“Ges­tão pú­bli­ca de­ve ser mais par­ti­ci­pa­ti­va”

Jornal de Angola - - POLÍTICA - YARA SIMÃO |

An­go­la de­ve con­ti­nu­ar a ser cons­truí­da com ba­se na afir­ma­ção da von­ta­de so­be­ra­na e le­gí­ti­ma do po­vo, nu­ma ma­ni­fes­ta­ção da sua li­ber­da­de e vo­ca­ção, de­fen­deu on­tem, em Lu­an­da, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos.

An­tó­nio Ben­to Bem­be, que dis­cur­sa­va na aber­tu­ra do Fórum Na­ci­o­nal com a So­ci­e­da­de Ci­vil, dis­se que o even­to não con­fi­gu­ra ape­nas a con­cre­ti­za­ção da vi­si­bi­li­da­de e afir­ma­ção do país. É, so­bre­tu­do, o me­ca­nis­mo de ex­ce­lên­cia ca­paz de fa­vo­re­cer a in­te­gra­ção so­ci­al e tor­nar a ges­tão pú­bli­ca mais par­ti­ci­pa­ti­va, “ou se­ja, não ape­nas go­ver­nar pa­ra o po­vo, mas tam­bém go­ver­nar com o po­vo”.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do acres­cen­tou que o Fórum é a con­cre­ti­za­ção de um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas que já se tem ve­ri­fi­ca­do, mos­tran­do, de for­ma cla­ra e evi­den­te, o com­pro­mis­so em fo­men­tar a apro­xi­ma­ção en­tre o ci­da­dão e o Go­ver­no. Es­cla­re­ceu que a pre­ten­são do fórum é cum­prir com as re­co­men­da­ções dos vá­ri­os tra­ta­dos ra­ti­fi­ca­dos pe­lo Es­ta­do an­go­la­no, que de­vem in­cluir a so­ci­e­da­de ci­vil co­mo in­te­gran­te no pro­ces­so de con­so­li­da­ção do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to.

“O nos­so de­sa­fio é a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de plu­ral, in­clu­si­va, aber­ta e li­vre, ca­paz de pro­por­ci­o­nar uma vi­da dig­na aos nos­sos ci­da­dãos”, afir­mou Ben­to Bem­be, pa­ra quem, ho­je, evo­car a de­mo­cra­cia pres­su­põe uma re­fe­rên­cia ao exer­cí­cio do po­der po­pu­lar atra­vés de elei­ções com­pe­ti­ti­vas, a re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca, o res­pei­to pe­los di­rei­tos fun­da­men­tais, o pri­ma­do da lei, a se­pa­ra­ção dos po­de­res, a exis­tên­cia de frei­os e con­tra­pe­sos, bem co­mo o con­tro­lo ci­vil e das Forças Armadas. “Ac­tu­al­men­te os go­ver­nos e as ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas são ca­da vez mais obri­ga­das a apli­car sis­te­mas de con­sul­ta e con­cer­ta­ção com a so­ci­e­da­de ci­vil, con­jun­tos he­te­ro­gé­ne­os de for­mas de or­ga­ni­za­ção da po­pu­la­ção, an­tes de de­fi­nir es­tra­té­gi­as que cons­ti­tu­em as li­nhas mes­tras das po­lí­ti­cas pú­bli­cas”, dis­se o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos, que acres­cen­tou que a par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de ci­vil é in­dis­pen­sá­vel, uma vez que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas são di­ri­gi­das à po­pu­la­ção, pois as su­as opi­niões e con­tri­bui­ções de­vem ser ti­das em con­ta pa­ra op­ti­mi­zar os pro­ces­sos de de­ci­sões. Es­ta par­ti­ci­pa­ção, su­bli­nhou, de­ve ser li­vre e es­pon­tâ­nea, sem vín­cu­los nem ten­dên­ci­as par­ti­dá­ri­as, agen­das po­lí­ti­cas en­co­men­da­das ou ori­en­ta­das, nem tão-pou­co um pro­pó­si­to sin­gu­lar pré-es­ta­be­le­ci­do.

“A fun­ção da so­ci­e­da­de ci­vil, pe­lo me­nos aque­la que que­re­mos, é ve­lar pa­ra que a so­ci­e­da­de adop­te a aber­tu­ra, a to­le­rân­cia e a igual­da­de co­mo va­lo­res que ori­en­tam as nos­sas aná­li­ses e con­ce­ções, a nos­sa men­ta­li­da­de e na for­ma­ção das nos­sas po­lí­ti­cas de de­sen­vol­vi­men­to”, dis­se.

O Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, re­fe­riu , tem co­mo atri­bui­ções pro­por a for­mu­la­ção, con­du­zir, exe­cu­tar e ava­li­ar a po­lí­ti­ca de jus­ti­ça e de pro­mo­ção e ob­ser­vân­cia dos di­rei­tos hu­ma­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.