Lu­an­da e Ban­gui de mãos da­das

Jornal de Angola - - PARTADA - FAUSTINO HEN­RI­QUE |

A Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA) é da­que­les paí­ses que, até há al­guns anos, fru­to do con­fli­to in­ter­no, en­gros­sa­va a lis­ta de Es­ta­dos fa­lha­dos e en­ca­mi­nha­va-se pa­ra o ca­os po­lí­ti­co e so­ci­al. Ain­da ho­je, en­fren­ta de­sa­fi­os mo­nu­men­tais na trans­for­ma­ção do ac­tu­al pe­río­do de con­so­li­da­ção do pro­ces­so de tran­si­ção nu­ma fa­se ir­re­ver­sí­vel de nor­ma­li­za­ção de­mo­crá­ti­ca e de­sen­vol­vi­men­to.

A an­ti­ga co­ló­nia fran­ce­sa atra­ves­sa com mui­tas di­fi­cul­da­des um pe­río­do do­lo­ro­so de tran­si­ção que, co­mo se acre­di­ta, a gran­de mai­o­ria dos cen­tro-afri­ca­nos pre­fe­rem olhar co­mo al­go li­ga­do ao pas­sa­do.

Com a que­da do re­gi­me do Pre­si­den­te Fran­çois Bo­zi­ze, em Mar­ço de 2013, a RCA en­trou nu­ma fa­se crí­ti­ca em ter­mos de de­fi­ni­ção do seu fu­tu­ro po­lí­ti­co, aten­den­do a que o país fi­cou di­vi­di­do não ape­nas em li­nhas po­lí­ti­cas dis­tin­tas, mas sec­tá­ri­as e re­li­gi­o­sas. O país en­fren­ta­va a sua ter­cei­ra gu­er­ra ci­vil, nu­ma al­tu­ra em que a co­li­ga­ção de forças re­bel­des oriun­das do nor­te mu­çul­ma­no, con­gre­ga­das no que fi­cou de­sig­na­do co­mo Se­le­ka, ti­nha to­ma­do o po­der em Ban­gui.

Na ca­pi­tal do país e um pou­co por to­do o la­do, as con­fron­ta­ções mi­li­ta­res eram pre­en­chi­das pe­lo me­nu que di­vi­dia os cen­tro-afri­ca­nos en­tre mu­çul­ma­nos, re­pre­sen­ta­dos pe­los Se­le­ka, e an­ti-Ba­la­ka, mi­lí­ci­as cris­tãs, vol­ta­das con­tra aque­les pri­mei­ros.

O con­fli­to acen­tu­ou-se de tal ma­nei­ra que o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU gi­zou uma re­so­lu­ção, por via da qual sur­giu a Mis­si­on In­ter­na­ti­o­nal de Sou­ti­en à la Cen­tra­fri­que sous Con­dui­te Afri­cai­ne (mis­são in­ter­na­ci­o­nal de apoio à RCA sob con­du­ção afri­ca­na) ou sim­ples­men­te MISCA, um ex­pe­di­en­te que con­tou com o su­por­te da Fran­ça.

Es­sa mis­são mi­li­tar, que con­tou com cer­ca de seis mil mi­li­ta­res for­ne­ci­dos por vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos, con­tri­buiu de­ci­si­va­men­te pa­ra que fos­se pos­sí­vel a as­si­na­tu­ra do acor­do do dia 23 de Ju­lho de 2014, de ces­sa­ção das hos­ti­li­da­des, por par­te das forças em con­fli­to na RCA, sob a me­di­a­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca do Con­go, De­nis Sas­sou Ngues­so.

Pou­cos acre­di­ta­vam que o Go­ver­no de tran­si­ção sur­gi­do por via do re­fe­ri­do acor­do e con­du­zi­do por Cathe­ri­ne Sam­ba Pan­za le­vas­se aque­le país às elei­ções que con­sa­gra­ram Faus­tin-Ar­cha­ge Tou­a­de­rá co­mo Pre­si­den­te de­mo­cra­ti­ca­men­te elei­to.

Mas há um país que pou­pou es­for­ços e os re­sul­ta­dos já de­mons­tram que a RCA é um exem­plo de êxi­to e sucesso na ges­tão e re­so­lu­ção de con­fli­to com se­lo afri­ca­no.

