vi­o­lên­cia em Mo­çam­bi­que, in­cluin­do as hos­ti­li­da­des en­tre as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça mo­çam­bi­ca­nas e a Re­sis­tên­cia Na­ci­o­nal Mo­çam­bi­ca­na (RENAMO).

Je­re­mi­as Pon­de­ca ti­nha saí­do de ca­sa na ma­dru­ga­da do dia 3 de Ou­tu­bro, com des­ti­no à praia da Cos­ta do Sol, pa­ra fa­zer os ha­bi­tu­ais exer­cí­ci­os ma­ti­nais, mas nun­ca mais vol­tou. Pre­o­cu­pa­da com o seu de­sa­pa­re­ci­men­to, a fa­mí­lia con­tac­tou as au­to­ri­da­des, que só con­se­gui­ram iden­ti­fi­car o cor­po na ma­nhã do dia se­guin­te na mor­gue do Hos­pi­tal Cen­tral de Ma­pu­to.

DOMBELE BER­NAR­DO

Mo­çam­bi­ca­nos exor­ta­dos a re­do­brar a vi­gi­lân­cia e a de­nun­ci­ar os ac­tos de gru­pos cri­mi­no­sos na ca­pi­tal e nou­tras re­giões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.