Aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res atin­giu ní­veis al­tos e alar­man­tes

Pi­nhei­ro é a es­pé­cie mais pro­cu­ra­da pe­los ma­dei­rei­ros e car­vo­ei­ros

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTÓRIA QUINTAS | Huambo

O aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res tor­nou-se fre­quen­te na pro­vín­cia do Huambo, o que po­de pro­vo­car sé­ri­os pro­ble­mas am­bi­en­tais, co­mo a des­flo­res­ta­ção, ero­são dos so­los, ra­vi­nas, se­ca, di­mi­nui­ção da fer­ti­li­da­de das ter­ras e da pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la, al­te­ra­ção do ci­clo hi­dro­ló­gi­co e con­ta­mi­na­ção das águas.

A ac­ti­vi­da­de é exer­ci­da por mui­tas fa­mí­li­as e até por em­pre­sas, pa­ra ex­plo­ra­ção de car­vão, de ma­dei­ra, cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções e de em­pre­en­di­men­tos. O pi­nhei­ro, mui­to co­mum na pro­vín­cia do Huambo, é a es­pé­cie mais pro­cu­ra­da.

Am­bi­en­ta­lis­tas aler­tam que a des­flo­res­ta­ção tem efei­tos mais gra­ves, co­mo o aque­ci­men­to glo­bal, a di­mi­nui­ção da bi­o­di­ver­si­da­de, a mo­di­fi­ca­ção da cros­ta ter­res­tre e a emis­são de dió­xi­do de car­bo­no pa­ra a at­mos­fe­ra.

O co­or­de­na­dor da As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al dos Eco­lo­gis­tas e Am­bi­en­ta­lis­tas de An­go­la, An­tó­nio Ma­nu­el Tei­xei­ra, afir­ma que a me­lhor for­ma de ges­tão flo­res­tal é a re­po­si­ção das plan­tas de­vas­ta­das, “por­que con­tri­bui pa­ra ame­ni­zar o am­bi­en­te, re­duz a quan­ti­da­de de ra­di­a­ção que atin­ge o so­lo e fun­ci­o­na co­mo pu­ri­fi­ca­dor.”

Pa­ra is­so, dis­se, é ne­ces­sá­ria a cri­a­ção de re­gras sim­ples, que se re­su­mem em cri­ar vi­vei­ros nas zo­nas de aba­te e de trans­plan­te das ár­vo­res. “Se da der­ru­ba de ár­vo­res é pos­sí­vel ter­mos ma­dei­ra, ce­lu­lo­se, re­sí­du­os pa­ra a pro­du­ção de con­tra­pla­ca­dos ou ou­tros de­ri­va­dos, não custa na­da re­ti­rar uma par­te dos ren­di­men­tos pa­ra apli­car na cons­tru­ção dos me­ca­nis­mos de re­po­si­ção da flo­res­ta”, acon­se­lhou.

O am­bi­en­ta­lis­ta dis­se ha­ver pou­ca sen­si­bi­li­da­de e fal­ta de co­nhe­ci­men­to pa­ra as im­pli­ca­ções que a des­trui­ção das flo­res­tas cau­sa ao am­bi­en­te.

Ma­nu­el Tei­xei­ra aler­ta que a ges­tão des­co­or­de­na­da, ir­res­pon­sá­vel e ir­ra­ci­o­nal das flo­res­tas faz com que uma par­te im­por­tan­te da ter­ra fi­que des­co­ber­ta do me­ca­nis­mo de pro­tec­ção con­tra a ra­di­a­ção so­lar, “sem a qual a ra­di­a­ção é de­vol­vi­da pa­ra a at­mos­fe­ra, con­tri­buin­do pa­ra um mai­or aque­ci­men­to.”

Com a re­du­ção da co­ber­tu­ra flo­res­tal, acres­cen­tou, a quan­ti­da­de de água das chu­vas ao atin­gir a su­per­fí­cie do so­lo não é in­fil­tra­da.

A água es­cor­re pe­la su­per­fí­cie, ar­ras­tan­do con­si­go a par­te mais fér­til do so­lo. “Des­te mo­do, não ofe­re­ce ali­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra a ca­deia ali­men­tar, nem ha­bi­tat pa­ra os se­res vi­vos, in­cluin­do o pró­prio ho­mem. É uma sé­rie de im­pli­ca­ções que po­dem ser en­qua­dra­das do pon­to de vis­ta glo­bal do de­se­qui­lí­brio da na­tu­re­za, do ecos­sis­te­ma e da bi­o­di­ver­si­da­de”, dis­se o am­bi­en­ta­lis­ta.

O vi­ce-de­ca­no pa­ra a Área Ci­en­tí­fi­ca da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Agrá­ri­as, Ji­nhas Ma­nu­el, dis­se que o aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res dei­xa o so­lo des­co­ber­to e fi­ca sus­cep­tí­vel à ero­são de vá­ri­os ti­pos co­mo a hí­dri­ca e a eó­li­ca.“As ár­vo­res pro­du­zem oxi­gé­nio, con­so­mem e ar­ma­ze­nam o dió­xi­do de car­bo­no, re­gu­lam a tem­pe­ra­tu­ra e o ci­clo da água, que é ab­sor­vi­da da at­mos­fe­ra”, dis­se. Pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção, o go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Huambo, João Bap­tis­ta Kus­su­mua, pro­me­teu in­ver­ter o qua­dro com a to­ma­da de du­ras me­di­das con­tra os que der­ru­ba­rem as flo­res­tas.

Du­ran­te uma vi­si­ta efec­tu­a­da ao pe­rí­me­tro flo­res­tal da co­mu­na do Cuí­ma, no mu­ni­cí­pio da Caá­la, o go­ver­na­dor dis­se que “há ne­ces­si­da­de e ur­gên­cia de se pôr co­bro à si­tu­a­ção.” Kus­su­mua ori­en­tou à ad­mi­nis­tra­ção da Caá­la pa­ra fa­zer di­li­gên­ci­as pa­ra con­ter o cor­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res e apli­car me­di­das que de­sen­co­ra­jem es­ta ac­ti­vi­da­de.

EDU­AR­DO PEDRO

Pi­nhei­ro cor­re o ris­co de de­sa­pa­re­cer no Huambo de­vi­do à ac­ção dos car­vo­ei­ros e ma­dei­rei­ros que in­dis­cri­mi­na­da­men­te aba­tem as ár­vo­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.