Li­tí­gi­os di­ri­mi­dos fo­ra dos tri­bu­nais

De­cor­re des­de on­tem pri­mei­ra ac­ção de for­ma­ção cer­ti­fi­ca­da em me­di­a­ção e con­ci­li­a­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTORINO JOAQUIM |

A pro­vín­cia de Lu­an­da vai con­tar em bre­ve com mais dois cen­tros de re­so­lu­ção ex­tra­ju­di­ci­al de li­tí­gi­os, que vão con­tri­buir pa­ra ali­vi­ar o nú­me­ro de pro­ces­sos que en­tram nos tri­bu­nais ju­di­ci­ais, anun­ci­ou on­tem, em Lu­an­da, a di­rec­to­ra na­ci­o­nal pa­ra a Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Ma­ria As­sun­ção Vi­e­gas, à margem da pri­mei­ra ac­ção de for­ma­ção cer­ti­fi­ca­da em me­di­a­ção e con­ci­li­a­ção de con­fli­tos.

A pro­vín­cia de Lu­an­da con­ta bre­ve­men­te com mais dois cen­tros de Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os, que vão con­tri­buir pa­ra ali­vi­ar o nú­me­ro de pro­ces­sos que en­tram nos tri­bu­nais ju­di­ci­ais, anun­ci­ou on­tem, em Lu­an­da, a di­rec­to­ra na­ci­o­nal pa­ra a Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Em de­cla­ra­ção à im­pren­sa à margem da pri­mei­ra ac­ção de for­ma­ção cer­ti­fi­ca­da em me­di­a­ção e con­ci­li­a­ção de con­fli­tos, Ma­ria As­sun­ção Vi­e­gas dis­se que um dos fu­tu­ros cen­tros em cons­tru­ção es­tá lo­ca­li­za­do na cen­tra­li­da­de do Se­que­le, en­quan­to o ou­tro es­tá no Zan­go Três. As obras já es­tão em fa­se de con­clu­são. “Nes­te mo­men­to, aguar­da­mos que se­jam ape­tre­cha­dos. Não é fá­cil cri­ar um pro­jec­to des­ta na­tu­re­za. Não se cria um pro­jec­to de um dia pa­ra o ou­tro”, es­cla­re­ceu.

Ma­ria As­sun­ção Vi­e­gas in­for­mou que o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos pre­ten­de ex­pan­dir os ser­vi­ços dos cen­tros de re­so­lu­ção ex­tra­ju­di­ci­al de li­tí­gi­os às pro­vín­ci­as. Lu­an­da tem ser­vi­do co­mo ex­pe­ri­ên­cia-pi­lo­to, pa­ra que, quan­do os ser­vi­ços fo­rem im­ple­men­ta­dos nas res­tan­tes pro­vín­ci­as, não sur­gi­rem cons­tran­gi­men­tos.

Com o sur­gi­men­to de mais cen­tros, dis­se, o Cen­tro de Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gio de Lu­an­da vai po­der ver re­du­zi­do o nú­me­ro de pe­di­dos. Ac­tu­al­men­te, tem re­ce­bi­do, di­a­ri­a­men­te, en­tre dez a 15 pe­di­dos de in­ter­ven­ção.

Ma­ria As­sun­ção Vi­e­gas quei­xou-se do fac­to de os 40 me­di­a­do­res que ac­tu­al­men­te tra­ba­lham no edi­fí­cio-se­de do Cen­tro de Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os não se­rem su­fi­ci­en­tes pa­ra aten­der to­dos os pe­di­dos que dão en­tra­da na ins­ti­tui­ção. “É por es­te mo­ti­vo que o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos es­tá a re­a­li­zar a ac­ção de for­ma­ção, pa­ra col­ma­tar es­ta si­tu­a­ção”, es­cla­re­ceu a di­rec­to­ra, pa­ra quem, com o sur­gi­men­to de mais dois cen­tros, é ne­ces­sá­rio cer­ca do tri­plo do nú­me­ro de me­di­a­do­res.

