Cu­a­le à es­pe­ra de in­ves­ti­do­res

Co­mu­na de­tém vá­ri­os lo­cais his­tó­ri­cos co­mo a me­sa da rai­nha Njin­ga Mban­de

Jornal de Angola - - PARTADA - FRANCISCO CURIHINGANA

A co­mu­na do Cu­a­le, mu­ni­cí­pio de Calandula, pro­vín­cia de Ma­lan­je, tem um gran­de po­ten­ci­al agrí­co­la e tu­rís­ti­co que aguar­da por ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais. Nes­te pe­río­do, em que as chu­vas já são for­tes, os cu­a­len­ses en­tre­gam-se à ter­ra pa­ra a la­vou­ra. O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, Er­nes­to Ma­nu­el, diz ser es­se o gran­de de­sa­fio da po­pu­la­ção. Os agri­cul­to­res e cam­po­ne­ses da re­gião be­ne­fi­ci­am das bo­as con­di­ções de cir­cu­la­ção na es­tra­da na­ci­o­nal 140-1.

O dia des­per­ta frio e hú­mi­do na co­mu­na do Cu­a­le, mu­ni­cí­pio de Calandula, pro­vín­cia de Ma­lan­je. Uma cor­ren­te fria pro­ve­ni­en­te da co­nhe­ci­da Bai­xa dos Don­gos pro­vo­ca uma chu­va miú­da e, às 6h00 da ma­nhã, o chil­re­ar dos pás­sa­ros des­per­ta os mo­ra­do­res pa­ra as ta­re­fas do dia-a-dia.

De­vi­do à fal­ta de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, a vi­la de­sa­pa­re­ce du­ran­te a noi­te, en­go­li­da pe­las tre­vas. O si­lên­cio re­me­te-nos a uma vi­la fan­tas­ma. Mas, du­ran­te o dia, lo­go à en­tra­da, no­vas re­si­dên­ci­as des­pon­tam, dan­do as bo­as vin­das aos vi­si­tan­tes des­sa lo­ca­li­da­de his­tó­ri­ca. Os eu­ca­lip­tos, de­fron­te à ad­mi­nis­tra­ção co­mu­nal, tes­te­mu­nha­ram com cum­pli­ci­da­de as atro­ci­da­des de 1961, quan­do vá­ri­os fi­lhos da ter­ra fo­ram en­for­ca­dos pe­las au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais. Ho­je, a vi­la é ha­bi­ta­da por fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Co­mo sím­bo­lo da re­no­va­ção, cha­mam aten­ção a re­si­dên­cia que al­ber­ga a ad­mi­nis­tra­ção co­mu­nal, o cen­tro de saú­de e a es­co­la, as úni­cas in­fra-es­tru­tu­ras re­cém-cons­truí­das. O Co­man­do Co­mu­nal da Po­lí­cia Na­ci­o­nal fun­ci­o­na nu­ma ruí­na, fru­to da ero­são do tem­po, da cru­el­da­de do con­fli­to ar­ma­do e do con­se­quen­te iso­la­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo da lo­ca­li­da­de que dis­ta a 104 qui­ló­me­tros da se­de mu­ni­ci­pal de Calandula e a 54 do vi­zi­nho mu­ni­cí­pio de Mas­san­go.

Nes­te pe­río­do, em que as chu­vas já ca­em a cân­ta­ros, os cu­a­len­ses en­tre­gam-se à ter­ra pa­ra a la­vou­ra. O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, Er­nes­to Ma­nu­el, diz ser es­se o gran­de de­sa­fio da po­pu­la­ção lo­cal.

Os agri­cul­to­res e cam­po­ne­ses da re­gião be­ne­fi­ci­am das bo­as con­di­ções de cir­cu­la­ção na es­tra­da na­ci­o­nal 140-1, que li­ga as se­des mu­ni­ci­pais de Calandula a Mas­san­go, com pas­sa­gem pe­la co­mu­na do Cu­a­le.

