CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BERNARDO MARTINS LUZIA KENGUE PAULO LIMA

Tran­si­ção na RDC

A cri­a­ção de um go­ver­no de tran­si­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go per­mi­te pôr fim a um cli­ma de con­tes­ta­ção rei­nan­te nes­te país e cons­ti­tui ho­je a agen­da da­que­le país e ob­vi­a­men­te de to­da a re­gião.

Na aber­tu­ra da 7ª Reu­nião de Al­to Ní­vel do Me­ca­nis­mo de Su­per­vi­são Re­gi­o­nal do Acor­do pa­ra a Paz, Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção da RDC e na Re­gião dos Gran­des La­gos que de­cor­reu na ca­pi­tal an­go­la­na, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos de­fen­deu o diá­lo­go e con­cer­ta­ção co­mo fer­ra­men­tas. No fun­do, o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, por si­nal tam­bém pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), es­ta­va a lan­çar um rep­to aos ac­to­res po­lí­ti­cos con­go­le­ses. Es­tes vão pre­ci­sar de mos­trar a sua ma­tu­ri­da­de política e apos­tar no en­ten­di­men­to e as­sump­ção das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des nes­ta fa­se de tran­si­ção. Em­bo­ra os dois man­da­tos do Pre­si­den­te Ka­bi­la te­nham ter­mi­na­do, fi­cou cla­ro pa­ra to­do o mun­do a ine­xis­tên­cia de con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção do plei­to elei­to­ral. Um pe­río­do de tran­si­ção cons­ti­tui o mal me­nor, já ple­na­men­te en­ten­di­do pe­lo gros­so de ac­to­res po­lí­ti­cos que es­ti­ve­ram pre­sen­tes des­de o iní­cio do cha­ma­do Diá­lo­go Na­ci­o­nal.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­rou que a pre­ser­va­ção da paz e es­ta­bi­li­da­de são con­di­ções im­pres­cin­dí­veis pa­ra o nor­mal fun­ci­o­na­men­to de um país e su­as ins­ti­tui­ções, pro­por­ci­o­nan­do a par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va e con­sen­su­al pa­ra to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos.

Di­fi­cul­da­des na mor­te

Na ho­ra da mor­te, quan­do as fa­mí­li­as po­di­am des­can­sa­da­men­te re­sol­ver to­dos os pas­sos pa­ra con­su­mar o en­ter­ro, mui­tas vêem-se a bra­ços com cus­tos.

Os cus­tos que cul­mi­nam com se­pul­ta­men­to de um ca­dá­ver acen­tu­am-se so­bre­tu­do quan­do en­vol­vem trans­la­da­ção de uma pro­vín­cia pa­ra ou­tra ou, pa­ra pi­o­rar o qua­dro, do es­tran­gei­ro pa­ra o país. Há os pos­tos de con­tro­lo po­li­ci­al, pe­los pas­sam com o mor­to ca­mu­fla­do ou co­mo se es­ti­ves­se a dor­mir. E há ain­da quem op­te por um es­que­ma com o pes­so­al da mor­gue pa­ra re­ti­rar o ca­dá­ver de for­ma ile­gal.

Per­der um fa­mi­li­ar fo­ra de An­go­la, além da dor da per­da, im­pli­ca gas­tar mui­to di­nhei­ro e ain­da aguen­tar a bu­ro­cra­cia na emis­são de do­cu­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra que o ca­dá­ver se­ja trans­fe­ri­do. Há quem che­gue a le­var mais de 15 di­as pa­ra ter­mi­nar o processo e as­sim trans­la­dar o cor­po. São vá­ri­as his­tó­ri­as, al­gu­mas que ten­dem a au­men­tar a dor fa­mi­li­ar e com­pli­car to­do o es­for­ço pa­ra ali­vi­ar as do­res das fa­mí­li­as.

Es­ta­bi­li­da­de política

Há di­as, o mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Lou­ren­ço, as­se­gu­rou que An­go­la é um país po­li­ti­ca­men­te es­tá­vel, si­tu­a­ção que lhe per­mi­te con­so­li­dar a paz, a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e a de­mo­cra­cia.

O go­ver­nan­te, que foi ci­ta­do pe­la co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do país, fez re­fe­rên­ci­as aos ga­nhos tra­zi­dos pe­la paz, con­quis­ta­da há 14 anos. De fac­to, co­mo an­go­la­no e afri­ca­no, nu­ma al­tu­ra em que ra­rei­am no con­ti­nen­te paí­ses que se po­dem ga­bar de es­ta­bi­li­da­de, cons­ti­tui um or­gu­lho mui­to gran­de ser an­go­la­no. E o or­gu­lho é ain­da mai­or quan­do me aper­ce­bo que o país é se­de de nu­me­ro­sas ini­ci­a­ti­vas em no­me da paz e es­ta­bi­li­da­de em Áfri­ca.

É igual­men­te dig­no de men­ção o fac­to do país par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te na for­ma­ção das for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça de vá­ri­os paí­ses, fac­to que co­lo­ca o nos­so país nu­ma po­si­ção de van­ta­gem. Acho que o mi­nis­tro faz bem quan­do de­fen­de a ne­ces­si­da­de de An­go­la con­ti­nu­ar a in­ves­tir no ape­tre­cho das su­as for­ças ar­ma­das.

An­go­la con­ti­nua a pres­tar uma aten­ção par­ti­cu­lar à De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, po­ten­ci­an­do ca­da vez mais as su­as For­ças Ar­ma­das, com o pro­pó­si­to de ga­ran­tir um am­bi­en­te de paz, se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de pro­pí­ci­os ao de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co do país.

Es­pe­ro que con­ti­nu­e­mos nes­ta sen­da, atra­vés da qual as­se­gu­ra­mos a es­ta­bi­li­da­de in­ter­na e re­gi­o­nal. E co­mo di­ver­sas ve­zes tem si­do de­fen­di­do por vá­ri­as sen­si­bi­li­da­des do país, ur­ge pro­mo­ver­mos uma so­ci­e­da­de mais to­le­ran­te, mais so­li­dá­ria, mais fra­ter­na e prós­pe­ra.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.