Tro­cas co­mer­ci­ais ca­em nos pri­mei­ros oi­to me­ses

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

As tro­cas co­mer­ci­ais en­tre An­go­la e a Chi­na caí­ram 28,34 por cen­to pa­ra 10,19 mil mi­lhões de dó­la­res, nos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano, in­di­cam da­dos dos Ser­vi­ços da Al­fân­de­ga do país asiá­ti­co, di­vul­ga­dos re­cen­te­men­te no Fó­rum pa­ra a Co­o­pe­ra­ção Eco­nó­mi­ca e Co­mer­ci­al en­tre os Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (Fó­rum de Ma­cau).

Os chi­ne­ses ex­por­ta­ram pa­ra An­go­la pro­du­tos ava­li­a­dos em 10,60 mil mi­lhões de dó­la­res (me­nos 60,27 por cen­to), fa­ce aos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano pas­sa­do, e im­por­ta­ram pro­du­tos no va­lor de 9,13 mil mi­lhões de dó­la­res (me­nos 20,96 por cen­to). Com o uni­ver­so dos paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa, on­de An­go­la ocu­pa o se­gun­do lu­gar nas tran­sac­ções com o gi­gan­te asiá­ti­co, as tro­cas caí­ram 11,22 por cen­to nos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano, fa­ce ao pe­río­do ho­mó­lo­go de 2015.

As es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais re­ve­lam que o co­mér­cio en­tre a Chi­na e os paí­ses lu­só­fo­nos, nos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano, atin­giu os 60,23 mil mi­lhões de dó­la­res.

O “gi­gan­te asiá­ti­co” im­por­tou dos paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa pro­du­tos no va­lor de 41,68 mil mi­lhões de dó­la­res (me­nos 0,74 por cen­to) e ex­por­tou bens ava­li­a­dos em 18,54 mil mi­lhões de dó­la­res (me­nos 28,24 por cen­to), fa­ce aos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano pas­sa­do. O Bra­sil man­te­ve-se co­mo o prin­ci­pal par­cei­ro eco­nó­mi­co da Chi­na, com tro­cas co­mer­ci­ais de 45,16 mil mi­lhões de dó­la­res, me­nos 7,69 por cen­to que no pe­río­do ho­mó­lo­go de 2015. As ex­por­ta­ções da Chi­na pa­ra o Bra­sil atin­gi­ram 13,85 mil mi­lhões de dó­la­res (me­nos 30,14 por cen­to), en­quan­to as im­por­ta­ções chi­ne­sas to­ta­li­za­ram 31,30 mil mi­lhões de dó­la­res (mais 7,62 por cen­to). Nos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano, o co­mér­cio en­tre a Chi­na e Por­tu­gal re­pre­sen­tou 3,57 mil mi­lhões de dó­la­res (mais 19,19 por cen­to). A Chi­na ex­por­tou pa­ra Por­tu­gal bens no va­lor de 2,61 mil mi­lhões de dó­la­res (mais 32,91 por cen­to) e im­por­tou pro­du­tos ava­li­a­dos em 966 mi­lhões de dó­la­res (me­nos 6,78 por cen­to).

As tro­cas co­mer­ci­ais en­tre a Chi­na e Mo­çam­bi­que atin­gi­ram 1,14 mil mi­lhões de dó­la­res, uma que­da de 27,26 por cen­to em re­la­ção aos pri­mei­ros oi­to me­ses de 2015, com as ex­por­ta­ções e as im­por­ta­ções a caí­rem res­pec­ti­va­men­te 32,23 por cen­to e cin­co por cen­to.

Os da­dos dos Ser­vi­ços da Al­fân­de­ga da Chi­na in­clu­em ain­da as tro­cas co­mer­ci­ais da Chi­na com Ca­bo Ver­de, Gui­né-Bis­sau, Ti­mor-Les­te e São To­mé e Prín­ci­pe, ape­sar de es­te úl­ti­mo não ser mem­bro do Fó­rum de Ma­cau, por pos­suir re­la­ções di­plo­má­ti­cas com Taiwan. Des­te gru­po ape­nas a Gui­né-Bis­sau re­gis­tou uma que­da de 48,43 por cen­to nas tro­cas co­mer­ci­ais, nos pri­mei­ros oi­to me­ses do ano em cur­so.

A clas­se em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal e, par­ti­cu­lar­men­te, do Zai­re, po­de apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­de de ne­gó­ci­os pro­por­ci­o­na­das pe­lo Ae­ro­por­to Co­man­dan­te Ndo­zi, do Soyo, no sen­ti­do de ren­ta­bi­li­zar os seus in­ves­ti­men­tos e con­tri­buir pa­ra o processo da di­ver­si­fi­ca­ção da economia em cur­so.

A opinião foi for­mu­la­da du­ran­te um en­con­tro pro­mo­vi­do pe­la Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Ex­plo­ra­ção de Ae­ro­por­tos e Na­ve­ga­ção Aé­rea (ENANA-EP), no an­fi­te­a­tro da Me­di­a­te­ca da ci­da­de do Soyo, sob o le­ma “ENANA-EP cri­an­do par­ce­ri­as pa­ra no­vas opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os nos Ae­ro­por­tos”.

