Pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A qua­li­da­de de vi­da co­me­ça in­va­ri­a­vel­men­te a par­tir da ha­bi­ta­ção, sen­do fun­da­men­tal que ela e o es­pa­ço cir­cun­dan­te te­nham con­di­ções pa­ra as­se­gu­rar às fa­mí­li­as me­lhor usu­fru­to e sus­ten­ta­bi­li­da­de.

Ao lon­go de mui­tos anos, o par­que ha­bi­ta­ci­o­nal co­nhe­ceu pro­fun­das de­for­ma­ções, nal­guns ca­sos des­trui­ção do pou­co que ain­da se man­ti­nha de pé, nu­ma al­tu­ra em que o cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal pre­va­le­cia im­pa­rá­vel.

A pro­cu­ra por um es­pa­ço pa­ra abri­gar fa­mí­li­as, no tem­po do con­fli­to ar­ma­do, con­tri­buiu pa­ra uma pres­são de­mo­grá­fi­ca sem pre­ce­den­tes na His­tó­ria de An­go­la in­de­pen­den­te. O ca­os ur­ba­nís­ti­co em mui­tas zo­nas, so­bre­tu­do na pe­ri­fe­ria das gran­des ci­da­des, on­de mi­lha­res de fa­mí­li­as en­con­tra­vam se­gu­ran­ça e sos­se­go, pas­sou a ser ine­vi­tá­vel du­ran­te mui­to tem­po.

O fim do con­fli­to ar­ma­do per­mi­tiu não ape­nas en­ca­rar o far­do pe­sa­do da he­ran­ça de des­trui­ção do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal, mas, igual­men­te, pôr em mar­cha um am­plo pro­gra­ma de re­cons­tru­ção.

As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, ao la­do de ini­ci­a­ti­vas pri­va­das, me­te­ram-se em cam­po pa­ra pro­mo­ver a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções das mais va­ri­a­das ti­po­lo­gi­as em to­do o país.

Nos úl­ti­mos anos, fo­ram er­gui­dos mi­lhões de ca­sas, por via das ini­ci­a­ti­vas já men­ci­o­na­das, sen­do as cen­tra­li­da­des um exem­plo de que é viá­vel no mé­dio e lon­go pra­zos um pro­gra­ma de ha­bi­ta­ção con­dig­na pa­ra to­das as fa­mí­li­as.

O sec­tor imo­bi­liá­rio cres­ce e apre­sen­ta de­sa­fi­os que pre­ci­sam de ser de­vi­da­men­te equa­ci­o­na­dos pa­ra que as fa­mí­li­as con­ti­nu­em a usu­fruir dos es­pa­ços ha­bi­ta­ci­o­nais, pa­ra que as em­pre­sas e pes­so­as sin­gu­la­res te­nham aces­so, em con­di­ções, aos ter­re­nos pa­ra fins di­ver­sos.

Pa­ra me­lhor fa­zer fa­ce aos cres­cen­tes de­sa­fi­os a ní­vel do sec­tor imo­bi­liá­rio, o Exe­cu­ti­vo pre­ten­de im­ple­men­tar um con­jun­to de me­di­das com o ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de dos pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais. Tra­ta-se de um no­vo pa­ra­dig­ma que sur­ge pa­ra me­lho­rar a pers­pec­ti­va de cons­tru­ção de pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais, no sen­ti­do de ga­ran­tia das con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de e du­ra­bi­li­da­de das ha­bi­ta­ções.

O me­mo­ran­do so­bre a Sus­ten­ta­bi­li­da­de e Fi­nan­ci­a­men­to dos Pro­jec­tos Ha­bi­ta­ci­o­nais sob ges­tão da Imo­ges­tin é uma ini­ci­a­ti­va que pre­ten­de trans­for­mar o sec­tor ha­bi­ta­ci­o­nal num ins­tru­men­to que me­lho­re não ape­nas a qua­li­da­de de vi­da, mas igual­men­te o equi­lí­brio en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra.

