Fra­ca ban­ca­ri­za­ção es­tá li­ga­da à con­cen­tra­ção ur­ba­na da ban­ca

Ins­ti­tui­ções in­ter­ban­cá­ri­as de­vem si­na­li­zar um in­di­ca­dor da evo­lu­ção do sis­te­ma an­go­la­no

Jornal de Angola - - PARTADA - MADALENA JO­SÉ |

As po­lí­ti­cas e es­tra­té­gi­as de in­clu­são so­ci­al, ali­a­das à in­clu­são fi­nan­cei­ra, es­ti­ve­ram on­tem em de­ba­te em Lu­an­da, no âm­bi­to do quar­to Fórum In­ter­na­ci­o­nal de In­clu­são Fi­nan­cei­ra, pro­mo­vi­do pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), pa­ra as­si­na­lar o Dia Mun­di­al da Pou­pan­ça.

“O con­tex­to ac­tu­al da in­clu­são fi­nan­cei­ra em An­go­la não é fa­vo­rá­vel, em ter­mos de aces­sos do que se pre­ten­de que se­ja e não é pos­sí­vel ser fei­to ape­nas por agên­ci­as ban­cá­ri­as, co­mo úni­cos ins­tru­men­tos pa­ra aber­tu­ra de con­tas”, in­for­mou o di­rec­tor pa­ra Edu­ca­ção de In­clu­são Fi­nan­cei­ra do BNA, Ave­li­no dos San­tos, acres­cen­tan­do que os pon­tos crí­ti­cos se en­con­tram no ní­vel de ban­ca­ri­za­ção, que ain­da não sa­tis­faz o BNA, que pro­cu­ra que ca­da an­go­la­no te­nha uma con­ta ban­cá­ria.

Ave­li­no dos San­tos dis­se que só se po­de che­gar às me­tas es­ta­be­le­ci­das pe­lo ban­co cen­tral, den­tro do Pro­gra­ma de Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND 2013-17), fa­zen­do com que o má­xi­mo da po­pu­la­ção ac­ti­va an­go­la­na es­te­ja den­tro do sis­te­ma fi­nan­cei­ro for­mal. Ac­tu­al­men­te, a ta­xa de ban­ca­ri­za­ção es­tá aci­ma dos 52 por cen­to da po­pu­la­ção adul­ta.

A cau­sa da fra­ca ban­ca­ri­za­ção, apon­tou Ave­li­no dos San­tos, re­si­de na in­ter­li­ga­ção com a ac­tu­al es­tru­tu­ra ban­cá­ria, que con­si­de­ra ser ain­da tra­di­ci­o­nal. An­go­la pos­sui ape­nas 1.500 agên­ci­as ban­cá­ri­as, pa­ra uma po­pu­la­ção adul­ta es­ti­ma­da em 7,8 mi­lhões de pes­so­as. Gran­de par­te das agên­ci­as ban­cá­ri­as es­tá con­cen­tra­da nas se­des pro­vin­ci­ais e mu­ni­ci­pais, com pri­ma­zia pa­ra Lu­an­da, on­de são con­ta­bi­li­za­das 800 agên­ci­as.

“Pa­ra aces­so aos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros dis­po­ni­bi­li­za­dos, ago­ra é im­por­tan­te que as pes­so­as te­nham uma con­ta de­no­mi­na­da Ban­qui­nho, que pas­sa a ser uma por­ta de en­tra­da pa­ra a ban­ca­ri­za­ção e, pos­te­ri­or­men­te, pa­ra a in­clu­são fi­nan­cei­ra.

Te­le­fo­nes nas tran­sac­ções

O ad­mi­nis­tra­dor do BNA An­tó­nio da Cruz re­fe­riu na aber­tu­ra do fórum que os “smartpho­nes” po­dem ser usa­dos, ca­da vez mais, pa­ra pagamentos de ser­vi­ços e trans­fe­rên­ci­as ban­cá­ri­as, co­mo uma opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os pa­ra as fa­mí­li­as e pa­ra as em­pre­sas. Nes­te ano, os pagamentos móveis apre­sen­tam já uma fac­tu­ra de cer­ca de 800 mil mi­lhões de dó­la­res.

