Pre­si­den­te ad­mi­te con­vo­car no­vo re­fe­ren­do

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Pre­si­den­te da Colômbia ad­mi­tiu, on­tem, con­vo­car ou­tro re­fe­ren­do, por­que um no­vo acor­do com os re­bel­des das FARC “não po­de ser des­car­ta­do” e re­co­nhe­ceu que não con­ta­va com a der­ro­ta na con­sul­ta po­pu­lar de 2 de Ou­tu­bro.

“É uma das al­ter­na­ti­vas que eu te­nho à mi­nha dis­po­si­ção”, dis­se Ju­an Ma­nu­el San­tos nu­ma en­tre­vis­ta à agên­cia EFE, em Bo­go­tá, quan­do ques­ti­o­na­do se pen­sa­va re­a­li­zar um no­vo ple­bis­ci­to. O Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no acres­cen­tou que o país es­tá “a de­sen­vol­ver um no­vo acor­do” e quan­do es­ti­ver pron­to tem “vá­ri­as op­ções” pa­ra o apoi­ar.

“O pró­prio Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal des­co­briu que po­dia, sem per­mis­são do Con­gres­so con­vo­car um no­vo ple­bis­ci­to”, dis­se, acres­cen­tan­do que os que vo­ta­ram “não”, im­pos­to na con­sul­ta an­te­ri­or, “não que­rem”, por­que sa­bem que o ter­ra­mo­to po­lí­ti­co cau­sa­do pe­la re­jei­ção do acor­do de paz mu­dou as coi­sas”, su­bli­nhou. Ju­an Ma­nu­el San­tos dis­se, po­rém, que, co­mo Che­fe de Es­ta­do, de­ve “es­co­lher o ca­mi­nho que me­nos di­vi­da o país na ho­ra de re­fe­ren­dar um no­vo acor­do, por­que o país de­ve, an­tes, unir-se, pro­cu­rar a paz e a união.”

O Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no dis­se tam­bém que um no­vo acor­do de paz en­tre o Go­ver­no e a guer­ri­lha das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colômbia (FARC) de­ve fi­car con­cluí­do an­tes do fi­nal de No­vem­bro.

“Nós rei­ni­ciá­mos um processo que de­ve ter­mi­nar em bre­ve, nas pró­xi­mas se­ma­nas e não me­ses, pa­ra im­ple­men­tar a paz o mais rá­pi­do pos­sí­vel”, dis­se o pre­si­den­te, re­fe­rin­do-se ao apoio que re­ce­beu da comunidade in­ter­na­ci­o­nal, es­pe­ci­al­men­te da­que­les que par­ti­ci­pam na XXV ci­mei­ra Ibe­ro-ame­ri­ca­na, que de­cor­re em Car­ta­ge­na das Ín­di­as, Colômbia.

Quan­do ques­ti­o­na­do se no pró­xi­mo dia 10 de De­zem­bro, quan­do re­ce­ber em Os­lo o Pré­mio No­bel da Paz, vai anun­ci­ar ao mun­do o no­vo acor­do, o Pre­si­den­te re­cu­sou avan­çar da­tas, mas dis­se que “po­de ser mais ce­do.”

“Es­pe­ro que es­te no­vo acor­do, pe­lo me­nos, es­te­ja em ci­ma da me­sa até es­sa da­ta, pois im­ple­men­tá-lo vai exi­gir um pou­co mais de tem­po, mais o tex­to e um no­vo acor­do. O ob­jec­ti­vo é que es­te­jam pron­tos an­tes do fi­nal de No­vem­bro”, re­fe­riu.

O Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no dis­se tam­bém que acre­di­ta na rá­pi­da li­ber­ta­ção do ex-con­gres­sis­ta Odín San­chez, re­fém do Exer­ci­to de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal.

Após o diá­lo­go com as FARC, se es­pe­ra um no­vo am­bi­en­te ne­go­ci­al en­tre as au­to­ri­da­des e os guer­ri­lhei­ros do Exér­ci­to de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal (ELN), cu­jos con­tac­tos es­tão con­di­ci­o­na­dos pe­la si­tu­a­ção em que se en­con­tra Odín San­chez.

Ju­an Ma­nu­el San­tos, que es­pe­ra que Odín San­chez, rap­ta­do no prin­cí­pio do ano, se­ja li­ber­ta­do “são e sal­vo”, sus­pen­deu na quin­ta-fei­ra a des­lo­ca­ção a Qui­to, Equa­dor, da equi­pa de ne­go­ci­a­do­res co­lom­bi­a­nos que ti­nha co­mo mis­são pre­pa­rar os pri­mei­ros en­con­tros com os guer­ri­lhei­ros do ELN.

Uma co­mis­são da As­sem­bleia Ge­ral da ONU vo­tou, na quin­ta­fei­ra, pe­lo lan­ça­men­to de ne­go­ci­a­ções pa­ra um tra­ta­do des­ti­na­do a ba­nir as ar­mas nu­cle­a­res, ape­sar da for­te opo­si­ção das po­tên­ci­as nu­cle­a­res mun­di­ais.

Uma re­so­lu­ção apre­sen­ta­da pe­la Aus­trá­lia, Ir­lan­da, Mé­xi­co, Ni­gé­ria, Áfri­ca do Sul e Bra­sil foi adop­ta­da com 123 vo­tos, con­tra 38 e 16 abs­ten­ções, de­pois de se­ma­nas de 'lobbying' das po­tên­ci­as nu­cle­a­res por vo­tos “não.” A ini­ci­a­ti­va pre­vê ne­go­ci­a­ções, a par­tir de Mar­ço, so­bre o no­vo tra­ta­do, sob uma gran­de pre­o­cu­pa­ção fa­ce às con­sequên­ci­as de uma “ca­tás­tro­fe hu­ma­ni­tá­ria pro­vo­ca­da por qual­quer uti­li­za­ção de ar­mas nu­cle­a­res.”

Qua­tro das cin­co po­tên­ci­as nu­cle­a­res do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça In­gla­ter­ra, Fran­ça, Rús­sia e Estados Unidos - vo­ta­ram con­tra a re­so­lu­ção, en­quan­to a Chi­na se abs­te­ve, bem co­mo a Ín­dia e o Pa­quis­tão. O Ja­pão, que tem gran­des cam­pa­nhas con­tra o uso de ar­mas nu­cle­a­res, vo­tou con­tra a me­di­da, tal co­mo a Co­reia do Sul, que en­fren­ta a ame­a­ça nu­cle­ar da Co­reia do Nor­te.

Os opo­si­to­res ar­gu­men­tam que o de­sar­ma­men­to nu­cle­ar de­ve ser al­can­ça­do em ne­go­ci­a­ções no âm­bi­to do Tra­ta­do de Não Pro­li­fe­ra­ção Nu­cle­ar (NPT).

Be­a­tri­ce Fihn, di­rec­to­ra exe­cu­ti­va da Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra Abo­lir Ar­mas Nu­cle­a­res, des­cre­veu o vo­to co­mo um “mo­men­to his­tó­ri­co” na lon­ga ca­mi­nha­da de dé­ca­das por um mun­do li­vre de ar­se­nais nu­cle­a­res. “Es­te tra­ta­do não vai eli­mi­nar as ar­mas nu­cle­a­res de uma vez. Mas vai es­ta­be­le­cer um po­de­ro­so no­vo pa­drão le­gal in­ter­na­ci­o­nal, es­tig­ma­ti­zan­do as ar­mas nu­cle­a­res e com­pe­lin­do as na­ções a ac­tu­a­rem ur­gen­te­men­te no de­sar­ma­men­to”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.