Ou­tu­bro foi mês de­ci­si­vo pa­ra o fu­tu­ro da Na­mí­bia

O mês de Ou­tu­bro de 1989 era apon­ta­do co­mo de­ci­si­vo pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções na Na­mí­bia que de­vi­am ser li­vres e jus­tas e sem dei­xar qual­quer dú­vi­da

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ RI­BEI­RO|

Na ver­da­de, os da­dos pu­bli­ca­dos pe­las Na­ções Uni­das, nes­te ca­so par­ti­cu­lar, pe­la UNTAG, re­la­ti­va­men­te ao mês de Ou­tu­bro de 1989, de­mons­tra­ram que o pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia se­guiu o seu cur­so ru­mo às elei­ções, cu­ja abor­da­gem se cir­cuns­cre­veu a três pon­tos.

Úl­ti­mo mês da cam­pa­nha elei­to­ral

O mês de Ou­tu­bro de 1989 foi o der­ra­dei­ro pe­río­do pa­ra a UNTAG, cu­ja fun­ção cen­tral era cri­ar as con­di­ções pa­ra ga­ran­tir que to­do o pro­ces­so elei­to­ral, in­cluin­do o re­gis­to, fos­se trans­pa­ren­te, li­vre e jus­to, de mo­do que a Na­mí­bia pu­des­se as­cen­der à ca­te­go­ria de na­ção e al­can­çar a in­de­pen­dên­cia atra­vés de um ac­to im­pe­cá­vel de au­to-de­ter­mi­na­ção.

Em­bo­ra o pro­ces­so elei­to­ral es­ti­ves­se a ser con­du­zi­do pe­lo Ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral sul-africano, Louis Pi­en­nar, to­da e qual­quer ac­ção ti­nha que ser fei­ta sob a su­per­vi­são ac­ti­va e sob o con­tro­lo do Re­pre­sen­tan­te Especial da ONU e da UNTAG.

Por­tan­to, o re­gis­to o elei­to­ral co­me­çou a 3 de Ju­lho de 1989 e en­cer­rou a 15 de Se­tem­bro de 1989, co­mo foi ori­gi­nal­men­te pro­gra­ma­do. No en­tan­to, o Re­pre­sen­tan­te Especial do Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das na Na­mí­bia, Mart­ti Ah­ti­sa­a­ri, so­li­ci­tou que o pe­río­do fos­se alar­ga­do até 23 de Se­tem­bro de 1989, pa­ra que to­dos os elei­to­res ti­ves­sem a opor­tu­ni­da­de de se re­gis­ta­rem e is­so foi fei­to.

A um mês da re­a­li­za­ção das elei­ções du­as ques­tões con­ti­nu­a­vam a di­vi­dir as par­tes en­vol­vi­das no pro­ces­so:

O Có­di­go de Con­du­ta acei­te por to­dos os par­ti­dos po­lí­ti­cos;

A le­gis­la­ção elei­to­ral que reu­nis­se consenso de to­das as par­tes en­vol­vi­das.

Daí que pa­ra o Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, Pe­rez de Cu­el­lar, que re­a­li­zou uma vi­si­ta de tra­ba­lho à Na­mí­bia, em Ju­lho de 1989, era fun­da­men­tal que se cri­as­se um Có­di­go de Con­du­ta apro­va­do por to­das as par­tes. Du­ran­te a sua vi­si­ta, a sua men­sa­gem pa­ra os po­lí­ti­cos lo­cais foi que eles de­ve­ri­am unir-se, co­mo na­mi­bi­a­nos, pa­ra cons­truí­rem uma no­va na­ção e su­ge­riu que a par­tir da­que­le mo­men­to eles se reu­nis­sem re­gu­lar­men­te, sob a pre­si­dên­cia do seu Re­pre­sen­tan­te Especial, pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas e ini­ci­ar diá­lo­go con­tí­nuo e efi­caz.

Des­ta for­ma o Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, Pe­rez de Cu­el­lar, lan­ça­va a se­men­te de um Có­di­go de Con­du­ta po­lí­ti­co. Es­te Có­di­go foi ne­go­ci­a­do en­tre o Re­pre­sen­tan­te Especial e os lí­de­res dos par­ti­dos e foi adop­ta­do pe­las par­tes du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral.

No seu re­la­tó­rio pa­ra o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, a 6 de Ou­tu­bro de 1989, o Se­cre­tá­rio-ge­ral des­cre­veu o Có­di­go co­mo um do­cu­men­to de “ex­tre­ma im­por­tân­cia”, pois re­pre­sen­ta­va a es­pe­ran­ça de que os par­ti­dos po­lí­ti­cos con­du­zi­ri­am a cam­pa­nha elei­to­ral de uma for­ma ver­da­dei­ra­men­te de­mo­crá­ti­ca e que to­dos eles iri­am acei­tar o re­sul­ta­do das elei­ções.

Gra­ças à adop­ção des­te Có­di­go de Con­du­ta o úl­ti­mo mês da cam­pa­nha elei­to­ral, o mês de Ou­tu­bro, que po­de­ria ter si­do mar­ca­do pe­la in­ti­mi­da­ção e per­tur­ba­ção, pe­lo con­trá­rio, foi ca­rac­te­ri­za­do por uma tran­qui­li­da­de no­tá­vel.

