Vers­tap­pen as­su­me es­ti­lo

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Max Vers­tap­pen tem dei­xa­do a sua mar­ca na pre­sen­te épo­ca da Fór­mu­la 1, tan­to pe­lo de­sem­pe­nho em pis­ta co­mo pe­lo dis­cur­so. Qu­er um qu­er ou­tro são de um pi­lo­to que não pou­pa es­for­ços pa­ra ven­cer e o ho­lan­dês da Red Bull as­su­me-se mes­mo co­mo can­di­da­to às qua­li­da­des de fi­gu­ras que fo­ram, pe­lo me­nos, tri­cam­peãs do mun­do.

O ho­lan­dês de 19 anos é vis­to co­mo ten­do mui­to po­ten­ci­al e tem re­ce­bi­do mui­tos elo­gi­os. E, em re­la­ção a es­ses co­men­tá­ri­os, Vers­tap­pen é o pri­mei­ro a ter-se em boa con­ta. Mas as crí­ti­cas qu­an­to à sua con­du­ção de­ma­si­a­do agres­si­va, ou até pe­ri­go­sa, tam­bém se têm fei­to ou­vir. Só que não é por is­so que o jo­vem pi­lo­to pen­sa des­vi­ar-se do seu ca­mi­nho: “não mu­da­rei o meu es­ti­lo de pi­lo­tar.”

Nu­ma en­tre­vis­ta ao diá­rio ale­mão “Bild”, Vers­ta­pen as­su­me a agres­si­vi­da­de re­co­nhe­ci­da aos jo­vens ta­len­tos e àque­les de qu­em se es­pe­ra mui­to; co­mo em ou­tros mo­men­tos da his­tó­ria se es­pe­rou de pi­lo­tos que atin­gi­ram o pa­ta­mar mais al­to. O ho­lan­dês co­lo­ca-se no mes­mo ca­mi­nho e os ter­mos de com­pa­ra­ção que es­co­lheu pa­ra jus­ti­fi­car a agres­si­vi­da­de da sua con­du­ção não são na­da des­co­nhe­ci­dos. “Tal­vez te­nha um pou­co de Schu­ma­cher, mas ve­jo a mi­nha na­tu­re­za mais co­mo a de Sen­na ou Ha­mil­ton. Mas es­pe­ro ter as me­lho­res ca­rac­te­rís­ti­cas dos três”, afir­mou sem es­con­der a am­bi­ção: “Ain­da te­nho mui­to po­ten­ci­al. Ca­da cor­ri­da, ca­da ano se­rão me­lhor.”

Abu­sos dos pi­lo­tos

Os abu­sos na uti­li­za­ção das es­ca­pa­tó­ri­as por par­te dos pi­lo­tos de Fór­mu­la 1 vol­tou a dar que fa­lar no Gran­de Pré­mio dos Es­ta­dos Uni­dos. Mas Ber­nie Ec­cles­to­ne já tem a so­lu­ção, uma so­lu­ção que pro­me­te cau­sar po­lé­mi­ca e dar mui­to que fa­lar: mu­ros a de­li­mi­tar as cur­vas pa­ra au­men­tar o pe­ri­go.

“Fui cri­ti­ca­do por que­rer cons­truir mu­ros de 40 cen­tí­me­tros em tor­no das cur­vas”, re­ve­lou Ec­cles­to­ne. “An­tes, as pes­so­as iam ver os Gran­des Prémios a pen­sar que al­guém po­dia mor­rer. Ho­je vão às cor­ri­das e nin­guém per­de a vi­da, o que é bom”, ex­pli­cou.

A com­pa­ra­ção ser­ve pa­ra Ec­cles­to­ne ex­pli­car que os mu­ros são a so­lu­ção pa­ra evi­tar o que acon­te­ceu no Gran­de Pré­mio dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de os pi­lo­tos abu­sa­ram das es­ca­pa­tó­ri­as. “Eles es­tão sem­pre a di­zer que eles não de­vem sair de pis­ta.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.