Com a agen­da pre­en­chi­da por via da cons­tru­ção de vá­ri­as cen­tra­li­da­des, mui­tas ou­tras ain­da por sur­gi­rem, não há dú­vi­das de que o me­mo­ran­do so­bre a Sus­ten­ta­bi­li­da­de e Fi­nan­ci­a­men­to dos Pro­jec­tos Ha­bi­ta­ci­o­nais sur­ge nu­ma al­tu­ra ade­qua­da. Em­bo­ra se tra­te ain­da de uma pro­pos­ta, cu­ja aná­li­se pas­sou re­cen­te­men­te sob o cri­vo da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca e da Co­mis­são pa­ra a Economia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros, acre­di­ta­mos que a mes­ma po­de jo­gar um pa­pel im­por­tan­te na ges­tão do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal.

Pre­ten­de­mos to­dos que os ocu­pan­tes das ha­bi­ta­ções er­gui­das nas cen­tra­li­da­des vi­vam em se­gu­ran­ça, fac­to que po­de ser acau­te­la­do com a ade­são ao fu­tu­ro Se­gu­ro Ha­bi­ta­ci­o­nal Obri­ga­tó­rio, um ex­pe­di­en­te que ser­vi­rá pa­ra acau­te­lar cus­tos que ve­nham a en­vol­ver in­ter­ven­ções ou da­nos nas ha­bi­ta­ções.

Aten­den­do à ex­pan­são do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal, é pre­ci­so que as ou­tras ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das se en­vol­vam no sen­ti­do de me­lho­ri­as, qua­li­da­de e du­ra­bi­li­da­de dos pro­jec­tos, bem co­mo na se­gu­ran­ça das ha­bi­ta­ções.

Com es­tas ini­ci­a­ti­vas, es­pe­ra-se que as se­gu­ra­do­ras e os ban­cos apro­fun­dem a in­ter­ven­ção e o pa­pel que de­les se es­pe­ra, so­bre­tu­do nu­ma al­tu­ra em que há pro­jec­tos de cons­tru­ção de cen­tra­li­da­des nas pro­vín­ci­as do Ben­go, Lun­das, Cu­an­za Nor­te, Cu­an­do Cu­ban­go, Ma­lan­je, Cu­ne­ne e Zai­re. Tra­ta-se de em­prei­ta­das mo­nu­men­tais que, pa­ra o seu su­ces­so, de­ve­rão en­vol­ver a en­tra­da em ce­na de vá­ri­os agen­tes.

In­de­pen­den­te­men­te do pa­pel do Es­ta­do na im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas vi­ra­das pa­ra o fo­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal, é ine­gá­vel o con­tri­bu­to dos par­cei­ros que, co­mo se es­pe­ra, de­vem es­tar à al­tu­ra dos de­sa­fi­os. Pa­ra a fren­te, es­tá um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer pa­ra que o sec­tor imo­bi­liá­rio se tor­ne num ali­a­do fun­da­men­tal na me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da e do ren­di­men­to das fa­mí­li­as an­go­la­nas de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne.

Não po­de­mos per­der de vis­ta que An­go­la e os an­go­la­nos se em­pe­nham to­dos pa­ra que o país evo­lua, nos pró­xi­mos tem­pos, pa­ra o es­tá­dio de Paí­ses de Ren­di­men­to Mé­dio. E is­so pas­sa tam­bém pe­la me­lho­ria de in­di­ca­do­res so­ci­ais, den­tre os quais a ha­bi­ta­ção, que num meio ade­qua­do e sus­ten­tá­vel, cons­ti­tui um dos prin­ci­pais ele­men­tos. Fa­ze­mos vo­tos de que, com a par­ti­ci­pa­ção de to­dos, des­de agen­tes pú­bli­cos e pri­va­dos, se­ja­mos ca­pa­zes de dar sus­ten­ta­bi­li­da­de aos pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.