Fa­do com Ary e Ana Mou­ra

CRUZAMENTO DE CUL­TU­RAS Ci­ne Atlân­ti­co aco­lheu a em­pol­gan­te se­gun­da edi­ção do Fes­ti­val Cai­xa Lu­an­da

Jornal de Angola - - PARTADA - FRANCISCO PE­DRO |

Ary e a can­to­ra por­tu­gue­sa Ana Mou­ra es­tão en­tre as ar­tis­tas que mais aque­ce­ram a noi­te de fa­do, que mar­cou a se­gun­da edi­ção do Fes­ti­val Cai­xa Lu­an­da, quin­ta-fei­ra, no Ci­ne Atlân­ti­co, em Lu­an­da.

A noi­te foi de mui­tas sur­pre­sas, além da de Ary que, sur­pre­en­den­te­men­te, in­ter­pre­tou as can­ções “Oh gen­te da mi­nha ter­ra” e “Ma­ria Lis­boa” da rai­nha do fa­do, Amá­lia Ro­dri­gues, e uma can­ção do fol­clo­re por­tu­guês, o que a fez dan­çar e brin­car no pal­co no seu es­ti­lo pe­cu­li­ar, em­bo­ra sem tan­to “es­can­ga­lho”.

Ain­da no pal­co, Ary con­fes­sou ter fei­to pes­qui­sas na In­ter­net, pa­ra co­nhe­cer as ba­ses do fa­do, que a dei­xa­ram en­can­ta­da e te­mer o aban­do­no do sem­ba, o seu es­ti­lo mu­si­cal de elei­ção.

“Foi al­go iné­di­to, fi­quei bas­tan­te emo­ci­o­na­da por me te­rem es­co­lhi­do nes­ta se­gun­da edi­ção. Pa­ra mim, o fa­do é um es­ti­lo me­lan­có­li­co, o que con­tras­ta com o meu per­fil, pois sou ener­gé­ti­ca, mas con­se­gui, es­tou fe­liz e agra­de­ço à di­rec­ção do Ban­co Cai­xa Ge­ral de An­go­la por me te­rem es­co­lhi­do.”

O fes­ti­val co­mo­veu tam­bém al­guns mú­si­cos por­tu­gue­ses que ca­ta­ram pe­la pri­mei­ra vez em An­go­la, co­mo a fa­dis­ta Gi­se­la João, que pre­en­cheu de ale­gria o pú­bli­co ao in­ter­pre­tar vá­ri­as can­ções po­pu­la­res, to­das acom­pa­nha­das por dan­ças.

Ma­ria Ana Bo­bo­ne, Hél­der Mou­ti­nho, Mar­co Ro­dri­gues e Jo­sé Gon­ça­lez, que tam­bém en­can­ta­ram a noi­te, apre­sen­tan­do o que há de mais jo­vem vo­cal e ins­tru­men­tal da ter­ra do fa­do, en­quan­to Ra­quel Ta­va­res foi a gran­de au­sen­te por mo­ti­vo de do­en­ça. Sen­do um dos ob­jec­ti­vos do fes­ti­val o cruzamento das cul­tu­ras an­go­la­na e por­tu­gue­sa, mais dois can­to­res an­go­la­nos su­bi­ram ao pal­co, Toty Sa’Med e Da­ni­el Nas­ci­men­to que fi­ze­ram du­e­to com a fa­dis­ta Ana Mou­ra, an­tes de a mes­ma en­cer­rar o con­cer­to, acom­pa­nha­da por Ân­ge­lo Frei­re (gui­tar­ra por­tu­gue­sa), Pe­dro So­a­res (vi­o­la de fa­do), An­dré Mo­rei­ra (bai­xo e con­tra­bai­xo), João Go­mes (te­cla­dos) e Ale­xan­dre Fra­zão (ba­te­ria e per­cus­sões).

Era meia-noi­te, quan­do o fes­ti­val en­cer­rou com Ana Mou­ra, após su­ces­si­vas in­ter­pre­ta­ções em por­tu­guês e uma em quim­bun­do, “Ho­o­la ho­op” - uma re­co­lha do can­ci­o­nei­ro po­pu­lar an­go­la­no, can­ta­da por Rui Min­gas - que Ana Mou­ra in­ter­pre­tou com o gui­tar­ris­ta Toty Sa’Med, re­quin­ta­da de re­que­bros da cin­tu­ra bem à mo­da dan­çan­te an­go­la­na, aliás, é fi­lha de mãe an­go­la­na e pai por­tu­guês.

O fes­ti­val

O sur­gi­men­to do Fes­ti­val Cai­xa Lu­an­da sim­bo­li­za a mu­dan­ça do no­me do Ban­co Cai­xa Tot­ta An­go­la que pas­sou a de­sig­nar-se Ban­co Cai­xa Ge­ral An­go­la.

A mu­dan­ça da mar­ca pro­pi­ci­ou a cri­a­ção de um fes­ti­val de fa­do, à se­me­lhan­ça do que exis­te em Lis­boa, com o Cai­xa Al­fa­ma, lo­ca­li­da­de on­de nas­ceu o fa­do, ac­tu­al­men­te Pa­tri­mó­nio Ima­te­ri­al da Hu­ma­ni­da­de.

“O Fes­ti­val de Lu­an­da é a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do fes­ti­val, após a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia, em 2015, ti­do co­mo um su­ces­so. De­ci­di­mos or­ga­ni­zar a se­gun­da edi­ção, com mais de mil e 600 pes­so­as, e um elen­co cons­ti­tuí­do pe­las melhores vo­zes do fa­do por­tu­guês”, dis­se Fer­nan­do Pe­rei­ra, pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do Ban­co Cai­xa Ge­ral An­go­la.

Re­fe­riu que o ob­jec­ti­vo é unir os po­vos e as cul­tu­ras. Na sua óp­ti­ca, o Fes­ti­val Cai­xa Lu­an­da afir­ma-se co­mo uma re­fe­rên­cia de pres­tí­gio no ca­len­dá­rio cul­tu­ral an­go­la­no e aju­da a di­fun­dir a ami­za­de e o vín­cu­lo cul­tu­ral en­tre An­go­la e Por­tu­gal, dan­do con­ti­nui­da­de à edi­ção an­te­ri­or. “É um or­gu­lho pa­ra o ban­co con­ti­nu­ar a pro­mo­ver o fa­do atra­vés do fes­ti­val.”

Em 2015, na pri­mei­ra edi­ção, a or­ga­ni­za­ção do fes­ti­val con­vi­dou a ar­tis­ta an­go­la­na Yo­la Se­me­do.

PAULO MULAZA

Can­to­ra Ary fez o pú­bli­co vi­brar de ale­gria

PAULO MULAZA

Ary con­fes­sou ter fei­to pes­qui­sas na In­ter­net pa­ra co­nhe­cer as ba­ses do fa­do que a dei­xa­ram en­can­ta­da e te­mer o aban­do­no do es­ti­lo sem­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.