Ci­mei­ra da CPLP em Bra­sí­lia dis­cu­te no­va vi­são es­tra­té­gi­ca

Ma­nu­el Vi­cen­te re­pre­sen­ta o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos na Ci­mei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS |

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, es­tá des­de on­tem em Bra­sí­lia, on­de em re­pre­sen­ta­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, par­ti­ci­pa ho­je e ama­nhã na XI Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa. A Ci­mei­ra de Bra­sí­lia vai apro­var a no­va vi­são es­tra­té­gi­ca da CPLP e de­sig­nar a pró­xi­ma se­cre­tá­ria exe­cu­ti­va, Ma­ria do Car­mo Silveira, in­di­ca­da por São To­mé e Prín­ci­pe, de­pois de um acor­do, pro­pos­to por Lis­boa, que pre­vê que, no fi­nal do man­da­to de dois anos, cai­ba a Por­tu­gal apon­tar o no­me pa­ra es­te car­go. Ma­ria do Car­mo Silveira vai subs­ti­tuir o mo­çam­bi­ca­no Mu­ra­de Mu­rargy e a pre­si­dên­cia da CPLP pas­sa de Ti­mor-Les­te pa­ra o Bra­sil. A apro­va­ção da vi­são es­tra­té­gi­ca da CPLP tem co­mo ob­jec­ti­vo abrir ho­ri­zon­tes de de­sen­vol­vi­men­to na co­o­pe­ra­ção ao ní­vel das so­ci­e­da­des ci­vis, no­me­a­da­men­te nas áre­as da eco­no­mia, ener­gia e mo­bi­li­da­de, ao mes­mo tem­po que vai pro­cu­rar dar um pa­pel acres­ci­do aos ob­ser­va­do­res as­so­ci­a­dos. Nes­ta Ci­mei­ra de­ve ser ain­da apro­va­da a en­tra­da na or­ga­ni­za­ção de cin­co no­vos ob­ser­va­do­res as­so­ci­a­dos, Re­pú­bli­ca Che­ca, Es­lo­vá­quia, Hun­gria, Cos­ta do Mar­fim e Uru­guai, que se jun­tam às Ilhas Mau­rí­ci­as, Na­mí­bia, Se­ne­gal, Tur­quia, Ja­pão e Geór­gia.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, es­tá des­de on­tem em Bra­sí­lia, on­de em re­pre­sen­ta­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, par­ti­ci­pa na XI Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, que co­me­ça ho­je no Pa­lá­cio do Ita­ma­raty.

Nos úl­ti­mos qua­tro di­as, fo­ram re­a­li­za­das reu­niões so­bre os pon­tos fo­cais, que an­te­ce­de­ram a dos em­bai­xa­do­res, que por seu tur­no, pre­pa­rou a reu­nião de on­tem dos mi­nis­tros das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res. O mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­koty par­ti­ci­pou no en­con­tro que an­te­ce­de a Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do.

Na agen­da es­tá a apro­va­ção de al­gu­mas re­so­lu­ções e a De­cla­ra­ção de Bra­sí­lia, bem co­mo a cons­tru­ção de uma no­va vi­são es­tra­té­gi­ca da or­ga­ni­za­ção pa­ra os pró­xi­mos dez anos. O gran­de fo­co dos do­cu­men­tos a se­rem ana­li­sa­dos e apro­va­dos pe­lo Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no es­tá en­qua­dra­do nos três pi­la­res da or­ga­ni­za­ção: con­cer­ta­ção po­lí­ti­ca e di­plo­má­ti­ca, co­o­pe­ra­ção no es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio e fo­ra de­le e a ve­lha dis­cus­são em tor­no da Lín­gua Por­tu­gue­sa. Os Che­fes de Es­ta­do vão tam­bém ana­li­sar as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos com o fu­tu­ro da or­ga­ni­za­ção e o que se pre­ten­de de­la no pla­no co­mu­ni­tá­rio e in­ter­na­ci­o­nal.

“Há mui­tos pro­gres­sos do pon­to de vis­ta da con­cer­ta­ção po­lí­ti­ca en­tre os Es­ta­dos-mem­bros, pois têm vin­do a con­cen­trar-se na­qui­lo que é a agen­da po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal. Há ca­sos bem co­nhe­ci­dos que vão ser abor­da­dos ao lon­go da Ci­mei­ra”, dis­se o di­rec­tor do ga­bi­ne­te das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res pa­ra a CPLP e PALOP, Oli­vei­ra En­co­ge, que fa­la nu­ma pos­sí­vel re­es­tru­tu­ra­ção dos es­ta­tu­tos.

