Mi­chel­le dá aju­da a Clin­ton

SOLIDARIEDADE

Jornal de Angola - - PARTADA - RAMON SAHMKOW | AFP

Mi­chel­le Oba­ma, de 52 anos , fez nes­ta quin­ta-fei­ra a sua pri­mei­ra apa­ri­ção ao la­do da “ami­ga” Hil­lary Clin­ton, de 69, na cam­pa­nha pe­la Ca­sa Bran­ca, dan­do o seu pe­so co­mo pri­mei­ra-da­ma à can­di­da­ta de­mo­cra­ta, na es­pe­ran­ça de atrair o vo­to das mu­lhe­res.

“Ela es­tá pron­ta pa­ra ser co­man­dan­te-em-che­fe des­de o pri­mei­ro dia, e sim, acon­te­ce ela ser uma mu­lher”, dis­se Mi­chel­le, num co­mí­cio pa­ra 11 mil pes­so­as, o se­gun­do mai­or ac­to da cam­pa­nha de Hil­lary.

As du­as pri­mei­ras-da­mas - a ac­tu­al e a ex – abra­ça­ram-se ca­lo­ro­sa­men­te no pal­co do co­mí­cio em Wins­ton-Sa­lem, na Ca­ro­li­na do Nor­te. Mais po­pu­lar do que o seu ma­ri­do, a pri­mei­ra-da­ma foi uma pou­co fre­quen­te - mas con­tun­den­te - for­ça na cam­pa­nha elei­to­ral de 2016, com dis­cur­sos po­de­ro­sos con­tra o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump, e a fa­vor de Hil­lary Clin­ton.

Se­gun­do ela, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do tem “mais ex­pe­ri­ên­cia do que qual­quer can­di­da­to, mais do que Ba­rack, mais do que Bill”.

A pri­mei­ra-da­ma dis­se que os ame­ri­ca­nos en­fren­tam du­as op­ções: um can­di­da­to “que nos pe­de que nos vol­te­mos uns con­tra os ou­tros, cons­tru­a­mos mu­ros e te­nha­mos me­do”, uma re­fe­rên­cia ao re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump, e Hil­lary Clin­ton, a “for­ça uni­fi­ca­do­ra”.

De acor­do com a ex-se­cre­tá­ria, “es­tá em jo­go to­do o pro­gres­so ob­ti­do” pe­lo pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma e a sua “in­crí­vel pri­mei­ra-da­ma”. O en­con­tro en­tre am­bas era qua­se im­pen­sá­vel há oi­to anos: as pri­má­ri­as de­mo­cra­tas de 2008, en­tre Oba­ma e Hil­lary, fi­ca­ram amar­gas e ten­sas.

Par­ti­ci­pa­ção é cha­ve

Mas as ci­ca­tri­zes fe­cha­ram-se e as du­as mu­lhe­res, am­bas na­ti­vas de Chi­ca­go, vi­ram ser ser­vi­do em ban­de­ja de pra­ta, por Do­nald Trump, um te­ma em co­mum: a de­fe­sa das mu­lhe­res, no âm­bi­to das de­cla­ra­ções mi­só­gi­nas e de­gra­dan­tes do re­pu­bli­ca­no di­vul­ga­das num ví­deo de 2005. “Sim, Hil­lary Clin­ton é mi­nha ami­ga”, res­sal­tou Mi­chel­le, que se tor­nou, nas úl­ti­mas se­ma­nas, uma du­ra voz con­tra o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump, e a fa­vor da de­mo­cra­ta.

A ad­vo­ga­da não he­si­tou em ata­car a re­tó­ri­ca es­tri­den­te do mag­na­ta e o que cha­mou de “in­to­le­rá­vel” con­du­ta se­xu­al em re­la­ção às mu­lhe­res. Mi­chel­le Oba­ma tor­nou-se uma “nos­sa ar­ma não tão se­cre­ta”, re­co­nhe­ceu re­cen­te­men­te Bri­an Fal­lon, por­ta-voz de Hil­lary.

A me­nos de 12 di­as das elei­ções pre­si­den­ci­ais, Hil­lary bus­ca ca­pi­ta­li­zar a fa­ma de uma das fi­gu­ras mais po­pu­la­res da política ame­ri­ca­na.A ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do es­tá na fren­te nas pes­qui­sas, com uma van­ta­gem de 5,4 por cen­to em re­la­ção a Trump, se­gun­do a úl­ti­ma mé­dia das pes­qui­sas do Re­alC­le­arPo­li­tics.

Em 2012, a Ca­ro­li­na do Nor­te vo­tou no re­pu­bli­ca­no Mitt Rom­ney, mas es­co­lheu os de­mo­cra­tas na ac­tu­al cam­pa­nha. Hil­lary apa­re­ce com dois pon­tos de van­ta­gem nas pes­qui­sas, mas de­pen­de de uma for­te pre­sen­ça da po­pu­la­ção ne­gra nas ur­nas.

“A par­ti­ci­pa­ção é o que fa­rá a di­fe­ren­ça”, in­sis­tiu Mi­chel­le, con­vo­can­do os elei­to­res a “ar­re­ga­çar as man­gas” e lo­tar os cen­tros de vo­ta­ção pa­ra der­ro­tar Trump.

Trump in­sis­te na vi­tó­ria

O em­pre­sá­rio, de 70 anos, in­sis­tiu nes­ta quin­ta-fei­ra que ga­nha­rá as elei­ções, num dis­cur­so pro­fe­ri­do no pri­mei­ro de três co­mí­ci­os em ou­tro e Es­ta­do-cha­ve: Ohio.

“Em 12 di­as va­mos ga­nhar Ohio e va­mos ga­nhar a Ca­sa Bran­ca”, afir­mou, res­sal­tan­do que os ame­ri­ca­nos “já ti­ve­ram o su­fi­ci­en­te dos Clin­ton”. “Va­mos pa­ra Washing­ton e va­mos dre­nar o pân­ta­no”, acres­cen­tou.

Trump tam­bém anun­ci­ou que a sua mu­lher, Me­la­nia, usu­al­men­te lon­ge dos ho­lo­fo­tes, vol­ta­rá ao fo­co com dois, ou três dis­cur­sos em apoio ao mag­na­ta. O em­pre­sá­rio ga­bou-se de uma no­va pes­qui­sa que o si­tua dois pon­tos aci­ma - em­bo­ra den­tro da mar­gem de er­ro - na Fló­ri­da, ou­tro Es­ta­do que po­de de­ci­dir o des­ti­no da elei­ção. A pes­qui­sa da Blo­om­berg de quar­ta-fei­ra si­tu­ou Trump com 45 por cen­to, con­tra 43por cen­to pa­ra Hil­lary, en­tre os pos­sí­veis elei­to­res na Fló­ri­da, uma mar­gem mui­to aper­ta­da pa­ra um Es­ta­do que o mi­li­o­ná­rio não po­de per­der. Se­gun­do a mé­dia do Re­alC­le­arPo­li­tics, Hil­lary se­gue na fren­te por 1,6 por cen­to. Mas a pes­qui­sa da Blo­om­berg do­cu­men­tou uma le­ve van­ta­gem de Trump en­tre os elei­to­res in­de­pen­den­tes, que po­dem ter a cha­ve da vi­tó­ria na Fló­ri­da.

DR

Mi­chel­le Oba­ma e Hil­lary Clin­ton es­tão jun­tas na cam­pa­nha de­mo­cra­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.