Pin­tu­ras re­al­çam ima­gem do Lu­ban­go

EMBELEZAMENTO Ci­da­de do Cris­to Rei es­tá a me­lho­rar a qua­li­da­de dos es­pa­ços de la­zer

Jornal de Angola - - CULTURA - ESTANISLAU COS­TA

|

O embelezamento das ave­ni­das e de ou­tros pon­tos da ci­da­de do Lu­ban­go foi ino­va­do pe­los ar­tis­tas plás­ti­cos que im­plan­tam as su­as cri­a­ti­vi­da­des e fac­tos da ri­que­za so­ci­o­cul­tu­ral da re­gião em di­ver­sos es­pa­ços va­zi­os, co­mo pa­re­des, edi­fí­ci­os pú­bli­cos e ou­tros sí­ti­os de la­zer.

Os mu­ní­ci­pes, tu­ris­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros são nes­te mo­men­to atraí­dos com o no­vo ce­ná­rio de al­gu­mas ave­ni­das, fa­ce à qua­li­da­de e à va­ri­e­da­de das pin­tu­ras. A va­ri­e­da­de de co­res que iden­ti­fi­cam a pro­vín­cia e a re­pre­sen­ta­ção de es­pa­ços tu­rís­ti­cos co­mo o Cris­to Rei, a Ser­ra da Le­ba e a Tun­da­va­la são vis­tas nos de­se­nhos.

Di­ver­sos ins­tru­men­tos mú­si­cas tra­di­ci­o­nais, for­mas de tra­jar e pen­te­a­dos da mu­lher mu­muí­la, uten­sí­li­os do­més­ti­cos, ins­tru­men­tos de tra­ba­lho do cam­po, ca­ça e pes­ca fi­gu­ram tam­bém nas pro­pos­tas es­tam­pa­das nas pa­re­des.

A ini­ci­a­ti­va da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go, em par­ce­ria com os jo­vens fi­li­a­dos à Co­o­pe­ra­ti­va dos Ar­tis­tas da Huí­la, es­tá a con­fe­rir uma no­va ima­gem a de­ter­mi­na­dos sí­ti­os da ur­be. O jo­vem ar­tis­ta plás­ti­co Jack­son Pe­dro faz par­te do gru­po que, há seis anos, mar­ca pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos no mun­do das ar­tes.

O ar­tis­ta ex­pli­cou que não he­si­tou quan­do a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go o con­vi­dou e em­pe­nha-se ao má­xi­mo pa­ra me­lho­rar a es­té­ti­ca dos mu­ros de vá­ri­as ru­as. “O tra­ba­lho ar­tís­ti­co me per­mi­tiu re­con­fir­mar o meu ta­len­to, me­lho­rar al­gu­mas fa­lhas e a do­mi­nar mais a mis­tu­ra das co­res.”

Jack­son Pe­dro su­bli­nhou que pin­tar o Lu­ban­go re­pre­sen­ta “uma gran­de sa­tis­fa­ção, por con­tri­buir pa­ra a boa e no­va ima­gem das ter­ras da Che­la, as­sim co­mo ter uma ocu­pa­ção útil à so­ci­e­da­de. Es­ta­mos a ser mui­to elo­gi­a­dos, pe­los mu­ní­ci­pes e tu­ris­tas que não re­sis­tem a uma fo­to­gra­fia nos lo­cais pin­ta­dos.”

O jo­vem que não pas­sou por uma es­co­la de for­ma­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal de ar­tes e ofí­ci­os, afir­ma que tu­do o que sa­be e faz nes­ta área “re­sul­ta da ex­ce­len­te in­te­rac­ção com ar­tis­tas con­cei­tu­a­dos do mer­ca­do na­ci­o­nal, co­mo João Tchom­bé, Mes­tre Pa­du e tan­tos ou­tros.”

A sua pai­xão pe­la pin­tu­ra em pa­re­des de edi­fí­ci­os co­me­çou há 4 anos. A par­tir daí, tem si­do so­li­ci­ta­do por vá­ri­os pes­so­as pa­ra de­se­nhar em ca­sas e em­pre­sas, su­bli­nha­do que “o se­gre­do de um ar­tis­ta es­tá na in­ves­ti­ga­ção cons­tan­te, de­di­ca­ção e hu­mil­da­de em apren­der.” O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go, Francisco Bar­ros, con­si­de- rou a ac­ti­vi­da­de uma for­ma de apoi­ar os jo­vens em­pre­en­de­do­res e dar-lhes opor­tu­ni­da­des de mos­tra­rem o que sa­bem fa­zer, de aper­fei­ço­a­rem as téc­ni­cas e se­rem mais co­nhe­ci­dos no mer­ca­do lo­cal e além fron­tei­ra.

Francisco Bar­ros ape­lou a ou­tros jo­vens ta­len­to­sos pa­ra apre­sen­ta­rem pro­pos­tas cre­dí­veis e res­pon­sá­veis de mo­do a ava­li­a­rem as pos­si­bi­li­da­des de ma­te­ri­a­li­za­ção. “Es­ta­mos aber­tos às ini­ci­a­ti­vas dos jo­vens pa­ra tor­nar o Lu­ban­go mais atrac­ti­vo, apre­ciá­vel e ca­ti­van­te.”

DR

Ar­tis­tas plás­ti­cos na Huí­la es­tão a pin­tar pa­re­des e edi­fí­ci­os pú­bli­cos com ima­gens que re­tra­tam vá­ri­os as­pec­tos cul­tu­rais e o tu­ris­mo na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.