Em se­gui­da, o Ad­mi­nis­tra­dor­ge­ral da Na­mí­bia, Louis Pi­en­nar, propôs uma le­gis­la­ção elei­to­ral que exi­giu no­va­men­te ár­du­as ne­go­ci­a­ções en­tre as equi­pas li­de­ra­das pe­lo Re­pre­sen­tan­te Especial do Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, Mart­ti Ah­ti­sa­a­ri e pe­lo Ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral, com fre­quen­tes in­ter­ven­ções, de No­va Ior­que, do Se­cre­tá­rio-Ge­ral.

Quan­do tu­do in­di­ca­va que a re­a­li­za­ção das elei­ções pu­des­se es­tar em ris­co em vir­tu­de da au­sên­cia de uma Lei Elei­to­ral que reu­nis­se consenso, a 6 de Ou­tu­bro de 1989, as du­as par­tes che­ga­ram a acor­do e en­ga­ja­ram-se num pe­río­do pre­pa­ra­tó­rio in­ten­si­vo, em que o pes­so­al elei­to­ral foi trei­na­do e uma cam­pa­nha de edu­ca­ção elei­to­ral foi con­du­zi­da pe­la UNTAG, pe­lo Ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral e pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos.

É im­por­tan­te re­fe­rir que a ida do Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das à Na­mí­bia foi tão im­por­tan­te que in­flu­en­ci­ou a Lei Elei­to­ral, com a cri­a­ção do Có­di­go de Con­du­ta e do Co­mi­té de In­te­li­gên­cia, ins­tru­men­tos que aju­da­ram pro­fun­da­men­te na so­lu­ção dos con­fli­tos pro­vo­ca­dos pe­los sul-afri­ca­nos so­bre ale­ga­ções falsas de in­fil­tra­ções que a SWAPO po­de­ria re­a­li­zar pe­la des­mo­bi­li­za­ção dos ele­men­tos das SADF re­ma­nes­cen­tes e pe­la des­mo­bi­li­za­ção dos Ko­e­vo­ets. O Se­cre­tá­rio-Ge­ral exer­ceu por cau­sa dis­so uma ac­ção di­rec­ta so­bre o pro­ces­so na­mi­bi­a­no a par­tir do seu ga­bi­ne­te, na ONU.

Sequên­cia do pro­ces­so de des­mo­bi­li­za­ção

Ape­sar do pes­so­al das SADF es­tar re­du­zi­do a 1.500 mi­li­ta­res acan­to­na­dos em Gro­ot­fon­tein e em Oshi­ve­lo, con­for­me o re­que­ri­do, ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os das SADF, tam­bém mo­ni­to­ra­dos por ofi­ci­ais mi­li­ta­res da UNTAG, per­ma­ne­ce­ram na Na­mí­bia cum­prin­do fun­ções ci­vis. No iní­cio de Ou­tu­bro de 1989, eles to­ta­li­za­vam 796, dos quais dois ter­ços es­ta­vam en­ga­ja­dos em ae­ró­dro­mos e ou­tros pres­ta­vam ser­vi­ços mé­di­cos à po­pu­la­ção no Nor­te.

Es­ta si­tu­a­ção cau­sa­va al­gu­ma pre­o­cu­pa­ção ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das e le­vou o Re­pre­sen­tan­te Especial a de­sen­ca­de­ar es­for­ços subs­tan­ci­ais pa­ra re­cru­tar den­tro da Na­mí­bia e de ou­tras fon­tes do sis­te­ma das Na­ções Uni­das (Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal da Avi­a­ção Ci­vil e Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de) subs­ti­tu­tos ci­vis à al­tu­ra.

Re­la­ti­va­men­te à des­mo­bi­li­za­ção dos Ko­e­vo­ets, a 28 de Se­tem­bro de 1989, o Mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res Sul-Africano anun­ci­ou a des­mo­bi­li­za­ção de cer­ca de 1.200 ex-mem­bros dos Ko­e­vo­ets pa­ra os pró­xi­mos di­as. Por­tan­to, a 30 de Ou­tu­bro de 1989, mais 400 ex-mem­bros dos Ko­e­vo­ets in­se­ri­dos na Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano (SWAPOL) fo­ram des­mo­bi­li­za­dos. Es­tas des­mo­bi­li­za­ções fo­ram su­per­vi­si­o­na­das por ob­ser­va­do­res mi­li­ta­res da UNTAG.

No en­tan­to, se­gun­do os ob­ser­va­do­res da UNTAG, a mai­o­ria dos des­mo­bi­li­za­dos man­te­ve os seus uni­for­mes e, mes­mo de­pois

de acan­to­na­dos, vol­ta­vam du­as ve­zes por mês à sua an­ti­ga se­de pa­ra re­ce­be­rem os seus ven­ci­men­tos, na mai­or par­te dos ca­sos, de ofi­ci­ais que ti­nham si­do an­te­ri­or­men­te seus co­man­dan­tes.

