CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ARMÉNIO AN­TÓ­NIO | MARGARIDA NUNES | SIMÃO AUGUSTO | LUCINDA ABREU |

Pre­ço de pro­du­tos bá­si­cos

É verdade que os pre­ços de mui­tos pro­du­tos bá­si­cos es­tão a bai­xar no mer­ca­do, mas tam­bém é verdade que há ain­da co­mer­ci­an­tes que que­rem ga­nhar mui­to di­nhei­ro com a es­pe­cu­la­ção. Há di­as com­prei nu­ma can­ti­na uma gar­ra­fa de óleo a mil kwanzas, um pro­du­to que es­tá a ser co­mer­ci­a­li­za­do pe­las zun­guei­ras a 600 ou 500 kwanzas. É mui­ta a di­fe­ren­ça. Ape­lo às au­to­ri­da­des que fis­ca­li­zam as ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas pa­ra to­ma­rem me­di­das no sen­ti­do de se tra­var a es­pe­cu­la­ção que é pra­ti­ca­da em Lu­an­da. Os tra­ba­lha­do­res pre­ci­sam de po­der ad­qui­rir, pe­lo me­nos a ces­ta bá­si­ca. Sei que o Go­ver­no es­tá a fa­zer es­for­ços pa­ra se aca­bar com a es­pe­cu­la­ção, mas era bom que es­tes es­for­ços fos­sem per­sis­ten­tes, pa­ra de­sen­co­ra­jar es­ta prá­ti­ca que di­fi­cul­ta a vi­da dos tra­ba­lha­do­res. Es­tou sa­tis­fei­to com o fac­to de o pre­ço do pão es­tar a bai­xar. Que ou­tros pro­du­tos con­ti­nu­em a bai­xar ain­da mais, pa­ra que au­men­te o po­der de com­pra dos tra­ba­lha­do­res.

Aju­da a ido­sos

Há no meu bair­ro mui­tos ido­sos que pre­ci­sam de as­sis­tên­cia. Aper­ce­bi-me há tem­pos de que há ido­sos que não re­ce­bem as­sis­tên­cia ne­ces­sá­ria dos seus pró­pri­os pa­ren­tes, que os mal­tra­tam, por­que acham que os ve­lhos são um far­do. É pre­ci­so que ha­ja so­li­da­ri­e­da­de com os ido­sos e pen­so que se de­vi­am or­ga­ni­zar cam­pa­nhas a in­cen­ti­var a sua pro­tec­ção, a exem­plo do que se faz com as cri­an­ças. As cri­an­ças e os ido­sos são vul­ne­rá­veis. Te­mos to­dos de unir es­for­ços pa­ra pro­te­gê-los.

Al­guém já es­cre­veu , e bem , nes­te es­pa­ço, que não é jus­to que se mal­tra­tem os ido­sos que mui­to tra­ba­lha­ram pa­ra edu­car os seus fi­lhos. Os fi­lhos de­vem amar os seus pais e ou­tros pa­ren­tes ido­sos. Pen­so que nas es­co­las pri­má­ri­as se de­vem edu­car as cri­an­ças no sen­ti­do de elas res­pei­ta­rem os ido­sos, trans­mi­tin­do-lhes co­nhe­ci­men­tos so­bre a im­por­tân­cia dos mais ve­lhos na so­ci­e­da­de. Os ido­sos não são um far­do. Eles têm mui­ta coi­sa a en­si­nar aos mais jo­vens. Eu ti­ve o pri­vi­lé­gio de co­nhe­cer os meus avós pa­ter­nos e ma­ter­nos e apren­di mui­to com eles. Eu fa­la­va com eles du­ran­te mui­tas ho­ras. É bom sa­ber es­cu­tar os mais ve­lhos.

Vi­si­tas aos mu­ni­cí­pi­os

Te­nho co­nhe­ci­men­to de que de­pu­ta­dos do MPLA es­tão a vi­si­tar mui­tos mu­ni­cí­pi­os do nos­so país. Pen­so que a ini­ci­a­ti­va dos par­la­men­ta­res do MPLA , par­ti­do que es­tá no po­der, é po­si­ti­va, e dei­xa an­te­ver que mui­ta coi­sa que es­tá mal po­de mu­dar. É im­por­tan­te que os par­la­men­ta­res to­mem con­tac­to com a vi­da das po­pu­la­ções. Afi­nal eles fo­ram elei­tos pe­lo po­vo, pe­lo que de­vem ter a obri­ga­ção de o ser­vir.

Te­mos ain­da mui­tos pro­ble­mas por re­sol­ver no nos­so país. O con­tac­to di­rec­to com es­tes pro­ble­mas po­de per­mi­tir que se pro­du­zam re­la­tó­ri­os com da­dos ac­tu­a­li­za­dos, a fim de os ór­gãos do Go­ver­no po­de­rem aper­ce­ber-se des­ta ou da­que­la di­fi­cul­da­de por que pas­sam as po­pu­la­ções. Di­zia o pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, que “o mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo”. Es­ta pa­la­vra de or­dem ser­ve pa­ra os di­as de ho­je, em que te­mos de su­pe­rar si­tu­a­ções di­ver­sas que têm a ver com o pro­ces­so de me­lho­ria das con­di­ções de vi­da dos ci­da­dãos.

Fis­ca­li­za­ção às far­má­ci­as

É im­por­tan­te que ha­ja fis­ca­li­za­ção às nos­sas far­má­ci­as, pa­ra se de­tec­ta­rem me­di­ca­men­tos que es­te­jam fo­ra do pra­zo de va­li­da­de. A fis­ca­li­za­ção às ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas não se de­ve li­mi­tar às can­ti­nas que ven­dem pro­du­tos ali­men­ta­res. As far­má­ci­as de­vem ser tam­bém ob­jec­to de fis­ca­li­za­ção per­ma­nen­te. A fis­ca­li­za­ção de­ve ave­ri­guar se os me­di­ca­men­tos nas far­má­ci­as es­tão em con­di­ções de se­rem co­mer­ci­a­li­za­dos e se as pes­so­as que tra­ba­lham ne­las têm as ne­ces­sá­ri­as com­pe­tên­ci­as pa­ra exer­cer a pro­fis­são de far­ma­cêu­ti­co. Num país co­mo o nos­so em que há inú­me­ras ir­re­gu­la­ri­da­des ao ní­vel das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas to­do o cui­da­do é pou­co. Gos­ta­va que se fis­ca­li­zas­se tam­bém as cre­ches. Há pes­so­as que an­dam a cri­ar cre­ches em vá­ri­os bair­ros sem que te­nham con­di­ções pa­ra cui­dar de cri­an­ças.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.