De acor­do com o nos­so in­ter­lo­cu­tor, com a che­ga­da das chu­vas, as co­mu­ni­da­des lo­cais fa­zem ca­ba­nas no cam­po, pa­ra acom­pa­nha­rem o de­sen­vol­vi­men­to das la­vras. “Os adul­tos dei­xam de vi­ver nos bair­ros, on­de apa­re­cem ape­nas aos sá­ba­dos e do­min­gos pa­ra irem às igre­jas”, dis­se. De se­gun­da à sex­ta­fei­ra, fi­cam no cam­po. “Nes­te mo­men­to, to­do o po­vo es­tá mo­bi­li­za­do pa­ra o cam­po”, acres­cen­tou, por­que cho­ve mui­to na re­gião, pe­lo me­nos um a ca­da dois di­as.

Os pro­du­tos do Cu­a­le são ven­di­dos em Ma­lan­je, Lu­an­da, Uí­ge e Zai­re. To­dos os di­as, che­gam ca­miões em bus­ca de bom­bó, jin­gu­ba, inha­me e ou­tras va­ri­e­da­des cul­ti­va­das na­que­la re­gião do país.

Ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al

O co­mér­cio ain­da tem pou­ca ex­pres­são no Cu­a­le, ape­sar das bo­as con­di­ções da es­tra­da. Exis­tem ape­nas du­as can­ti­nas, sem pro­du­tos in­dus­tri­ais su­fi­ci­en­tes pa­ra a po­pu­la­ção lo­cal. O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal quei­xou-se da ocu­pa­ção das ca­sas co­mer­ci­ais sem que os pro­pri­e­tá­ri­os exer­çam a ac­ti­vi­da­de co­mo tal.“Na se­de co­mu­nal, fun­ci­o­nam ape­nas du­as can­ti­nas. Te­mos as ca­sas co­mer­ci­ais to­das encerradas e não re­a­bi­li­ta­das”, dis­se. “Já pres­si­o­ná­mos os ocu­pan­tes, mas não ob­ti­ve­mos res­pos­ta.” Er­nes­to Ma­nu­el de­sa­fi­ou os ho­mens de ne­gó­ci­os a di­rec­ci­o­na­rem in­ves­ti­men­tos pa­ra aque­la lo­ca­li­da­de e aju­da­rem no seu de­sen­vol­vi­men­to.

Edu­ca­ção e saú­de

A co­mu­na do Cu­a­le tem 30 pro­fes­so­res, que ga­ran­tem o en­si­no até ao se­gun­do ci­clo, um nú­me­ro in­su­fi­ci­en­te pa­ra mais de 100 al­dei­as. De­vi­do à fal­ta de do­cen­tes, mais de du­as mil cri­an­ças es­tão fo­ra do sis­te­ma de en­si­no, si­tu­a­ção que, de acor­do com o ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal, só po­de ser re­sol­vi­da com o en­vio de no­vos qua­dros.

No pre­sen­te ano lec­ti­vo, es­tão ma­tri­cu­la­das 1.267 cri­an­ças, nú­me­ro que po­de ser ele­va­do com o en­vio de mais pro­fes­so­res na re­gião.

As lo­ca­li­da­des de Ca­bem­bo, Ca­gia, Ter­ra No­va e as re­ge­do­ri­as de Da­la Ka­tu­cu­la e Mi­lu­an­ga pre­ci­sam de pro­fes­so­res. É nes­sas lo­ca­li­da­des on­de vi­ve o mai­or nú­me­ro de cri­an­ças fo­ra do sis­te­ma de en­si­no.

A co­mu­na tem tam­bém um úni­co pos­to de saú­de. O pa­lu­dis­mo e a gri­pe en­ca­be­çam o grá­fi­co de do­en­ças mais pre­do­mi­nan­tes na re­gião.

Os dois úni­cos en­fer­mei­ros que ali tra­ba­lham tu­do fa­zem pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção lo­cal, dis­tri­buí­da num raio su­pe­ri­or a 200 qui­ló­me­tros.

