So­ro con­tra pi­ca­das de co­bras le­va­do à Fei­ra de Nu­rem­ber­ga

De­no­mi­na­do “Mu­ri­no” o re­mé­dio é pa­ra tra­tar ví­ti­mas de mor­de­du­ras de ser­pen­tes

Jornal de Angola - - PARTADA - NHUCA JÚ­NI­OR |

An­go­la apre­sen­ta na Fei­ra de Ino­va­ção, Idei­as e No­vos Pro­du­tos, que de­cor­re em Nu­rem­ber­ga, Alemanha, um so­ro ex­pe­ri­men­tal de­no­mi­na­do “Mu­ri­no” pa­ra tra­ta­men­to de ví­ti­mas de mor­de­du­ras de ser­pen­tes.

O re­mé­dio re­sul­ta de um tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca de­sen­vol­vi­do pe­la Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Ma­lan­je, da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de, em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Bu­tan­tã, do Bra­sil, e com o La­bo­ra­tó­rio de To­xi­co­lo­gia da Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de do Por­to (Por­tu­gal).

A in­ves­ti­ga­ção que deu ori­gem à pro­du­ção do so­ro “Mu­ri­no” é de­sen­vol­vi­da por uma equi­pa de dez in­ves­ti­ga­do­res, li­de­ra­da pe­la mé­di­ca an­go­la­na Pau­la Oli­vei­ra e in­te­gra­da por dois in­ves­ti­ga­do­res do Ins­ti­tu­to Bu­tan­tã e por um do La­bo­ra­tó­rio de To­xi­co­lo­gia da Fa­cul­da­de de Far­má­cia da Uni­ver­si­da­de do Por­to.

O es­tu­do so­bre o so­ro ex­pe­ri­men­tal é um dos três que a Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de apre­sen­ta es­te ano na Fei­ra de Nu­rem­ber­ga, de­pois de ter con­quis­ta­do na edi­ção pas­sa­da uma me­da­lha de ou­ro com a “Es­tra­té­gia de pre­ven­ção de mor­de­du­ras de ser­pen­tes em An­go­la”.

Os dois ou­tros es­tu­dos le­va­dos à Alemanha pe­la Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de, e apre­sen­ta­dos tal co­mo o pri­mei­ro pe­la mé­di­ca Pau­la Oli­vei­ra, são de­sig­na­dos por “Pro­gra­ma de pre­ven­ção, pre­pa­ra­ção e res­pos­ta rá­pi­da a emer­gên­ci­as quí­mi­cas em An­go­la”, da au­to­ria do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e In­for­ma­ção de Me­di­ca­men­tos e To­xi­co­lo­gia (Ci­me­tox), e por “Ca­rac­te­ri­za­ção bi­oquí­mi­ca dos ve­ne­nos de ser­pen­tes em An­go­la de im­por­tân­cia mé­di­ca”, da au­to­ria da equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res que de­sen­vol­ve o so­ro ex­pe­ri­men­tal “Mu­ri­no”.

A mé­di­ca Pau­la Oli­vei­ra dis­se on­tem ao Jor­nal de An­go­la, por email, que a pro­du­ção do so­ro ex­pe­ri­men­tal foi fei­ta no La­bo­ra­tó­rio de Imu­noquí­mi­ca do Ins­ti­tu­to Bu­tan­tã com ve­ne­no de ser­pen­tes cap­tu­ra­das, en­tre Mar­ço e Abril do ano pas­sa­do, na ex­pe­di­ção “Nda­la Lu­tan­gi­la”, às pro­vín­ci­as do Cu­an­za Sul, Huí­la, Ma­lan­je e Ben­gue­la, on­de ocor­rem com frequên­cia mor­de­du­ras de co­bras, uma re­a­li­da­de que Pau­la Oli­vei­ra ad­mi­tiu ser ex­ten­si­va a to­do o país. A es­co­lha da­que­le no­me pa­ra a ex­pe­di­ção de­ve-se ao fac­to de nda­la, que tam­bém é co­nhe­ci­da por lu­tan­gi­la, ser uma ser­pen­te que tem um ve­ne­no que ma­ta ra­pi­da­men­te e ser mui­to te­mi­da pe­los cam­po­ne­ses. A mé­di­ca, que no seu cur­so de dou­to­ra­men­to em To­xi­co­lo­gia se de­di­ca ao es­tu­do imu­noquí­mi­co do ve­ne­no das ser­pen­tes, in­sis­tiu na ne­ces­si­da­de de uma mai­or di­vul­ga­ção das me­di­das de pre­ven­ção, so­bre­tu­do nas zo­nas ru­rais, on­de as pes­so­as es­tão mais ex­pos­tas ao ris­co de mor­de­du­ras de ser­pen­tes.

A mé­di­ca avi­sou que o meio ur­ba­no tam­bém não es­tá li­vre de acoi­tar ofí­di­os, cu­jo sur­gi­men­to po­de ser cau­sa­do, por exem­plo, pe­lo li­xo.

“As mor­de­du­ras de ser­pen­tes re­pre­sen­tam um im­por­tan­te pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca, que afec­ta as po­pu­la­ções ru­rais em Áfri­ca”, dis­se a mé­di­ca, es­ti­man­do que, na Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, ocor­ram anu­al­men­te 314 mil mor­de­du­ras, que pro­vo­cam 7.300 óbi­tos e oi­to mil am­pu­ta­ções.

Pau­la Oli­vei­ra acen­tu­ou que o ce­ná­rio epi­de­mi­o­ló­gi­co em An­go­la ain­da é des­co­nhe­ci­do, “em­bo­ra pos­sa­mos in­fe­rir que se­ja al­to, se ti­ver­mos em con­ta os da­dos de paí­ses vi­zi­nhos li­mí­tro­fes, co­mo a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.”

Os pa­ci­en­tes, so­bre­tu­do os das áre­as ru­rais, não bus­cam ou não têm aces­so aos ser­vi­ços de saú­de, tor­nan­do di­fí­cil o re­gis­to ofi­ci­al dos ca­sos, sa­li­en­tou a mé­di­ca, pa­ra quem o úni­co tra­ta­men­to efec­ti­vo pa­ra os en­ve­ne­na­men­tos por mor­de­du­ras de ser­pen­tes é a ad­mi­nis­tra­ção de um an­ti­ve­ne­no es­pe­cí­fi­co.

EDMUNDO EUCÍLIO

Os cam­po­ne­ses es­tão en­tre as prin­ci­pais ví­ti­mas de mor­de­du­ras de ser­pen­tes no mun­do

NHUCA JÚ­NI­OR

Mé­di­ca e in­ves­ti­ga­do­ra Pau­la Oli­vei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.