Ma­ria As­sun­ção Vi­e­gas re­fe­riu que a sua ins­ti­tui­ção es­tá a em­pre­en­der um es­for­ço pa­ra ga­ran­tir a for­ma­ção dos qua­dros. Es­tas for­ma­ções aber­tas ao pú­bli­co, dis­se, vão per­mi­tir que, tan­to a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, co­mo os no­vos cen­tros de re­so­lu­ção ex­tra­ju­di­ci­al de li­tí­gi­os pos­sam re­cru­tar os qua­dros re­cém-for­ma­dos, uma vez que exis­tem no país di­ver­sas en­ti­da­des, quer pú­bli­cas, quer pri­va­das, a fun­ci­o­nar na me­di­a­ção de con­fli­tos.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra a Jus­ti­ça fez um ba­lan­ço po­si­ti­vo dos dois anos de fun­ci­o­na­men­to do Cen­tro de Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os. Ma­ria Isa­bel Tor­men­ta dos San­tos, que dis­cur­sa­va no ac­to de aber­tu­ra da pri­mei­ra ac­ção de for­ma­ção cer­ti­fi­ca­da em me­di­a­ção e con­ci­li­a­ção de con­fli­tos, dis­se que to­dos os con­fli­tos que dão en­tra­da no cen­tro são aten­di­dos e re­sol­vi­dos em mé­dia num pe­río­do que vai de uma a du­as se­ma­nas, de­pen­den­do da boa von­ta­de das par­tes em con­fli­to.

A for­ma­ção, com du­ra­ção de qua­tro se­ma­nas, é des­ti­na­da aos can­di­da­tos a me­di­a­do­res e con­ci­li­a­do­res, no­me­a­da­men­te ma­gis­tra­dos, ad­vo­ga­dos, pro­fes­so­res, so­ció­lo­gos, psi­có­lo­gos e de­ten­to­res de for­ma­ção aca­dé­mi­cas ade­qua­das ao de­sem­pe­nho da­que­las fun­ções. Du­ran­te a for­ma­ção são abor­da­dos vá­ri­os te­mas, den­tre os quais “De­fi­ni­ção, ca­rac­te­rís­ti­cas e es­tru­tu­ra do con­fli­to”, “Mei­os de re­so­lu­ção de con­fli­tos” e “In­tro­du­ção à me­di­a­ção”.

Re­for­ma da Jus­ti­ça

De acor­do com o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to e com o Pro­jec­to de Re­for­ma da Jus­ti­ça e do Di­rei­to, cons­ti­tui ta­re­fa do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos pro­mo­ver o aces­so ao di­rei­to e à jus­ti­ça atra­vés dos mei­os de re­so­lu­ção ex­tra­ju­di­ci­al de con­fli­tos

A re­cém-cri­a­da Lei da Me­di­a­ção de Con­fli­tos e Con­ci­li­a­ção (Lei n.º 12 / 16, de 12 de Agos­to) sur­giu da una­ni­mi­da­de no re­co­nhe­ci­men­to de que os mei­os de re­so­lu­ção ex­tra­ju­di­ci­ais de li­tí­gi­os são me­ca­nis­mos pri­vi­le­gi­a­dos de pre­ven­ção e so­lu­ção de con­tro­vér­si­as, ca­pa­zes de dar res­pos­ta às par­ti­cu­la­res ne­ces­si­da­des e exi­gên­ci­as das po­pu­la­ções, re­la­ti­va­men­te a cer­tas fran­jas de con­fli­tu­a­li­da­des, com eco­no­mia de tem­po e de re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Uma das atri­bui­ções da Di­rec­ção Na­ci­o­nal pa­ra a Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os con­sis­te em pro­mo­ver e acom­pa­nhar a exe­cu­ção de lei de me­di­a­ção, bem co­mo ca­pa­ci­tar os me­di­a­do­res e con­ci­li­a­do­res, atra­vés de ac­ções que lhes pos­sam con­fe­rir ap­ti­dões es­pe­ci­fi­cas, teó­ri­cas e pra­ti­cas, ade­qua­das ao exer­cí­cio da sua ac­ti­vi­da­de de me­di­a­dor, bem co­mo san­ci­o­nar even­tu­ais prá­ti­cas in­cor­rec­tas, nos pa­râ­me­tros da éti­ca e no es­tri­to cum­pri­men­to dos de­ve­res de­on­to­ló­gi­cos que a pro­fis­são exi­ge.

KINDALA MA­NU­EL

Ins­ta­la­ções do Cen­tro de Re­so­lu­ção Ex­tra­ju­di­ci­al de Li­tí­gi­os em Lu­an­da que re­ce­be di­a­ri­a­men­te vá­ri­os pe­di­dos pa­ra a arbitragem de con­fli­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.