O pos­to de saú­de do Cu­a­le dis­põe de uma am­bu­lân­cia pa­ra ca­sos de emer­gên­cia, que são trans­por­ta­dos pa­ra o Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Calandula, a 104 qui­ló­me­tros, ou pa­ra o Re­gi­o­nal de Ma­lan­je, a 189 qui­ló­me­tros. A par­tir das su­as re­si­dên­ci­as, os pa­ci­en­tes são trans­por­ta­dos de bi­ci­cle­ta ou de mo­to­ri­za­da pa­ra o pos­to mé­di­co que nal­guns ex­tre­mos dis­ta mais de 60 qui­ló­me­tros. Ou­tro pos­to foi cons­truí­do na comunidade de Tun­da Ca­le­la­mo e aguar­da a che­ga­da de um en­fer­mei­ro.

Tem­pos li­vres

Os jo­vens do Cu­a­le re­cla­mam da fal­ta de ac­ti­vi­da­des de la­zer, so­bre­tu­do, des­por­ti­vas na co­mu­na. Di­zem ha­ver li­mi­ta­ções na aqui­si­ção de mei­os, co­mo bo­las e equi­pa­men­tos.

Agos­ti­nho Mau­rí­cio, 24 anos, aban­do­nou a es­co­la es­te ano pa­ra se de­di­car ao cam­po. Pre­ten­de vol­tar a es­tu­dar no pró­xi­mo ano. Nos tem­pos li­vres, não tem o que fa­zer.

Paulo Jo­sé, 25 anos, cla­ma por mais ser­vi­ços so­ci­ais que pos­sam ocu­par os jo­vens. A vi­ver no bair­ro Ulo, tam­bém tra­ba­lha no cam­po.

“O úni­co tra­ba­lho que fa­ço aqui, tam­bém, é só mes­mo do cam­po”, dis­se Da­ni­el Ki­o­cam­ba, 17 anos. “Es­tu­dei até à 7ª clas­se, mas pa­rei e só vou dar con­ti­nui­da­de no pró­xi­mo ano.” Os jo­gos de fu­te­bol en­tre os bair­ros ocu­pam os fi­nais de se­ma­na, mas os jo­vens pe­dem apoi­os pa­ra in­cre­men­ta­rem ou­tras ac­ti­vi­da­des que ocu­pem os seus tem­pos li­vres na co­mu­na.

Me­sa da rai­nha

A me­nos de cin­co qui­ló­me­tros da se­de co­mu­nal do Cu­a­le, es­tá lo­ca­li­za­da a co­nhe­ci­da me­sa da rai­nha Njin­ga Mban­de. Con­ta-se que, de­pois da sua ex­pe­di­ção pe­lo rei­no, a so­be­ra­na re­pou­sa­va no lo­cal à som­bra de uma ár­vo­re de­no­mi­na­da “nday”, que exis­te até aos di­as de ho­je. Tal co­mo no Pun­gu-a-Ndon­go, em Ca­cu­so, na me­se­ta da rai­nha Njin­ga no Cu­a­le, si­tu­a­da ao al­to de um mon­te, fi­ca­ram gra­va­das nu­ma pe­dra as mar­cas da sua pe­ga­da e do ca­ja­do, do cão e da ga­li­nha que a acom­pa­nha­vam.

O so­ba Ngo­to­lo­ka, que fa­lou à re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la, ex­pli­cou que a pe­dra on­de fi­ca­ram cra­va­dos ou­tros si­nais te­rá si­do re­mo­vi­da e le­va­da do lo­cal por um co­mer­ci­an­te por­tu­guês, de no­me Ma­tos.

Nin­guém sa­be até ho­je, pa­ra on­de o co­mer­ci­an­te por­tu­guês te­rá le­va­do a pe­dra on­de es­tão cra­va­dos os si­nais dei­xa­dos por Njin­ga Mban­de, que, de­pois de ter ob­ser­va­do des­can­so na co­nhe­ci­da me­sa da rain­da, par­tiu pa­ra a re­gião do Mu­cu­lo An­go­la, em Ma­rim­ba, on­de foi se­pul­ta­da.