O di­rec­tor-ad­jun­to pa­ra ne­gó­ci­os ex­tra-avi­a­ção da di­rec­ção de ges­tão co­mer­ci­al, Do­min­gos Sá da Sil­va, que apre­sen­tou as re­fe­ri­das opor­tu­ni­da­des aos em­pre­sá­ri­os, re­fe­riu que a ren­ta­bi­li­za­ção dos in­ves­ti­men­tos pas­sa por ocu­par os es­pa­ços co­mer­ci­ais dis­po­ní­veis no ae­ro­por­to pa­ra pu­bli­ci­tar os seus pro­du­tos, pres­ta­ção de ser­vi­ços de res­tau­ra­ção, far­ma­cêu­ti­cos, ca­sas de câm­bio, sa­lões de be­le­za, “cy­ber­ca­fés”, pro­jec­tos imo­bi­liá­ri­os, par­ques de di­ver­são e mui­to mais.

“Os em­pre­sá­ri­os de­vem pro­cu­rar ne­gó­ci­os a re­ta­lho que con­sis­tem em bus­car es­cri­tó­ri­os no ae­ro­por­to lo­cal pa­ra os ban­cos e ATM, ser­vi­ços de res­tau­ra­ção, snack-bar, li­vra­ri­as, per­fu­ma­ri­as, bou­ti­ques e ou­tros ser­vi­ços ne­ces­sá­ri­os pa­ra ren­ta­bi­li­zar o seu ne­gó­cio”, acon­se­lhou.

Do­min­gos Sá da Sil­va acon­se­lhou tam­bém os pre­sen­tes a ve­rem o ae­ro­por­to co­mo um pó­lo de atrac­ção de ne­gó­ci­os, por cons­ti­tuir a por­ta de en­tra­da prin­ci­pal do Soyo de mui­ta gen­te, co­mo po­ten­ci­ais con­su­mi­do­res dos pro­du­tos a ex­por jun­to do es­pa­ço de ges­tão ae­ro­por­tuá­ria.

“Os em­pre­sá­ri­os de­vem pro­cu­rar di­vul­gar os seus ne­gó­ci­os e pro­du­tos nos ae­ro­por­tos, on­de a ENANA dis­põe de es­pa­ços su­fi­ci­en­tes pa­ra o efei­to e con­se­quen­te co­mer­ci­a­li­za­ção. Ho­je, o ne­gó­cio tam­bém é ci­ên­cia, ga­nha mais quem in­ves­te na pu­bli­ci­da­de e na ex­po­si­ção dos seus pro­du­tos em lo­cais es­tra­té­gi­cos do es­pa­ço ae­ro­por­tuá­rio”, acres­cen­tou.

“O pas­sa­gei­ro, ao che­gar de uma vi­a­gem, atra­vés da pu­bli­ci­da­de, ob­tém in­for­ma­ção de for­ma au­to­má­ti­ca, co­mo on­de en­con­trar um ho­tel, uma pen­são, um res­tau­ran­te, um snack-bar, ser­vi­ços de tá­xi per­so­na­li­za­dos, um ban­co, um re­sort. As­sim es­ta­ri­am a ven­der os seus pro­du­tos”, elu­ci­dou.

Pe­que­nas ac­ções, se­gun­do Do­min­gos Sá da Sil­va, po­dem di­tar o cres­ci­men­to de um ne­gó­cio, quan­do o em­pre­sá­rio sou­ber apro­vei­tar as inú­me­ras opor­tu­ni­da­des que o Ae­ro­por­to Co­man­dan­te Ndo­zi ofe­re­ce.

“A tí­tu­lo de exem­plo, o ae­ro­por­to do Soyo dis­põe de es­pa­ços ad­ja­cen­tes li­vres on­de po­dem ser cons­truí­dos um ho­tel ou uma pen­são, um par­que de es­ta­ci­o­na­men­to sub­ter­râ­neo, bem co­mo um lo­cal pa­ra ex­po­si­ção ar­te­sa­nal”, ex­pli­cou. Por seu tur­no, o vi­ce-go­ver­na­dor do Zai­re pa­ra a área Política e So­ci­al, Ro­gé­rio Edu­ar­do Za­bi­la, re­co­nhe­ceu que as ini­ci­a­ti­vas dos em­pre­sá­ri­os con­tri­bu­em pa­ra o en­gran­de­ci­men­to da economia na­ci­o­nal.

“O de­sen­vol­vi­men­to só­cio-eco­nó­mi­co não é uma ta­re­fa ex­clu­si­va do Exe­cu­ti­vo ou dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais, mas de to­dos os ci­da­dãos, pe­lo que a clas­se em­pre­sa­ri­al tem aqui opor­tu­ni­da­des pa­ra ma­xi­mi­zar os seus ne­gó­ci­os e as­sim cri­ar no­vos pos­tos de tra­ba­lho pa­ra a ju­ven­tu­de, uma vez que a Cons­ti­tui­ção con­sa­gra a li­vre ini­ci­a­ti­va eco­nó­mi­ca. O Es­ta­do apa­re­ce co­mo re­gu­la­dor e co­or­de­na­dor do de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, vi­san­do a re­du­ção das as­si­me­tri­as re­gi­o­nais, bem co­mo as de­si­gual­da­des so­ci­ais en­tre os an­go­la­nos”, fri­sou.

A ENANA-EP pro­mo­veu en­con­tros do gé­ne­ro nas pro­vín­ci­as do Na­mi­be, Cu­ne­ne, Cu­an­do Cu­ban­go, Huí­la e Lun­da Sul.

SAMI MA­NU­EL

Es­pa­ços ae­ro­por­tuá­ri­os ga­ran­tem lu­cros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.