Es­ta ac­ção con­ti­nu­a­va a re­pre­sen­tar uma pre­o­cu­pa­ção pa­ra o Se­cre­tá­rio-Ge­ral e pa­ra o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, pois era in­com­pa­tí­vel com a exi­gên­cia pre­vis­ta no Pla­no de Re­so­lu­ção, se­gun­do a qual as es­tru­tu­ras de co­man­do das For­ças Ter­ri­to­ri­ais do Su­do­es­te Africano (SWATF) de­vi­am ser des­man­te­la­das.

Ape­sar des­te con­tra­tem­po, com o apro­xi­mar das elei­ções e em fun­ção do gran­de apoio que a po­pu­la­ção na­mi­bi­a­na de­di­ca­va à UNTAG e em fun­ção das pro­mes­sas da Áfri­ca do Sul e da SWAPO em co­o­pe­ra­rem no pro­ces­so de paz, as Na­ções Uni­das re­du­zi­ram o nú­me­ro do efec­ti­vo da com­po­nen­te mi­li­tar da UNTAG. Em con­tra­par­ti­da, a 31 de Ou­tu­bro de 1989, o nú­me­ro de ob­ser­va­do­res da Po­lí­cia da UNTAG pas­sou de 500 pa­ra 1.500, ope­ran­do em se­te dis­tri­tos po­li­ci­ais, es­pa­lha­dos em cer­ca de 49 uni­da­des po­li­ci­ais.

Por­tan­to, em­bo­ra a CIVPOL sou­bes­se que os des­mo­bi­li­za­dos es­ti­ves­sem li­vres pa­ra de­am­bu­la­rem pe­las áre­as sen­sí­veis e al­ta­men­te po­vo­a­das per­to da fron­tei­ra Nor­te, ela foi gra­du­al­men­te ca­paz de con­ter es­ta no­va si­tu­a­ção e ape­sar de al­guns in­ci­den­tes de­sa­gra­dá­veis, o pro­ces­so po­lí­ti­co e elei­to­ral nas áre­as do Nor­te con­ti­nu­ou com a mai­or tran­qui­li­da­de.

No que con­cer­ne ao pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia, ape­sar do Ad­mi­nis­tra­dor-Ge­ral, Louis Pi­e­na­ar, ter de­cla­ra­do em Se­tem­bro de 1989 que os ex-mem­bros das Ko­e­vo­ets se­ri­am re­ti­ra­dos do Nor­te da Na­mí­bia e acan­to­na­dos nou­tros lu­ga­res, os da­dos apon­ta­ram que es­ta si­tu­a­ção, em Ou­tu­bro de 1989, ain­da não es­ta­va de­fi­ni­ti­va­men­te re­sol­vi­da.

Nu­ma reu­nião da Co­mis­são Con­jun­ta de Ve­ri­fi­ca­ção, re­a­li­za­da em Joha­nes­bur­go, en­tre 15 e 16 de Ou­tu­bro de 1989, que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de re­pre­sen­tan­tes de Cu­ba, de An­go­la e da Áfri­ca do Sul, uma vez mais, o país ago­ra di­ri­gi­do por Fre­de­rick W. De Klerk com­pro­me­teu-se a re­mo­ver a po­lí­cia re­gu­lar sul-afri­ca­na da Na­mí­bia e a de­sar­mar to­dos os ac­ti­vis­tas dos Ko­e­vo­ets. Ape­sar des­ta pro­mes­sa, a 31 de Ou­tu­bro de 1989, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU adop­tou a Re­so­lu­ção 643 (1989), que exi­gia o cum­pri­men­to in­te­gral por to­das as par­tes, es­pe­ci­al­men­te a Áfri­ca do Sul, da im­ple­men­ta­ção da Re­so­lu­ção 435 da ONU. A 643 exi­gia igual­men­te a dis­so­lu­ção de to­das as for­ças ét­ni­cas pa­ra­mi­li­ta­res e das uni­da­des de co­man­dos, es­pe­ci­al­men­te os Ko­e­vo­ets e a For­ça Ter­ri­to­ri­al do Su­do­es­te Africano.

Ao adop­tar, por una­ni­mi­da­de, a 31 de Ou­tu­bro de 1989, a Re­so­lu­ção 643, que, por si­nal, foi a úl­ti­ma Re­so­lu­ção re­la­ti­va à in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia apro­va­da pe­lo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, es­te en­vi­a­va uma men­sa­gem for­te ao go­ver­no su­la­fri­ca­no, ins­tan­do-o a pas­sar das pro­mes­sas a ac­ções prá­ti­cas.

UN PHOTO | MIL­TON GRANT

Na­mi­bi­a­nos com o en­tão Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das Ja­vi­er Pe­rez de Cu­el­lar

UN PHOTO | MIL­TON GRANT

Pro­ces­so de tran­si­ção pa­ra a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia

UN PHOTO | MIL­TON GRANT

Ja­vi­er Pe­rez de Cu­el­lar a sau­dar os re­si­den­tes de Ka­ta­tu­ra bair­ro de Windho­ek

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.