An­go­la acei­tou o de­sa­fio de con­tri­buir pa­ra que a RCA, o úni­co país afri­ca­no que se tor­nou num im­pé­rio no pe­río­do pós-co­lo­ni­al, fos­se es­ta­bi­li­za­do, não pou­pan­do es­for­ços pa­ra aque­le país pas­sar de Es­ta­do fra­cas­sa­do pa­ra país viá­vel, com ins­ti­tui­ções e fu­tu­ro.

Em­bo­ra se­ja ain­da sa­cu­di­do por ac­ções me­nos bo­as, nal­guns ca­sos en­vol­ven­do mes­mo fa­ta­li­da­des, a RCA pro­cu­ra tri­lhar ho­je os ca­mi­nhos do de­sen­vol­vi­men­to. Vol­ta e meia o país vi­ve epi­só­di­os pro­ta­go­ni­za­dos por mem­bros das ex­mi­lí­ci­as Se­le­ka e an­ti-Ba­la­ka, co­mo su­ce­deu no nor­te do país, no dia 29 de Ou­tu­bro, em que de­ze­nas per­de­ram a vi­da, mas é ge­ne­ra­li­za­da a ideia de que ape­nas com paz e unidade o país po­de avan­çar.

É verdade que o Es­ta­do cen­tro­a­fri­ca­no en­fren­ta ain­da de­sa­fi­os pa­ra es­ten­der a sua au­to­ri­da­de e ad­mi­nis­tra­ção a to­do o ter­ri­tó­rio do país, na me­di­da em que na par­te se­ten­tri­o­nal há uma ten­ta­ti­va de se­ces­são e par­tes do ter­ri­tó­ri­os con­tro­la­dos por se­nho­res da gu­er­ra.

Em to­do o ca­so, com o fim da cha­ma­da ter­cei­ra gu­er­ra ci­vil e com a con­so­li­da­ção do pro­ces­so de tran­si­ção, o país re­pre­sen­ta já um exem­plo de um Es­ta­do que es­te­ve à bei­ra do fra­cas­so e que ul­tra­pas­sou es­sa fa­se. Não há dú­vi­das de que a RCA, com a aju­da dos seus par­cei­ros, tem si­do ca­paz de en­fren­tar com sucesso o ac­tu­al pe­río­do di­fí­cil de tran­si­ção e o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção.

A con­tri­bui­ção de An­go­la na for­ma­ção de efec­ti­vos das forças de se­gu­ran­ça e de de­fe­sa, além dos es­for­ços que am­bos os Es­ta­dos fa­zem pa­ra ci­men­tar a co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e co­mer­ci­al re­pre­sen­tam ca­pí­tu­los im­por­tan­tes nas re­la­ções en­tre os dois paí­ses.

A che­ga­da ao país ho­je do Pre­si­den­te Faus­tin-Ar­cha­ge Tou­a­de­ra, Che­fe de Es­ta­do da RCA, cons­ti­tui a aber­tu­ra de uma pá­gi­na im­por­tan­te no ca­pí­tu­lo das re­la­ções bi­la­te­rais, nu­ma al­tu­ra em que as au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas dos dois paí­ses de­vem, ca­da vez mais, dar es­pa­ço pa­ra o sec­tor pri­va­do.

Se­gun­do o “Jour­nal de Ban­gui”, ór­gão de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al da RCA, há um Acor­do Ge­ral de co­o­pe­ra­ção, re­cen­te­men­te as­si­na­do em Lu­an­da pe­los mi­nis­tros das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de An­go­la e da RCA, Ge­or­ges Chi­ko­ti e Char­les Dou­ba­né, que cons­ti­tui um pas­so re­le­van­te.

A bo­la ten­de a pas­sar ra­pi­da­men­te pa­ra o la­do dos em­pre­sá­ri­os e em­pre­en­de­do­res an­go­la­nos e cen­tro-afri­ca­nos, que de­ve­rão es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra for­ta­le­cer o que os po­lí­ti­cos fa­zem nes­te mo­men­to em que An­go­la e a RCA es­trei­tam os la­ços de co­o­pe­ra­ção e an­dam de mãos da­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.