A Ci­mei­ra de Bra­sí­lia mar­ca o fim do man­da­to do se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo Mu­rargy, ago­ra subs­ti­tuí­do pe­la são­to­men­se Ma­ria do Car­mo Silveira, de acor­do com o prin­cí­pio da ro­ta­ti­vi­da­de al­fa­bé­ti­ca que ca­rac­te­ri­za a or­ga­ni­za­ção. O di­plo­ma­ta dis­se que, após dois anos da pre­si­dên­cia de Ti­mor-Les­te, es­pe­ra que o Bra­sil fa­ça, nos pró­xi­mos dois anos, cum­prir os ob­jec­ti­vos da or­ga­ni­za­ção. “Deu-se um pas­so mui­to gran­de com a pre­si­dên­cia de Ti­mor-Les­te, uma vez que se es­ten­deu pa­ra o con­ti­nen­te asiá­ti­co e te­ve um de­sem­pe­nho ex­tra­or­di­ná­rio do pon­to de vis­ta da co­o­pe­ra­ção”, su­bli­nhou.

Oli­vei­ra En­co­ge des­ta­cou o pa­pel de Ti­mor-Les­te que, além de dar um cu­nho eco­nó­mi­co e em­pre­sa­ri­al à or­ga­ni­za­ção, de­ter­mi­nou um mai­or en­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de ci­vil. So­bre o acor­do or­to­grá­fi­co, dis­se ser um pon­to com o qual os paí­ses vão ter de li­dar. Mas, o necessário é que al­guns paí­ses, tal co­mo An­go­la, se re­ve­jam no acor­do. É o que es­tá a acon­te­cer de for­ma tran­qui­la e har­mo­ni­o­sa, re­fe­riu, afir­man­do não exis­ti­rem Es­ta­dos­mem­bros con­tra o acor­do. “A lín­gua é de to­dos e, por is­so, en­ten­de­mos que te­mos de ter voz.”

A Co­mu­ni­da­de cres­ceu

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ge Chi­koty, dis­se que a Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP que co­me­ça ho­je vai de­bru­çar-se so­bre a apre­sen­ta­ção de al­guns as­pec­tos no­vos da no­va vi­são es­tra­té­gi­ca da CPLP e uma re­so­lu­ção so­bre a equi­ta­ti­vi­da­de dos fun­ci­o­ná­ri­os do se­cre­ta­ri­a­do e acei­tar os no­vos mem­bros ob­ser­va­do­res da or­ga­ni­za­ção.

Es­ta Ci­mei­ra, dis­se, vai ele­ger o no­vo se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da or­ga­ni­za­ção e a no­va pre­si­dên­cia, que pas­sa a ser o Bra­sil. “A Ci­mei­ra es­ta­va pa­ra Ju­lho, mas só ho­je é re­a­li­za­da por cau­sa da si­tu­a­ção do Bra­sil. Ago­ra, es­pe­ra­mos que a CPLP con­ti­nue a cres­cer na co­o­pe­ra­ção en­tre os paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa e va­mos apoi­ar a pre­si­dên­cia pa­ra que a or­ga­ni­za­ção cres­ça”, dis­se.

Ge­or­ges Chi­koty afir­mou que a CPLP cres­ceu bas­tan­te ao lon­go dos seus 20 anos de exis­tên­cia em ter­mos de vi­si­bi­li­da­de jun­to da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e um dos as­pec­tos dig­nos de no­ta foi a or­ga­ni­za­ção ter con­tri­buí­do pa­ra a elei­ção de An­tó­nio Gu­ter­res co­mo Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das.

Mas, dis­se, que­rem-se me­lho­ri­as na evo­lu­ção po­lí­ti­ca dos paí­ses­mem­bros e a gran­de pre­o­cu­pa­ção in­ci­de na si­tu­a­ção po­lí­ti­ca da Gui­né-Bis­sau. “Os es­for­ços vão na di­rec­ção da res­tau­ra­ção da es­ta­bi­li­da­de na­que­le país.” A vi­são es­tra­té­gi­ca já tem si­do dis­cu­ti­da e ela vai con­ti­nu­ar a ser ana­li­sa­da em­bo­ra não exis­tam ain­da con­sen­sos a res­pei­to pa­ra que a or­ga­ni­za­ção se­ja vis­ta co­mo ver­da­dei­ra­men­te in­ter­na­ci­o­nal.

