Uso da sa­li­va é es­sen­ci­al na ma­nu­ten­ção e lim­pe­za

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LARA MALVESÍ |

O pó é o pi­or ini­mi­go pa­ra a con­ser­va­ção de obras de arte e a sa­li­va, por ou­tro la­do, um ali­a­do ines­pe­ra­do.

Es­sa é uma das prin­ci­pais re­ve­la­ções do no­vo áu­dio guia so­bre a ma­nu­ten­ção do mu­seu re­a­li­za­da pe­la ar­tis­ta Ni­na Kat­cha­dou­ri­an.

Kat­cha­dou­ri­an en­con­trou-se com vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas que se en­car­re­gam da de­li­ca­da ta­re­fa de con­ser­var e lim­par al­gu­mas das obras mais im­por­tan­tes do mun­do, que são ex­pos­tas no Mo­ma de No­va Ior­que.

A ar­tis­ta des­co­briu que en­tre ou­tras obras, “Va­so com flo­res”, de Pa­blo Pi­cas­so, que es­tá há anos nas pa­re­des do mu­seu, foi lim­pa usan­do sa­li­va, um mé­to­do que em­bo­ra apro­va­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas, sur­pre­en­de os neó­fi­tos.

“A sua com­po­si­ção é efi­caz por ser 90 por cen­to água e o res­to com­pos­to por ou­tros agen­tes e mi­ne­rais”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta na ta­re­fa Anny Avi­ram, com mais de 40 anos ao ser­vi­ço do Mo­ma.

“É di­fí­cil às ve­zes fa­lar des­te pro­ce­di­men­to por­que tem mui­tas co­no­ta­ções hu­mo­rís­ti­cas”, re­co­nhe­ce Avi­ram, que acres­cen­ta que “fre­quen­te­men­te” o pó das obras é lim­po com a sua pró­pria sa­li­va, em­bo­ra a cha­mem de “so­lu­ção en­zi­má­ti­ca”.

“Pri­mei­ro pas­sa­mos um co­to­ne­te com sa­li­va e de­pois ou­tro se­co pa­ra re­ti­rar a su­jei­ra”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta, que apon­ta que é um mé­to­do len­to por­que “não se po­de fi­car oi­to ho­ras lim­pan­do com sa­li­va”.

“E além dis­so, não é sem­pre que a sua sa­li­va é vá­li­da pa­ra o tra­ba­lho, de­pen­de de coi­sas que co­meu”, acres­cen­ta.

Avi­ram lim­pou o pó de até três Pi­cas­sos de gran­des di­men­sões com a sua pró­pria sa­li­va, uma ta­re­fa que le­vou me­ses ca­da um, afir­ma.

A ar­tis­ta ca­li­for­ni­a­na Ni­na Kat­cha­dou­ri­an re­ce­beu a in­cum­bên­cia de re­a­li­zar um áu­dio guia so­bre o mu­seu cen­tra­do na con­ser­va­ção das obras e lo­go após deu con­ta que fa­la­ria so­bre um ele­men­to cen­tral: o pó.

“In­te­res­sou-me o pó em mui­tas fa­ce­tas, co­mo ele­men­to que en­tra de fo­ra no mu­seu, co­mo re­sul­ta­do das 12 mil pes­so­as que o vi­si­tam di­a­ri­a­men­te e o fac­to de que no fi­nal to­dos nos re­du­zi­mos a pó”, ex­pli­ca.

Ao lon­go de vá­ri­os me­ses, a ar­tis­ta mul­ti­dis­ci­pli­nar te­ve um pas­se sem res­tri­ções a to­das as áre­as do mu­seu e reu­niu-se, além de ar­tis­tas e es­pe­ci­a­lis­tas, tam­bém com en­car­re­ga­dos da ma­nu­ten­ção e lim­pe­za do edi­fí­cio.

To­dos eles tra­ba­lham pa­ra que não se ve­jam afec­ta­das obras tão im­por­tan­tes pa­ra o pa­tri­mó­nio ar­tís­ti­co mun­di­al co­mo “A noi­te es­tre­la­da”, de Vin­cent Van Gogh; “A per­sis­tên­cia da me­mó­ria”, de Sal­va­dor Da­lí; “As Don­ze­las de Avig­non”, de Pa­blo Pi­cas­so, ou “As la­tas de so­pa Camp­bell”, de Andy Warhol.

“O im­por­tan­te é man­ter-se uma tem­pe­ra­tu­re de 70 graus Fa­re­nheit (21,1 graus cen­tí­gra­dos) e 50 por cen­to de hu­mi­da­de re­la­ti­va”, con­ta Nel­son Ni­e­vas, um dos en­car­re­ga­dos de ma­nu­ten­ção do edi­fí­cio, que re­ve­la que exis­te um ge­ra­dor eléc­tri­co pa­ra emer­gên­ci­as e um pla­no de ur­gên­cia ca­so se­ja ne­ces­sá­rio reu­nir to­das as obras nu­ma sa­la on­de a tem­pe­ra­tu­ra e con­di­ções con­ser­va­ri­am sem pro­ble­mas du­ran­te di­as as pe­ças.

O mu­seu não pou­pa em con­du­to­res de ar e ou­tros ins­tru­men­tos pa­ra man­ter na tem­pe­ra­tu­ra ade­qua­da um enor­me edi­fí­cio de seis an­da­res com vá­ri­os aces­sos à rua, ao ter­ra­ço e com dois ca­fés.

Por to­das es­sas saí­das pa­ra o ex­te­ri­or en­tra o pó, as­sim co­mo ou­tras su­jei­ras, es­pe­ci­al­men­te atra­vés dos vi­si­tan­tes que a ca­da dia cru­zam as su­as por­tas.

A ar­qui­tec­tu­ra pró­pria do edi­fi­co prin­ci­pal do Mo­ma, na Quin­ta Ave­ni­da com a rua 53, em Ma­nhat­tan, faz com que o pó su­ba pa­ra um “efei­to cha­mi­né”, ex­pli­ca o di­rec­tor de ope­ra­ções no edi­fí­cio, Ju­lio Váz­quez.

A pe­ça mais com­pli­ca­da de lim­par do mu­seu es­tá, pre­ci­sa­men­te, nas al­tu­ras.

Tra­ta-se de um he­li­cóp­te­ro Bell 47 D1 de 1945 da co­lec­ção per­ma­nen­te do Mo­ma e que es­tá pen­du­ra­do no tec­to, o que obri­ga a uti­li­zar qua­tro ve­zes por ano um gran­de ele­va­dor, vá­ri­os bra­ços ex­ten­sí­veis e to­ne­la­das de pa­ci­ên­cia.

A ob­ses­são por evi­tar que o pó se acu­mu­le no mu­seu é tão gran­de que pro­li­fe­ram en­tre os em­pre­ga­dos vá­ri­as brin­ca­dei­ras in­ter­nas.

El­len Mo­ody, uma das con­ser­va­do­ras, fez um co­e­lho com nós for­ma­dos por par­tí­cu­las de pó re­co­lhi­das e co­lo­cou-lhe um la­ço mes­mo an­tes de “pre­sen­teá-lo” aos seus com­pa­nhei­ros co­mo lem­bran­ça e ho­me­na­gem ao tra­ba­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.