Tra­ta­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio au­men­ta qua­li­da­de de vi­da

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) di­vul­gou na quin­ta-fei­ra um ba­lan­ço de um no­vo tra­ta­men­to pa­ra pa­ci­en­tes com hepatite C, que tem um ín­di­ce de cu­ra de 95 por cen­to.

Des­de que foi in­tro­du­zi­da, há dois anos, a com­bi­na­ção dos me­di­ca­men­tos so­fos­bu­vir e da­cla­tas­vir be­ne­fi­ci­ou um mi­lhão de pa­ci­en­tes em paí­ses de bai­xo e mé­dio ren­di­men­tos.

A com­bi­na­ção dos me­di­ca­men­tos tem ín­di­ce de cu­ra de 95 por cen­to em até três me­ses e cau­sa me­nos efei­tos co­la­te­rais. Ape­sar de ser mui­to ca­ro, vá­ri­as es­tra­té­gi­as da OMS e par­cei­ros per­mi­ti­ram que o tra­ta­men­to fos­se aces­sí­vel a pa­ci­en­tes da Ar­gen­ti­na, Bra­sil, Egip­to, In­do­né­sia, Mar­ro­cos, Ni­gé­ria, Ru­an­da e ou­tros paí­ses.

Acor­dos de li­cen­ci­a­men­to, pro­du­ção lo­cal e ne­go­ci­a­ção de pre­ços fo­ram al­gu­mas das ac­ções. O re­la­tó­rio da OMS mos­tra co­mo a von­ta­de política e ne­go­ci­a­ções do ti­po aju­dam a com­ba­ter a hepatite C, do­en­ça que ma­ta 700 mil pes­so­as por ano.No Egip­to, por exem­plo, o cus­to do tra­ta­men­to pa­ra três me­ses caiu de 900 dó­la­res, em 2014, pa­ra me­nos de 200, em 2016. Mas nou­tros paí­ses, o va­lor é mui­to mai­or. Por exem­plo, o so­fos­bu­vir e o da­cla­tas­vir su­fi­ci­en­tes pa­ra três me­ses cus­tam qua­se oi­to mil dó­la­res na Ro­mé­nia.

A agên­cia es­pe­ci­a­li­za­da da ONU acre­di­ta que a di­vul­ga­ção de um re­la­tó­rio so­bre aces­so, pre­ços e pa­ten­tes de me­di­ca­men­tos pa­ra hepatite C vai aju­dar a cri­ar mais trans­pa­rên­cia de mer­ca­do e, con­se­quen­te­men­te, mais aces­so ao tra­ta­men­to con­si­de­ra­do pe­la OMS co­mo re­vo­lu­ci­o­ná­rio.

JAIMAGEM

Mar­ga­ret Chan é a di­rec­to­ra-ge­ral da OMS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.