Go­ver­no me­lho­ra re­la­ção com jor­na­lis­tas

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JOÃO UPALE |

A co­mu­ni­ca­ção institucional a ní­vel das es­tru­tu­ras do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Na­mi­be jun­to dos ór­gãos de im­pren­sa e de ou­tras or­ga­ni­za­ções vai ga­nhar ou­tra di­nâ­mi­ca, nos pró­xi­mos tem­pos, na sequên­cia de uma for­ma­ção so­bre a ma­té­ria di­ri­gi­da a di­ri­gen­tes lo­cais , in­for­mou on­tem o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção Institucional e Im­pren­sa do Go­ver­no Pro­vin­ci­al.

No se­mi­ná­rio so­bre “A Co­mu­ni­ca­ção Institucional”, pro­mo­vi­do pe­lo Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção Institucional e Im­pren­sa do Go­ver­no Pro­vin­ci­al, os par­ti­ci­pan­tes to­ma­ram co­nhe­ci­men­to da im­por­tân­cia des­ta fer­ra­men­ta no cui­da­do da ima­gem de uma ins­ti­tui­ção.

Ale­xan­dre Niyú­ka, que dis­ser­tou o te­ma “Ges­tão da Co­mu­ni­ca­ção Institucional - Co­mu­ni­ca­ção em Si­tu­a­ção de Cri­se”, re­fe­riu que é atra­vés da co­mu­ni­ca­ção que a ins­ti­tui­ção mos­tra a sua fi­lo­so­fia de tra­ba­lho ao pú­bli­co. “O pla­no de co­mu­ni­ca­ção é um ins­tru­men­to que ser­ve de guia pa­ra a in­for­ma­ção que se pre­ten­de pas­sar ao pú­bli­co-al­vo dos ser­vi­ços da ins­ti­tui­ção, com vis­ta a pre­ser­va­ção do seu bom-no­me.”

Ale­xan­dre Niyú­ka dis­se que o pla­no de co­mu­ni­ca­ção de cri­se vi­sa de­fi­nir es­tra­té­gi­as de in­ter­ven­ção nes­te cam­po pa­ra uma si­tu­a­ção de cri­se que afec­te as es­tru­tu­ras do Go­ver­no, em par­ti­cu­lar o da pro­vín­cia. “As po­ten­ci­ais con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas pa­ra a or­ga­ni­za­ção de­ter­mi­nam que uma si­tu­a­ção de cri­se não de­va ser ne­gli­gen­ci­a­da ou su­ble­va­da, o que jus­ti­fi­ca a adop­ção de me­di­das de pre­ven­ção e pre­pa­ra­ção”, dis­se Ale­xan­dre Niyú­ka, que acres­cen­tou: “A fal­ta de uni­for­mi­za­ção nos pro­ce­di­men­tos das ins­ti­tui­ções pe­ran­te si­tu­a­ções de cri­se pro­vo­ca dis­tin­tas re­ac­ções e va­ri­a­das con­sequên­ci­as.”

Por exem­plo, dis­se Ale­xan­dre Niyú­ka , às ve­zes, quan­do se co­mu­ni­ca mal, che­ga-se a agra­var a si­tu­a­ção da cri­se, o que pro­vo­ca a que­bra da re­la­ção com o pú­bli­co, da con­fi­an­ça nos ser­vi­ços e a per­da de cre­di­bi­li­da­de na ins­ti­tui­ção.

“Na mai­or par­te dos ca­sos, uma cri­se ori­gi­na uma vas­ta co­ber­tu­ra me­diá­ti­ca ne­ga­ti­va, que po­de cau­sar da­nos na re­pu­ta­ção da ins­ti­tui­ção”, ex­pli­cou Ale­xan­dre Niyú­ka, que apon­tou co­mo so­lu­ções a apos­ta na co­mu­ni­ca­ção de for­ma im­pres­cin­dí­vel, “tão-lo­go a cri­se é des­po­le­ta­da e en­quan­to os ser­vi­ços es­pe­ci­a­li­za­dos tra­ba­lham nos as­pec­tos téc­ni­cos a ela di­rec­ta­men­te re­la­ci­o­na­dos, pa­ra man­ter o pú­bli­co in­for­ma­do, evi­tan­do, por con­se­guin­te, es­pe­cu­la­ções so­bre o as­sun­to”.

Re­la­ção com as fon­tes

Ou­tro te­ma, “A Re­la­ção en­tre Fon­tes de In­for­ma­ção e Jor­na­lis­tas”, foi dis­ser­ta­do pe­lo jor­na­lis­ta Vla­di­mir Pra­ta, que des­ta­cou a im­por­tân­cia dos mem­bros do Go­ver­no, en­quan­to fon­tes cre­dí­veis de in­for­ma­ção. O tam­bém di­rec­tor pro­vin­ci­al da em­pre­sa Edi­ções No­vem­bro sa­li­en­tou que as fon­tes de­vem ca­rac­te­ri­zar-se pe­las su­as ha­bi­li­da­des co­mu­ni­ca­ci­o­nais, co­nhe­ci­men­to pro­fun­do da ins­ti­tui­ção, do­mí­nio do as­sun­to so­bre o qual abor­da e a sua po­si­ção den­tro do sis­te­ma so­ci­o­cul­tu­ral.

Vla­di­mir Pra­ta re­fe­riu-se à Lei n.º 7/06, de 15 de Maio, Lei de Im­pren­sa, que es­tá pres­tes a ser re­vo­ga­da, mas man­tém os ar­ti­gos re­fe­ren­tes às fon­tes. “No exer­cí­cio das su­as fun­ções, o jor­na­lis­ta tem a ga­ran­tia da li­ber­da­de de aces­so às fon­tes, mas não é per­mi­ti­do nos pro­ces­sos em se­gre­do de jus­ti­ça e à do­cu­men­ta­ção clas­si­fi­ca­da co­mo sen­do de se­gre­do de Es­ta­do, mi­li­tar e ain­da a que afec­ta a vi­da ín­ti­ma dos ci­da­dãos.” Vla­di­mir Pra­ta afir­mou que um dos re­qui­si­tos mais im­por­tan­tes é sa­ber ge­rir e dar res­pos­tas aos pe­di­dos de in­for­ma­ção e re­fe­riu que is­so não sig­ni­fi­ca guar­dar se­gre­do e cen­su­rar uma in­for­ma­ção de uti­li­da­de pú­bli­ca.

“As fon­tes ofi­ci­ais de­vem de­fi­nir bem uma men­sa­gem, ar­ti­cu­la­da com os melhores cri­té­ri­os de sa­tis­fa­ção dos va­lo­res no­ti­ci­o­sos, de­ter­mi­nar os me­dia mais apro­pri­a­dos, bem co­mo reu­nir o má­xi­mo de in­for­ma­ção útil pos­sí­vel e pre­ver ou neu­tra­li­zar as re­ac­ções dos ad­ver­sá­ri­os”, con­cluiu.

FRANCISCO PUTO

Jor­na­lis­tas du­ran­te uma ac­ção for­ma­ti­va pa­ra me­lhor en­ri­que­ce­rem os seus co­nhe­ci­men­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.