Agri­cul­tu­ra qu­er trans­for­ma­ção lo­cal de ma­dei­ra

Jornal de Angola - - ECONOMIA - MANUELA GO­MES |

O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra pre­ten­de cons­truir gran­des ser­ra­ções nas pro­vin­ci­ais de pro­du­ção ma­dei­rei­ra, por for­ma a pro­mo­ver a trans­for­ma­ção des­ta ma­té­ria-pri­ma e pro­por­ci­o­nar mais pos­tos de tra­ba­lho no lo­cal.

O anún­cio foi fei­to on­tem, em Lu­an­da, pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Agri­cul­tu­ra, quan­do fa­la­va so­bre “O de­sen­vol­vi­men­to ru­ral e o com­ba­te à po­bre­za co­mo fac­to­res de rein­ser­ção so­ci­al”, nas XX jornadas téc­ni­co-ci­en­tí­fi­cas da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (Fesa).

Du­ran­te a sua dis­ser­ta­ção, Jo­sé Ama­ro Ta­ti dis­se que o sec­tor da Agri­cul­tu­ra ain­da se de­pa­ra com al­gu­mas di­fi­cul­da­des no to­can­te à au­sên­cia de car­rei­ra téc­ni­ca das áre­as fun­da­men­tais da agri­cul­tu­ra, mo­ti­vo que pro­vo­ca uma gran­de fu­ga dos agri­cul­to­res.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do con­si­de­rou que as car­rei­ras do ex­ten­si­o­nis­ta e de ou­tros téc­ni­cos são uma boa me­di­da pa­ra fi­xa­ção de qua­dros no sec­tor.

“O nos­so país tem tam­bém ou­tras di­fi­cul­da­des, das qu­ais se des­ta­ca a fal­ta de me­lhor equi­pa­men­to pa­ra a cri­a­ção de uma ba­se lo­gís­ti­ca pa­ra o sec­tor de um mo­do ge­ral, pa­ra a pro­du­ção lo­cal de se­men­tes e de fer­ti­li­zan­tes, bem co­mo de ins­tru­men­tos agrí­co­las por for­ma a evi­tar os cons­tran­gi­men­tos en­con­tra­dos no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal com a sua im­por­ta­ção", re­fe­riu o se­cre­tá­rio de Es­ta­do.

Em An­go­la, so­bre­tu­do no meio ru­ral, a prin­ci­pal ac­ti­vi­da­de económica das fa­mí­li­as ra­di­ca do sec­tor pri­má­rio (a agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria, pes­cas e ou­tras), que per­mi­te a so­bre­vi­vên­cia da po­pu­la­ção. Pa­ra Jo­sé Ama­ro Ta­ti, a agri­cul­tu­ra no meio ru­ral é, ba­si­ca­men­te, pra­ti­ca­da por pro­du­to­res fa­mi­li­a­res, que são ges­to­res e tra­ba­lha­do­res das su­as pró­pri­as ter­ras.

“A agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar é a ba­se da agri­cul­tu­ra an­go­la­na, sen­do a res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção de 79 por cen­to dos ce­re­ais, 92 de raí­zes e tu­bér­cu­los e de 90 das le­gu­mi­no­sas e ole­a­gi­no­sas”, pre­ci­sou. De acor­do com da­dos do Cen­so Ge­ral da Po­pu­la­ção 2014, a agri­cul­tu­ra ab­sor­ve 9.635.036 ha­bi­tan­tes, o que equi­va­le a 37,7 por cen­to da po­pu­la­ção na­ci­o­nal, o que re­pre­sen­ta 1.773.743 de fa­mí­li­as.

Jo­sé Ama­ro Ta­ti con­si­de­ra que as pe­que­nas uni­da­des in­dus­tri­ais po­dem col­ma­tar as prin­ci­pais ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção no meio ru­ral. Co­mo exem­plo, apon­tou as pe­que­nas fá­bri­cas de trans­for­ma­ção de to­ma­te, fru­tos di­ver­sos, man­di­o­ca, ba­ta­ta-do­ce e re­na, inha­me, pe­les, pê­los e pe­nas de ani­mais aba­ti­dos, pa­ra além das car­nes, su­as vís­ce­ras e ex­cre­men­tos. Pa­ra ele, a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar cons­ti­tui a mai­or ac­ti­vi­da­de no meio ru­ral, “de­ven­do por is­so ha­ver mai­or apoio na cons­ti­tui­ção das mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas, bem co­mo co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções.”

Re­lan­ça­men­to

O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, den­tro do seu pla­no es­tra­té­gi­co, apos­ta no au­men­to da pro­du­ção e pro­du­ti­vi­da­de, com par­ti­cu­lar aten­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, sem des­pri­mor pa­ra a em­pre­sa­ri­al. Na área da pe­cuá­ria, o mi­nis­té­rio es­ti­mu­la o au­men­to da pro­du­ção de car­nes de con­su­mo, a par­tir do re­for­ço da avi­cul­tu­ra, sui­ni­cul­tu­ra e de pe­que­nos ru­mi­nan­tes. No sec­tor flo­res­tal, tra­ba­lha pa­ra a me­lho­ria dos pro­ces­sos de fis­ca­li­za­ção e li­cen­ci­a­men­to das ac­ti­vi­da­des flo­res­tais e de ex­trac­ção de ma­dei­ra.

A par dis­so, o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra pro­mo­ve um con­jun­to de in­ter­ven­ções que se ar­ti­cu­lam a par­tir de pro­gra­mas di­ri­gi­dos, com o pro­pó­si­to de saí­da da cri­se que as­so­la o país. “Tais pro­gra­mas per­mi­tem es­tra­te­gi­ca­men­te um acu­mu­lar de re­cur­sos de acor­do com as zo­nas do país, bem co­mo a iden­ti­fi­ca­ção e con­cer­ta­ção pa­ra o que for pri­o­ri­tá­rio pa­ra a re­a­li­da­de de ca­da pro­vín­cia”, dis­se.

Pa­ra atin­gir os ob­jec­ti­vos com mai­or ce­le­ri­da­de e efi­cá­cia, es­tão or­ga­ni­za­dos e ori­en­ta­dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos co­mo os de pro­du­ção de se­men­tes, adu­bos, de apoio à agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, au­men­to de pro­du­ção de ovos e fran­gos, de ce­re­ais, co­mer­ci­a­li­za­ção de grãos, au­men­to da pro­du­ção e pro­mo­ção da ex­por­ta­ção da ma­dei­ra, mel, ca­fé e pal­mar, en­tre ou­tros pro­gra­mas. Até ho­je, fo­ram já im­plan­ta­das 131 es­ta­ções de de­sen­vol­vi­men­to agrá­rio.

As XX jornadas téc­ni­co-ci­en­tí­fi­cas da Fesa, que ho­je encerram de­cor­rem sob o le­ma “Ex­pe­ri­ên­cia de An­go­la nos pro­ces­sos de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, re­cons­tru­ção e rein­ser­ção so­ci­al”.

FRANCISCO PUTO

Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra pro­mo­ve in­ter­ven­ções ar­ti­cu­la­das atra­vés de pro­gra­mas di­ri­gi­dos pa­ra de­be­lar a ac­tu­al cri­se fi­nan­cei­ra no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.