Jo­ga­do­res exi­gem sa­lá­ri­os pa­ra de­fron­tar os mi­li­ta­res

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­TÓ­NIO DE BRI­TO |

O Atlé­ti­co Sport Avi­a­ção (ASA) po­de fa­lhar ho­je o de­sa­fio com o 1º de Agos­to, de­pois de os jo­ga­do­res se re­cu­sa­rem a trei­nar on­tem, de­vi­do a in­cum­pri­men­tos con­tra­tu­ais das em­pre­sas pa­tro­ci­na­do­ras.

Os jo­ga­do­res da for­ma­ção avi­a­do­ra cla­mam pe­lo pa­ga­men­to de três sa­lá­ri­os em atra­so, pa­ra re­to­ma­rem os trei­nos. Ca­so as rei­vin­di­ca­ções não se­jam sa­tis­fei­tas, a equi­pa ar­ris­ca-se a per­der por fal­ta de com­pa­rên­cia no jo­go de ho­je com os ru­bro-ne­gros.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, Eli­as Jo­sé, pre­si­den­te de di­rec­ção da for­ma­ção avi­a­do­ra, la­men­tou o com­por­ta­men­to dos jo­ga­do­res, mas con­si­de­ra que es­tão no seu di­rei­to de re­cla­mar. “Pen­so que não de­via ser des­ta for­ma. Fo­mos apa­nha­dos de sur­pre­sa. Tí­nha­mos de sen­tar pa­ra en­con­trar­mos uma saí­da ai­ro­sa. Eles es­tão no di­rei­to de exi­gi­rem os seus sa­lá­ri­os.”

O pre­si­den­te do ASA dis­se ain­da que o atra­so no pa­ga­men­to dos or­de­na­dos não é da res­pon­sa­bi­li­da­de da di­rec­ção do clu­be, mas sim das em­pre­sas que pa­tro­ci­nam a co­lec­ti­vi­da­de. “De­pen­de­mos dos pa­tro­ci­na­do­res. Por is­so, os jo­ga­do­res es­tão a vi­ver es­ta si­tu­a­ção”, es­cla­re­ceu o di­ri­gen­te des­por­ti­vo.

Pa­ra sal­dar a dí­vi­da com os jo­ga­do­res, a di­rec­ção do ASA ne­ces­si­ta de 36 mi­lhões de kwan­zas, co­mo re­fe­re Eli­as Jo­sé.

“Es­te é o va­lor con­ta­bi­li­za­do, só pa­ra pa­gar os três me­ses de sa­lá­ri­os em atra­so. Des­te mon­tan­te, o Por­to de Lu­an­da com­pro­me­teu­se a dis­po­ni­bi­li­zar seis mi­lhões, que con­si­de­ro uma go­ta de água no oce­a­no. Uns vão be­ne­fi­ci­ar e ou­tros não. Ape­la­mos ao bom sen­so dos pa­tro­ci­na­do­res, por­que a equi­pa ar­ris­ca-se a per­der o jo­go por fal­ta de com­pa­rên­cia.”

De­pois de ter si­do con­fir­ma­do na pre­si­dên­cia do ASA, Eli­as Jo­sé pro­me­teu à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al li­qui­dar com o seu pró­prio di­nhei­ro os sa­lá­ri­os em atra­so do fu­te­bol. “Pa­guei ape­nas um sa­lá­rio. O ou­tro se­rá pa­go as­sim que dis­po­ni­bi­li­za­rem as ver­bas”, fri­sou pa­ra acres­cen­tar: “é uma si­tu­a­ção re­cor­ren­te no ASA. As ou­tras di­rec­ções já pas­sa­ram por es­te pro­ble­ma. Irei re­pen­sar se va­le a pe­na con­ti­nu­ar ou não na di­rec­ção do clu­be.”

Ape­sar da greve, Eli­as Jo­sé acre­di­ta que a equi­pa vai com­pa­re­cer no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro, pa­ra de­fron­tar o 1º de Agos­to. “Uma fal­ta de com­pa­rên­cia nas úl­ti­mas jor­na­das im­pli­ca a des­qua­li­fi­ca­ção da pro­va e os jo­ga­do­res e equi­pa téc­ni­ca sa­bem dis­so”, dis­se pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.