Ao fa­zer uma re­fle­xão so­bre o im­pac­to dos pagamentos móveis pa­ra o es­tí­mu­lo da eco­no­mia, An­tó­nio da Cruz dis­se que a in­te­ro­pe­ra­ti­vi­da­de das em­pre­sas que de­sen­vol­vem a so­lu­ção de pagamentos móveis de­ve ga­ran­tir que as mes­mas fa­çam ope­ra­ções com vá­ri­as en­ti­da­des ban­cá­ri­as, de for­ma a con­quis­tar a con­fi­an­ça dos cli­en­tes. Ho­je, o sis­te­ma de pagamentos móveis e os correspondentes bancários são dois pi­la­res im­por­tan­tes que sus­ci­tam a aten­ção dos re­gu­la­do­res e de ou­tros in­ter­ve­ni­en­tes do sis­te­ma fi­nan­cei­ro, por­quan­to im­pac­tam di­rec­ta­men­te na pro­mo­ção e no uso dos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros, em to­da sua ex­ten­são e pro­fun­di­da­de.

An­tó­nio da Cruz dis­se que o pro­jec­to es­tra­té­gi­co do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, in­se­ri­do no PND, vi­sa a pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to da ci­ên­cia e tec­no­lo­gia e da ino­va­ção, a pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e a me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções. Fru­to do pro­gra­ma de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra, des­de 2011 mais de 400 mil con­tas fo­ram aber­tas em do­ze ban­cos co­mer­ci­ais, de­no­mi­na­da Ban­ki­ta, de re­gi­me sim­pli­fi­ca­do, co­mo as pou­pan­ças “ban­qui­ta a cres­cer”, com ca­rac­te­rís­ti­ca de de­pó­si­tos à or­dem e a pra­zo.

No se­gun­do tri­mes­tre des­te ano, as con­tas Ban­ki­ta cres­ce­ram de 23 pa­ra 43 por cen­to, com­pa­ra­ti­va­men­te ao mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or. An­go­la vi­ve ac­tu­al­men­te uma ace­le­ra­ção no pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, cu­jo pres­su­pos­to fun­da­men­tal pas­sa por de­sen­vol­ver a agri­cul­tu­ra, a in­dús­tria, o sec­tor mi­nei­ro e de­mais sec­to­res vi­tais da eco­no­mia. O BNA pre­ten­deu, com es­se fórum, po­ten­ci­ar o aces­so aos pro­du­tos e o uso dos ser­vi­ços fi­nan­cei­ros e, es­sen­ci­al­men­te, alar­gar o en­ten­di­men­to em re­la­ção às ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tros paí­ses, nu­ma pers­pec­ti­va de con­so­li­dar as ba­ses pa­ra uma es­tra­té­gia de in­clu­são fi­nan­cei­ra adap­ta­da à re­a­li­da­de an­go­la­na.

Em aná­li­se es­ta­vam os te­mas apre­sen­ta­dos por pre­lec­to­res na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, com des­ta­que pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas da Amé­ri­ca La­ti­na, Ugan­da e de Mo­çam­bi­que, que en­fa­ti­za­ram o im­pac­to do de­sen­vol­vi­men­to do sis­te­ma de pagamentos móveis, as­sen­te na uti­li­za­ção de dis­po­si­ti­vos elec­tró­ni­cos de co­mu­ni­ca­ção, com pre­pon­de­rân­cia pa­ra o te­le­mó­vel, pa­ra a efec­ti­va­ção de ope­ra­ções ban­cá­ri­as.

Num qua­dro ge­ral, o fórum ser­viu pa­ra es­ta­be­le­cer si­ner­gi­as en­tre as po­lí­ti­cas de in­clu­são so­ci­al (pro­gra­mas de in­te­gra­ção so­ci­al e eco­nó­mi­ca) e a es­tra­té­gia de in­clu­são fi­nan­cei­ra, pa­ra con­fe­rir a au­ten­ti­ci­da­de das ac­ções já de­sen­vol­vi­das no país e pa­ra pro­pi­ci­ar o co­nhe­ci­men­to de ex­pe­ri­ên­ci­as bem-su­ce­di­das nou­tros paí­ses.

Com a ade­qua­da ex­pan­são da in­clu­são fi­nan­cei­ra, o BNA pers­pec­ti­va a pro­mo­ção de uma au­to­no­mia eco­nó­mi­ca, pos­si­bi­li­tan­do o de­sen­vol­vi­men­to de ac­ti­vi­da­des em­pre­en­de­do­ras que ge­ram em­pre­go e am­pli­am o ren­di­men­to das fa­mí­li­as e, tam­bém, ga­ran­tir o aces­so a ser­vi­ços fi­nan­cei­ros bá­si­cos, se­gu­ros, efi­ci­en­tes e re­gu­la­dos, in­de­pen­den­te­men­te do seu ren­di­men­to e da sua lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

KINDALA MA­NU­EL

Fra­ca ban­ca­ri­za­ção es­tá li­ga­da à con­cen­tra­ção da ban­ca nos prin­ci­pais cen­tros ur­ba­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.