Pro­pos­ta do OGE de 2017 dá en­tra­da no Par­la­men­to

DO­CU­MEN­TO É APRO­VA­DO ATÉ AO MÊS DE DE­ZEM­BRO

Jornal de Angola - - PARTADA -

A pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2017, prin­ci­pal ins­tru­men­to de ges­tão das fi­nan­ças pú­bli­cas, deu on­tem en­tra­da na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra apre­ci­a­ção, dis­cus­são e apro­va­ção pe­los de­pu­ta­dos até dia 15 de De­zem­bro. Fez a en­tre­ga for­mal do do­cu­men­to ao Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, o mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el da Cruz Ne­to. A pro­pos­ta de Lei do OGE pa­ra 2017, apre­ci­a­da no pas­sa­do dia 21 de Ou­tu­bro pe­lo ple­ná­rio do Con­se­lho de Mi­nis­tros, com­por­ta re­cei­tas e des­pe­sas de 7,3 tri­liões de kwan­zas, su­pe­ri­o­res aos 6,9 tri­liões do exer­cí­cio de 2016, sen­do cer­ca de qua­tro tri­liões em re­cei­tas fis­cais e três tri­liões de fi­nan­ci­a­men­to. A fa­tia pa­ra o sec­tor so­ci­al ul­tra­pas­sa os dois tri­liões de kwan­zas. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, dis­se à im­pren­sa tra­tar-se de um Or­ça­men­to que ga­ran­te o de­sem­pe­nho das ac­ti­vi­da­des so­ci­ais do Es­ta­do.

A pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do (OGE) pa­ra o pró­xi­mo ano deu on­tem en­tra­da na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra apre­ci­a­ção, dis­cus­são e apro­va­ção pe­los de­pu­ta­dos até ao dia 15 de De­zem­bro.

O prin­ci­pal ins­tru­men­to de exe­cu­ção das po­lí­ti­cas do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no foi en­tre­gue for­mal­men­te ao pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, pe­lo mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el da Cruz Ne­to.

A pro­pos­ta do OGE/2017 com­por­ta re­cei­tas e des­pe­sas na or­dem de 7,3 tri­liões de kwan­zas, su­pe­ri­o­res aos 6,9 tri­liões do exer­cí­cio de 2016 e foi apre­ci­a­da pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros no dia 21 des­te mês. O do­cu­men­to, que co­me­ça a ser dis­cu­ti­do nos pró­xi­mos di­as pe­los de­pu­ta­dos, con­tem­pla re­cei­tas e des­pe­sas pa­ra o sec­tor so­ci­al na or­dem de dois tri­liões de kwan­zas.

Pa­ra es­te or­ça­men­to, a re­cei­ta fis­cal es­tá es­ti­ma­da em qua­tro tri­liões de kwan­zas e um ní­vel de re­cei­ta de fi­nan­ci­a­men­to na or­dem de três tri­liões. A ta­xa de in­fla­ção es­pe­ra­da pa­ra o pró­xi­mo ano é de 15 por cen­to.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, dis­se ser um or­ça­men­to que tem em con­si­de­ra­ção a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal. Ape­sar da con­jun­tu­ra de cri­se que o país vi­ve, re­sul­tan­te da bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, o mi­nis­tro dis­se tra­tar-se de um or­ça­men­to que ga­ran­te o de­sem­pe­nho da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca e das ac­ti­vi­da­des so­ci­ais do Es­ta­do.

Com ba­se nes­te con­tex­to e em fun­ção de o país ser ain­da uma economia mo­no pro­du­to­ra e mo­no ex­por­ta­do­ra, Ar­cher Man­guei­ra sa­li­en­tou que o or­ça­men­to ti­nha de ter em con­ta es­tes fac­to­res, daí o OGE pre­ver um cres­ci­men­to de 2,1 por cen­to, sen­do 1,8 pa­ra o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro e 2,3 pa­ra o não pe­tro­lí­fe­ro. O mi­nis­tro su­bli­nhou que ape­sar do OGE ser ela­bo­ra­do com ba­se nos im­pos­tos a ar­re­ca­dar, o or­ça­men­to pa­ra 2017 não so­bre­car­re­ga as fa­mí­li­as e as em­pre­sas, por­que o dé­fi­ce es­ti­ma­do de 5,9 por cen­to é co­ber­to com re­cur­so ao fi­nan­ci­a­men­to in­ter­no e ex­ter­no. “Tam­bém par­ti­mos do pres­su­pos­to de que é um dé­fi­ce sus­ten­tá­vel, ten­do em con­ta o po­ten­ci­al da nos­sa economia”, ar­gu­men­tou.

