Ins­cri­ção co­me­ça no pri­mei­ro dia de Ja­nei­ro

TRABALHADORES DOMÉSTICOS Em­pre­ga­do­res são os res­pon­sá­veis pe­lo re­gis­to no Ins­ti­tu­to de Se­gu­ran­ça So­ci­al

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - WALTER AN­TÓ­NIO|

O processo de ins­cri­ção dos trabalhadores domésticos no Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al ini­cia, em to­do o país, no dia 1 de Ja­nei­ro, uma res­pon­sa­bi­li­da­de que de­ve ser as­su­mi­da pe­los pa­trões.

A pre­si­den­te do Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da UNTA-Con­fe­de­ra­ção Sin­di­cal, que pres­tou a in­for­ma­ção on­tem ao Jor­nal de An­go­la, dis­se que, no ac­to de ins­cri­ção, o em­pre­ga­dor de­ve apre­sen­tar a Ca­der­ne­ta do Tra­ba­lha­dor Do­més­ti­co, o seu Car­tão de Con­tri­buin­te e o Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, as­sim co­mo o Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co.

Men­sal­men­te, o em­pre­ga­dor é obri­ga­do por lei a de­po­si­tar um va­lor, que cor­res­pon­da a seis por cen­to do sa­lá­rio do em­pre­ga­do, a cu­ja per­cen­ta­gem são acres­cen­ta­dos mais dois por cen­to, re­ti­ra­dos do sa­lá­rio do fun­ci­o­ná­rio.

Ma­ria Fer­nan­da de Carvalho sa­li­en­tou que, pa­ra a con­tri­bui­ção que é des­ti­na­da à se­gu­ran­ça so­ci­al, exis­te uma se­gun­da op­ção, que po­de ser ne­go­ci­a­da en­tre am­bas as par­tes. Em vez de dois por cen­to, po­dem ser re­ti­ra­dos três por cen­to do sa­lá­rio do tra­ba­lha­dor, des­de que ha­ja um en­ten­di­men­to en­tre o pa­trão e o em­pre­ga­do do­més­ti­co.

Com a en­tra­da em vi­gor em Ja­nei­ro do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nú­me­ro 155/16, de 9 de Agos­to, so­bre o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al dos trabalhadores domésticos, pro­mul­ga­do em Se­tem­bro, es­tes pas­sam a ter di­rei­to a fé­ri­as, a oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, à re­for­ma e a sub­sí­di­os de fé­ri­as, de Na­tal e de ma­ter­ni­da­de. Os que vi­vem em ca­sa dos em­pre­ga­do­res, de acor­do com o De­cre­to, pas­sam a tra­ba­lhar ape­nas até dez ho­ras por dia.A pre­si­den­te do Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da mai­or e mais an­ti­ga or­ga­ni­za­ção sin­di­cal em An­go­la lem­brou que a ins­cri­ção dos trabalhadores domésticos no Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al é obri­ga­tó­ria.

Em Lu­an­da, a Ca­der­ne­ta do Tra­ba­lha­dor Do­més­ti­co é ad­qui­ri­da, a par­tir de 1 de Ja­nei­ro, na Im­pren­sa Na­ci­o­nal, in­for­mou a sin­di­ca­lis­ta, que dis­se des­co­nhe­cer o pre­ço pa­ra a aqui­si­ção do do­cu­men­to. Nas res­tan­tes pro­vín­ci­as, não há ain­da lo­cais de ven­da de­fi­ni­dos, mas vão ser in­di­ca­dos em bre­ve.

“A ca­der­ne­ta é um do­cu­men­to que com­pro­va a re­la­ção ju­rí­di­ca e la­bo­ral en­tre o tra­ba­lha­dor e o em­pre­ga­dor e a ins­cri­ção do tra­ba­lha­dor na pro­tec­ção so­ci­al”, sa­li­en­tou a sin­di­ca­lis­ta.Ma­ria Fer­nan­da de Carvalho re­cor­dou que uma cam­pa­nha de di­vul­ga­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al es­tá em cur­so, ten­do si­do já re­a­li­za­da em qua­tro pro­vín­ci­as: Lu­an­da, Ca­bin­da, Huí­la e Huambo. A cam­pa­nha che­ga na pró­xi­ma se­ma­na à pro­vín­cia do Bié.

“Te­mos cons­ci­ên­cia de que, a par­tir de ago­ra, au­men­ta­ram as nos­sas res­pon­sa­bi­li­da­des”, de­cla­rou a sin­di­ca­lis­ta, quan­do da­va ên­fa­se aos vá­ri­os anos de lu­ta pa­ra a re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho do­més­ti­co.

Na sua opinião, a en­tra­da em vi­gor do De­cre­to Pre­si­den­ci­al im­pli­ca o re­for­ço da ac­ção sin­di­cal, daí que “os sin­di­ca­lis­tas de­vem es­tar pre­pa­ra­dos.”A sin­di­ca­lis­ta dis­se es­pe­rar que An­go­la ra­ti­fi­que a Con­ven­ção 189, da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho (OIT), um ins­tru­men­to ju­rí­di­co que dá aos trabalhadores em to­do o mun­do os mes­mos di­rei­tos, in­cluin­do os li­ga­dos à pro­tec­ção so­ci­al.

So­bre o as­sun­to, o Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da UNTA es­tá em con­tac­to per­ma­nen­te com o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al.

“Es­ta­mos à es­pe­ra que An­go­la ra­ti­fi­que a Con­ven­ção 189”, de­cla­rou Ma­ria Fer­nan­da de Carvalho, acres­cen­tan­do te­rem si­do já fei­tos me­mo­ran­dos pa­ra o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, co­mo en­ti­da­de que re­gu­la as po­lí­ti­cas de em­pre­go, a fim de o Con­se­lho de Mi­nis­tros apre­ci­ar o do­cu­men­to pa­ra ser pos­te­ri­or­men­te ra­ti­fi­ca­do pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

DOMBELE BERNARDO

Mo­vi­men­to sin­di­cal diz ser uma vi­tó­ria o di­rei­to con­quis­ta­do pe­los trabalhadores domésticos

DOMBELE BERNARDO

Sin­di­ca­lis­ta Ma­ria Fer­nan­da de Carvalho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.