Cul­tu­ra es­ta­be­le­ce re­gras

RE­A­LI­ZA­ÇÃO DE ESPECTÁCULOS

Jornal de Angola - - CULTURA -

O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra (Min­cult) ape­lou, em Lu­an­da, aos pro­mo­to­res de even­tos, no sen­ti­do de cum­pri­rem com as re­gras so­bre ac­ti­vi­da­de de espectáculos e di­ver­ti­men­tos pú­bli­cos.

O Min­cult, em co­mu­ni­ca­do, re­fe­re que o sec­tor cons­ta­ta, com sa­tis­fa­ção, o in­cre­men­to de ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais e ar­tís­ti­cas no país, em par­ti­cu­lar na pro­vín­cia de Lu­an­da, ape­sar das ac­tu­ais di­fi­cul­da­des exis­ten­tes na clas­se ar­tís­ti­ca.

Por es­sa ra­zão, res­sal­ta o do­cu­men­to, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra en­co­ra­ja a con­ti­nui­da­de des­ses even­tos en­vol­ven­do ar­tis­tas de to­das as ge­ra­ções e rei­te­ra o apoio institucional às ini­ci­a­ti­vas pro­mo­vi­das por en­ti­da­des pri­va­das in­se­ri­das na im­ple­men­ta­ção da política cul­tu­ral da Re­pú­bli­ca de An­go­la.

“Nes­te sen­ti­do, e pa­ra sus­ten­tar a con­ti­nui­da­de de tais even­tos, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra vem in­for­mar aos ci­da­dãos, pro­mo­to­res cul­tu­rais e de­mais en­ti­da­des in­te­res­sa­das que a ac­ti­vi­da­de de espectáculos e di­ver­ti­men­tos pú­bli­cos es­tá re­gu­la­da no or­de­na­men­to ju­rí­di­co na­ci­o­nal pe­lo De­cre­to Pre­si­den­ci­al 111/11, de 31 de Maio”, lem­bra.

A no­ta acres­cen­ta que, o re­fe­ri­do di­plo­ma le­gal, que po­de ser ob­ti­do nas di­rec­ções pro­vin­ci­ais da Cul­tu­ra, além da pá­gi­na web do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, de­ter­mi­na que to­dos os agen­tes cul­tu­rais de­vem re­gis­tar-se nos ór­gãos com­pe­ten­tes da Ad­mi­nis­tra­ção Lo­cal do Es­ta­do.

Sa­li­en­ta ain­da que, as di­rec­ções pro­vin­ci­ais da Cul­tu­ra são exor­ta­das no sen­ti­do de con­fe­rir ce­le­ri­da­de ao processo de re­gis­to e au­men­tar a di­vul­ga­ção da re­fe­ri­da le­gis­la­ção jun­to dos ci­da­dãos e, em par­ti­cu­lar, dos pro­mo­to­res e as­so­ci­a­ções cul­tu­rais.

O mi­nis­té­rio adi­an­ta ain­da que, re­la­ti­va­men­te aos es­pa­ços cul­tu­rais em cons­tru­ção, o De­cre­to Pre­si­den­ci­al exi­ge a apro­va­ção do pro­jec­to e a vis­to­ria das en­ti­da­des com­pe­ten­tes, de­ven­do ser sal­va­guar­da­do o iso­la­men­to so­no­ro dos lo­cais. Po­rém, acres­ce, os re­cin­tos já em fun­ci­o­na­men­tos de­vem ser li­cen­ci­a­dos e ob­jec­to de vis­to­ria pe­lo Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros, en­tre ou­tras en­ti­da­des de mo­do a ga­ran­tir a se­gu­ran­ça dos es­pec­ta­do­res.

O de­cre­to avan­ça que, pa­ra o efei­to, os ar­tis­tas tan­to na­ci­o­nais qu­an­to es­tran­gei­ros são aler­ta­dos so­bre a ne­ces­si­da­de de ce­le­brar con­tra­tos de espectáculos, ape­nas com pro­mo­to­res cul­tu­rais re­gis­ta­dos, que são vá­li­dos após vis­to da Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Di­rei­tos de Au­tor e Co­ne­xos, obe­de­cen­do as re­gras pre­vis­tas pe­lo di­plo­ma.

“A ac­ti­vi­da­de de espectáculos e di­ver­ti­men­tos pú­bli­cos abran­ge os even­tos de to­das as dis­ci­pli­nas das ar­tes, des­de a li­te­ra­tu­ra, te­a­tro, mú­si­ca, dan­ça, ci­ne­ma e au­di­o­vi­su­al, in­cluin­do fei­ras, quer­mes­ses, e fes­ti­vi­da­des tra­di­ci­o­nais. A re­a­li­za­ção des­tas ac­ti­vi­da­des de­ve ser vi­sa­da pe­la Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra, da cir­cuns­cri­ção ad­mi­nis­tra­ti­va, de­ven­do ser afi­xa­da a clas­si­fi­ca­ção etá­ria dos even­tos”, ad­ver­te o do­cu­men­to . A fis­ca­li­za­ção e se­gu­ran­ça dos even­tos de espectáculos e di­ver­ti­men­tos pú­bli­cos com­pe­te ao pro­mo­tor, à Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra e sem­pre que so­li­ci­ta­dos às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais, ao Ser­vi­ço de Emer­gên­ci­as Mé­di­cas e ao Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros, diz o co­mu­ni­ca­do.

A não ob­ser­vân­cia das nor­mas in­cor­rem na apli­ca­ção de mul­tas que vão de, em ca­so de não au­to­ri­za­ção, no va­lor equi­va­len­te em kwan­zas a 140 UCF, en­tre 400 UCF a 2000 UCF por fal­ta de aver­ba­men­to na li­cen­ça de re­cin­to ou quan­do as en­ti­da­des pra­ti­ca­rem ac­ti­vi­da­des di­ver­sas das que cons­ta­rem da li­cen­ça de que o re­gis­to faz re­fe­rên­cia.

Aos in­frac­to­res se­rão ain­da apli­ca­das mul­tas equi­va­len­tes em kwan­zas en­tre 100 UCF a 3000 UCF se re­a­li­zar uma ac­ti­vi­da­de com a li­cen­ça ca­du­ca­da ou não re­no­va­ção quan­do re­sul­te de des­res­pei­to pe­las con­di­ções téc­ni­cas e de se­gu­ran­ça.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | HUÍ­LA

Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra quer co­lo­car or­dem na re­a­li­za­ção de ini­ci­a­ti­vas pro­mo­vi­das por pri­va­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.