Se­gun­do o mi­nis­tro, ten­do em con­ta a “si­tu­a­ção es­pe­ci­al” que o país vi­ve, o OGE pa­ra o pró­xi­mo ano pre­vê um con­jun­to de me­di­das pa­ra sua sus­ten­ta­bi­li­da­de, co­mo a me­lho­ria da qua­li­da­de da des­pe­sa pú­bli­ca. O ti­tu­lar da pas­ta das Fi­nan­ças de­fen­de que to­dos os ges­to­res pú­bli­cos te­nham co­mo prin­cí­pio ba­si­lar, na exe­cu­ção e im­ple­men­ta­ção do OGE, o ri­gor e a dis­ci­pli­na, pa­ra uma ges­tão efi­ci­en­te e ra­ci­o­nal dos re­cur­sos pú­bli­cos.

Além da pro­pos­ta de OGE pa­ra o exer­cí­cio fis­cal de 2017, o mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca en­tre­gou igual­men­te a Con­ta Ge­ral de Es­ta­do do exer­cí­cio de 2015.

Dis­cus­sões alar­ga­das

O pre­si­den­te da V Co­mis­são de Economia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or, afir­mou que os de­pu­ta­dos vão tra­ba­lhar pa­ra que a pro­pos­ta do Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do re­me­ti­da on­tem à Ca­sa das Leis se­ja apro­va­da den­tro dos pra­zos es­ta­be­le­ci­dos le­gal­men­te.

A en­tre­ga do do­cu­men­to cum­pre des­te mo­do uma obri­ga­ção le­gal, se­gun­do a qual a pro­pos­ta de or­ça­men­to do ano se­guin­te de­ve dar en­tra­da até 31 de Ou­tu­bro do an­te­ri­or no Par­la­men­to. Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or sa­li­en­tou que to­dos or­ça­men­tos são im­por­tan­tes, mas o de 2017 tem uma im­por­tân­cia par­ti­cu­lar, por coin­ci­dir com o ano das elei­ções, ra­zão pe­la qual há um con­jun­to de res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra que o processo de elei­ções de­cor­ra com es­ta­bi­li­da­de, tran­qui­li­da­de e os ci­da­dãos pos­sam vo­tar tran­qui­la­men­te. “Co­mo tem si­do ha­bi­tu­al, va­mos ago­ra ela­bo­rar um ca­len­dá­rio pa­ra a re­a­li­za­ção de ac­ti­vi­da­des que vão cul­mi­nar com a apro­va­ção fi­nal do OGE, des­te im­por­tan­te ins­tru­men­to de ges­tão”, ga­ran­tiu.

Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or su­bli­nhou que a As­sem­bleia vai ela­bo­rar um ca­len­dá­rio pa­ra que os pra­zos es­ta­be­le­ci­dos pos­sam ser cum­pri­dos e ini­ci­ar-se 2017 com o or­ça­men­to já apro­va­do, por­que 2017 é um ano es­pe­ci­al, pois o país vai ter elei­ções ge­rais.

O ca­len­dá­rio in­clui tam­bém reu­niões com par­cei­ros so­ci­ais, por­que o OGE é o prin­ci­pal ins­tru­men­to de ges­tão fi­nan­cei­ra do Es­ta­do e a sua im­ple­men­ta­ção to­ca a vi­da das fa­mí­li­as, em­pre­sas e do pró­prio Es­ta­do, daí a im­por­tân­cia des­te en­con­tro com os par­cei­ros so­ci­ais.

CLEMENTE SAN­TOS

Pre­si­den­te do Par­la­men­to re­ce­beu do mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a Pro­pos­ta de Lei do OGE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.