O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal do Cu­a­le dis­se que têm sur­gi­do al­gu­mas pes­so­as in­te­res­sa­das em in­ves­tir na­que­le lo­cal tu­rís­ti­co, mas tu­do não pas­sa de sim­ples in­ten­ções.

“Já re­ce­be­mos aqui al­guns em­pre­sá­ri­os e ti­ve­mos o cui­da­do de le­vá-los até a es­sa lo­ca­li­da­de e eles de­ram ga­ran­ti­as de tu­do fa­ze­rem pa­ra re­a­bi­li­tar as vi­as e per­mi­tir que os tu­ris­tas des­fru­tem da­que­le lo­cal his­tó­ri­co”, dis­se o ad­mi­nis­tra­dor. Pa­ra ele, o tem­po é o úni­co mes­tre pa­ra in­di­car o ca­mi­nho aos ho­mens com ca­pi­tal e in­te­res­se.

O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal pre­vê que, a acon­te­ce­rem tais in­ves­ti­men­tos, Cu­a­le se tor­ne, em bre­ve, um des­ti­no obri­ga­tó­rio pa­ra mui­tos tu­ris­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, pa­ra quem a re­gião tem mui­tos pon­tos de re­fe­rên­cia.

“Es­ta­mos bem ser­vi­dos pe­la es­tra­da, que foi re­a­bi­li­ta­da e os tu­ris­tas po­dem vir e des­fru­tar”, dis­se.

No bair­ro Ngo­to­lo­ka, en­con­trá­mos a oc­to­ge­ná­ria Do­min­gas Mu­on­do. Mes­mo com al­gu­mas di­fi­cul­da­des pa­ra pro­nun­ci­ar al­gu­mas pa­la­vras, dis­se que o lo­cal era bas­tan­te con­cor­ri­do no tem­po co­lo­ni­al.

Des­men­te a exis­tên­cia de gran­des mis­té­ri­os, mas re­fe­re que o ca­pim à vol­ta do es­pa­ço não cres­ce aci­ma dos 20 cen­tí­me­tros de al­tu­ra. Quan­do se co­lo­ca fo­go no lo­cal, o ca­pim ar­de co­mo se al­guém lhe ti­ves­se des­pe­ja­do ga­so­li­na.

O so­ba Ngo­to­lo­ka, 56 anos, que ocu­pa o tro­no dei­xa­do por um tio da sua li­nha­gem, la­men­tou o es­ta­do da via que dá aces­so ao bair­ro com o seu no­me.

Da­li à me­sa da rai­nha são pou­co mais de cin­co qui­ló­me­tros, mas a via não apre­sen­ta bo­as con­di­ções pa­ra cir­cu­lar, por­que há mais de qua­tro anos que não é lim­pa.

O che­fe tra­di­ci­o­nal so­ba Ngo­to­lo­ka re­fe­re que o lo­cal ga­nha frequên­cia com a lim­pe­za e re­a­bi­li­ta­ção do ca­mi­nho.

Além da co­nhe­ci­da me­sa da rai­nha Njin­ga Mban­de, a co­mu­na dis­põe ain­da das que­das do rio Cu­a­le, a três qui­ló­me­tros da se­de, afir­mou, a au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal.

SAN­TOS PE­DRO

Num pe­río­do em que as chu­vas já ca­em os cam­po­ne­ses em­pu­nham as su­as fer­ra­men­tas e en­tre­gam-se ao tra­ba­lho

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

De­vi­do à fal­ta de do­cen­tes a co­mu­na do Cu­a­le tem mais de du­as mil cri­an­ças fo­ra do sis­te­ma de en­si­no pri­má­rio

SAN­TOS PE­DRO

Com um úni­co pos­to de saú­de e dois en­fer­mei­ros a gri­pe e o pa­lu­dis­mo en­ca­be­çam o grá­fi­co de do­en­ças pre­do­mi­nan­tes na co­mu­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.