Em fa­ce dis­so, An­go­la propôs uma re­so­lu­ção re­la­ti­va­men­te à equi­da­de no se­cre­ta­ri­a­do da CPLP que pre­ten­de uma no­va for­ma na in­di­ca­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os, dis­se Ge­or­ges Chi­koty, que fa­lou tam­bém da ques­tão da mo­bi­li­da­de na CPLP e o acor­do or­to­grá­fi­co. Nes­te sen­ti­do, o mi­nis­tro su­bli­nhou que exis­tem nos paí­ses di­fe­ren­tes po­lí­ti­cas mi­gra­tó­ri­as e que não há ain­da uma dis­cus­são so­bre li­vre cir­cu­la­ção, pois as pes­so­as de­vem pre­en­cher de­ter­mi­na­dos re­qui­si­tos.

Além dis­so, ex­pli­cou, é pre­ci­so ver que al­guns paí­ses es­tão no con­ti­nen­te africano e ou­tros na Amé­ri­ca e ain­da no con­ti­nen­te eu­ro­peu. E nes­te úl­ti­mo, exis­tem re­gras em re­la­ção à mi­gra­ção, mas po­de ha­ver me­di­das que fa­ci­li­tem a li­vre cir­cu­la­ção den­tro do es­pa­ço co­mu­ni­tá­rio.

Quan­to ao acor­do or­to­grá­fi­co, o mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­koty dis­se que é op­ção de An­go­la e Mo­çam­bi­que con­ti­nu­a­rem a tra­ba­lhar nes­ta ques­tão, na me­di­da em que acham que exis­tem as­pec­tos que de­vem ser ti­dos em con­ta, co­mo a di­men­são his­tó­ri­ca e cul­tu­ral. Tra­ba­lhar no in­te­res­se dos Es­ta­dos-mem­bros é o que Ge­or­ges Chi­koty es­pe­ra da no­va se­cre­tá­ria exe­cu­ti­va da CPLP.

Con­so­li­da­ção do pro­jec­to

Com mais de 270 mi­lhões de fa­lan­tes, es­pa­lha­dos num es­pa­ço ge­o­gra­fi­ca­men­te des­con­tí­nuo, no­ve paí­ses dis­tri­buí­dos em qua­tro con­ti­nen­tes e um ins­ti­tu­to in­ter­na­ci­o­nal pa­ra di­fu­são da Lín­gua Por­tu­gue­sa, a CPLP con­so­li­dou-se co­mo pro­jec­to po­lí­ti­co cu­jo fun­da­men­to é o por­tu­guês, en­quan­to vín­cu­lo his­tó­ri­co e pa­tri­mó­nio co­mum.

A ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção da or­ga­ni­za­ção te­ve co­mo es­co­po a pro­jec­ção e con­so­li­da­ção no pla­no ex­ter­no dos la­ços fra­ter­nais e de ami­za­de en­tre os paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa. Mas pa­ra lá dis­so, o gran­de in­te­res­se co­mum pas­sa pe­la de­fe­sa dos seus in­te­res­ses e va­lo­res com­pa­gi­na­dos, so­bre­tu­do, na de­fe­sa da de­mo­cra­cia, pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to e na cri­a­ção de um am­bi­en­te in­ter­na­ci­o­nal mais equi­li­bra­do e pa­cí­fi­co, além de fa­vo­re­cer a con­cer­ta­ção de po­si­ções po­lí­ti­cas e di­plo­má­ti­cas com vis­ta ao seu for­ta­le­ci­men­to.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o em­bai­xa­dor e re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te de An­go­la jun­to da CPLP, Luís de Al­mei­da, dis­se que fa­lar do fu­tu­ro da or­ga­ni­za­ção é tam­bém re­cor­rer à his­tó­ria. A ideia da sua cri­a­ção pas­sou por mui­tas in­di­vi­du­a­li­da­des, tal co­mo Jai­me Ga­ma, en­tão mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal, e o pro­ces­so ga­nhou im­pul­so nos anos 90 com Jo­sé Apa­re­ci­do de Oli­vei­ra.

O pri­mei­ro pas­so con­cre­to no pro­ces­so de cri­a­ção da CPLP foi da­do em São Luís do Ma­ra­nhão, em No­vem­bro de 1989, no pri­mei­ro en­con­tro dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no dos paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, a con­vi­te do Pre­si­den­te Jo­sé Sar­ney.

JOÃO GO­MES

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca par­tiu do­min­go pa­ra Bra­sí­lia pa­ra a Ci­mei­ra que dis­cu­te no­va vi­são es­tra­té­gi­ca e ele­ge no­va pre­si­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.