An­go­la­nos pro­cla­mam as­so­ci­a­ção

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Uma or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal an­go­la­na de solidariedade e pro­mo­ção cul­tu­ral, de­no­mi­na­da Or­ga­ni­za­ção da Co­o­pe­ra­ção e Apoio Mú­tuo (Ocapm), é pro­cla­ma­da ho­je na ci­da­de de Lis­boa, Por­tu­gal.

A as­so­ci­a­ção tem por ob­jec­ti­vo in­cen­ti­var e con­so­li­dar a ami­za­de, a solidariedade e o apoio en­tre os an­go­la­nos, ami­gos e sim­pa­ti­zan­tes de An­go­la, as­sim co­mo pro­mo­ver a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e aca­dé­mi­ca.

A as­so­ci­a­ção vai de­sen­vol­ver ain­da pro­jec­tos so­ci­ais pa­ra a pro­mo­ção do bem-es­tar, me­lhor in­te­gra­ção da comunidade an­go­la­na e pres­tar apoio mul­ti­for­me e mo­ral aos do­en­tes, es­tu­dan­tes an­go­la­nos e a ou­tros ne­ces­si­ta­dos.

O pre­si­den­te da me­sa da As­sem­bleia Ge­ral dis­se à An­gop em Lis­boa que a as­so­ci­a­ção tem co­mo le­ma “Cons­truin­do pon­tes, unin­do pes­so­as”, cu­ja di­vi­sa es­pe­lha a ne­ces­si­da­de da pre­ser­va­ção da paz con­quis­ta­da pe­los an­go­la­nos, da união, ami­za­de, co­o­pe­ra­ção e har­mo­nia en­tre os an­go­la­nos na diás­po­ra.

Mi­guel Ki­as­se­ko­ka dis­se que a Ocapm vai cons­truir pon­tes, sem dis­cri­mi­na­ção, pa­ra to­dos os que qui­se­rem unir os seus es­for­ços em prol do bem-es­tar dos an­go­la­nos.

A mai­o­ria dos aci­den­tes de vi­a­ção ocor­ri­dos des­de Ja­nei­ro na pro­vín­cia do Zai­re foi pro­vo­ca­da por mo­to­ta­xis­tas, res­pon­sá­veis por 127 dos 191 aci­den­tes re­gis­ta­dos pe­lo Co­man­do Pro­vin­ci­al da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

A in­for­ma­ção foi di­vul­ga­da quin­ta-fei­ra pe­lo Co­man­do do Zai­re da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, du­ran­te um en­con­tro que man­te­ve com mo­to­ta­xis­tas, co­nhe­ci­dos na­que­la pro­vín­cia tam­bém por “tu­ku-tu­ku” e “ntua-mbu­an­zi”, que ser­viu pa­ra os in­cen­ti­var a cum­pri­rem à le­tra as nor­mas do Có­di­go de Es­tra­da.

Os aci­den­tes de vi­a­ção re­gis­ta­dos des­de Ja­nei­ro pro­vo­ca­ram a mor­te a 68 pes­so­as e fe­ri­men­to a 167, um ba­lan­ço que deu ori­gem à re­a­li­za­ção do en­con­tro, as­sis­ti­do pe­lo go­ver­na­dor Jo­sé Jo­a­nes An­dré, por au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e por mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil.O co­mis­sá­rio Ma­nu­el Gou­veia de­cla­rou que o go­ver­no pro­vin­ci­al es­tá pre­o­cu­pa­do com o au­men­to do nú­me­ro de aci­den­tes, daí que a Po­lí­cia Na­ci­o­nal pre­ci­sa da co­la­bo­ra­ção da so­ci­e­da­de pa­ra in­ver­ter o qua­dro. Ngui­na­mau An­dré, um mo­to­ta­xis­ta, re­co­nhe­ceu que mui­tos de­les des­co­nhe­cem as nor­mas de trân­si­to, por apren­de­rem a con­du­zir em dois di­as, mas tam­bém re­cla­mou dos maus tra­tos de que têm si­do ví­ti­mas por agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Uma das jus­ti­fi­ca­ções dos jo­vens pre­sen­tes na reu­nião pa­ra o au­men­to diá­rio de mo­to­ta­xis­tas em Mban­za Con­go, por exem­plo, tem a ver com a fal­ta de opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, um pro­ble­ma que, se­gun­do o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, po­de vir a re­sol­vi­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to de uma cen­tral eléc­tri­ca, que vai fa­ci­li­tar a ins­ta­la­ção de in­dús­tri­as fa­bris.

MIQUEAS MACHANGONGO

Um ser­vi­ço de tá­xi ago­ra mui­to pro­cu­ra­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.