Van­da­lis­mo e po­bre­za

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Va­ri­a­das ve­zes ou­vi­mos, ba­se­an­do-se em in­di­ca­do­res so­ci­ais, que a mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na é po­bre e que, ao la­do das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, par­cei­ros so­ci­ais, en­vi­da es­for­ços gi­gan­tes­cos pa­ra man­ter com al­gu­ma dig­ni­da­de os agre­ga­dos fa­mi­li­a­res.

Mas aten­den­do à di­nâ­mi­ca da vi­da, ra­ras ve­zes se no­tam pro­nun­ci­a­men­tos a fa­vor da ma­nu­ten­ção do pou­co que se con­se­gue, dos par­cos re­cur­sos que se ob­tém, das con­quis­tas já al­can­ça­das e que jo­gam pa­pel ins­tru­men­tal na di­rec­ção in­ver­sa da po­bre­za. Es­ta, co­mo pro­va a ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na, nem sem­pre se de­ve tan­to à fal­ta de bens ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tu­ais, mas so­bre­tu­do pe­lo des­per­dí­cio, uso des­re­gra­do ou des­trui­ção do que se tem.

Mais do que rei­vin­di­car o mui­to que fal­ta pa­ra o bem-es­tar pes­so­al, fa­mi­li­ar e de to­da a so­ci­e­da­de, em­bo­ra le­gí­ti­mo e na­tu­ral, é vi­tal que se pre­ser­ve o pou­co que exis­te.

Não se po­de con­ti­nu­ar a des­per­di­çar o pou­co que te­mos, per­mi­tir a des­trui­ção de bens que cus­tam ele­va­das so­mas ao Es­ta­do e que vi­sam a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da de to­da a po­pu­la­ção.

Pre­ci­sa­mos to­dos de re­flec­tir so­bre o que re­al­men­te pre­ten­de­mos em so­ci­e­da­de, nu­ma al­tu­ra em que a in­dis­ci­pli­na, a on­da de van­da­lis­mo e, mais pre­o­cu­pan­te, a in­di­fe­ren­ça com que se as­sis­te a tu­do is­so as­su­me con­tor­nos de uma es­pé­cie de au­to­fla­ge­la­ção.

Não é nor­mal ver bens pú­bli­cos a se­rem van­da­li­za­dos sem que se im­pe­ça ou, no mí­ni­mo, se con­tri­bua pa­ra que as au­to­ri­da­des ac­tu­em no tem­po de­vi­do. O que su­ce­deu no Ca­ma­ma de­ve ser­vir de lem­bran­ça a to­dos de que, con­tra­ri­a­men­te à ideia de que ca­be ao Es­ta­do fa­zer a de­fe­sa dos bens pú­bli­cos, cons­ti­tui uma obri­ga­ção de ca­da um de nós par­ti­ci­par des­te im­por­tan­te ac­to, de­fen­der o que é de to­dos.

A ac­ção cri­mi­no­sa, tra­du­zi­da na des­trui­ção e rou­bo de equi­pa­men­tos eléc­tri­cos em fa­se de con­clu­são pa­ra o for­ne­ci­men­to de ener­gia no mu­ni­cí­pio de Be­las, cons­ti­tui um de­li­to de ele­va­da gra­vi­da­de.

A des­trui­ção de 36 pos­tos de trans­for­ma­ção, e mais de 40 ar­má­ri­os de dis­tri­bui­ção já con­cluí­dos re­pre­sen­ta per­das mo­nu­men­tais e um gran­de re­tro­ces­so nos es­for­ços das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do pa­ra a re­du­ção do dé­fi­ce de for­ne­ci­men­to e con­su­mo de ener­gia eléc­tri­ca na­que­la cir­cuns­cri­ção ad­mi­nis­tra­ti­va.

Não há dú­vi­da de que tais ac­tos cons­ti­tu­em igual­men­te um ou vá­ri­os pas­sos da­dos na di­rec­ção do em­po­bre­ci­men­to de nu­me­ro­sas fa­mí­li­as, na ele­va­ção dos cus­tos de vá­ri­as em­pre­sas e na so­bre­car­ga ao Es­ta­do.

Em­bo­ra as pes­so­as im­pli­ca­das es­te­jam já de­ti­das pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal, ur­ge to­mar me­di­das mais se­ve­ras pa­ra que es­ses pre­ce­den­tes não pre­va­le­çam co­mo “mo­dus vi­ven­di” de mui­tos na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros.

Tal co­mo su­ce­deu com ma­te­ri­ais eléc­tri­cos que se des­ti­na­vam ao for­ne­ci­men­to de ener­gia aos mo­ra­do­res de al­guns bair­ros da co­mu­na do Ca­ma­ma, mu­ni­cí­pio de Be­las, ac­ções de di­men­são se­me­lhan­te ou apro­xi­ma­da ocor­rem com ou­tros bens pú­bli­cos. Co­mo de­nun­ci­ou a ad­mi­nis­tra­do­ra exe­cu­ti­va da Em­pre­sa de Águas de Lu­an­da (EPAL), gran­de par­te das si­tu­a­ções de res­tri­ção no for­ne­ci­men­to de água a uma das cen­tra­li­da­des de­ve-se às sa­bo­ta­gens cons­tan­tes na con­du­ta.

Na verdade, o ga­rim­po de água e sa­bo­ta­gem às con­du­tas de água um pou­co por to­do o la­do, par­ti­cu­lar­men­te em Lu­an­da, tem si­do uma au­tên­ti­ca dor de ca­be­ça pa­ra a em­pre­sa de águas da ca­pi­tal. Nu­me­ro­sos ca­sos fo­ram pa­rar aos ór­gãos com­pe­ten­tes de jus­ti­ça, mas a prá­ti­ca pa­re­ce ain­da lon­ge de uma de­fi­ni­ti­va eli­mi­na­ção, re­a­li­da­de que de ten­de a efec­ti­var-se ape­nas com a adop­ção de me­di­das apro­pri­a­das.

A co­me­çar com ac­ções de sen­si­bi­li­za­ção, não é exa­ge­ra­do de­fen­der pu­ni­ções se­ve­ras con­tra to­dos os que pra­ti­cam ac­tos de van­da­lis­mo, rou­bo e com­ple­ta des­trui­ção de bens pú­bli­cos tais co­mo ma­te­ri­ais eléc­tri­cos, con­du­tas de água, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes.

As co­mu­ni­da­des de­vem ser as pri­mei­ras a fa­zer a de­fe­sa dos bens co­lo­ca­dos ao seu ser­vi­ço, por meio da sen­si­bi­li­za­ção e da edu­ca­ção dos seus mem­bros, bem co­mo co­la­bo­ra­ção com a Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

Tra­ta-se de epi­só­di­os re­cor­ren­tes que su­ce­dem um pou­co por to­do o la­do e que con­cor­rem pa­ra que fe­nó­me­nos co­mo a po­bre­za se acen­tu­em jun­to das co­mu­ni­da­des. É pre­ci­so que to­dos se em­pe­nhem na pre­ser­va­ção do pou­co, que diz res­pei­to a to­dos, que exis­te nas co­mu­ni­da­des co­mo for­ma de evi­tar a dis­per­são de es­for­ços na pros­se­cu­ção do bem co­mum e ge­ne­ra­li­za­ção da po­bre­za.

Pre­ci­sa­mos to­dos de ali­nhar no mes­mo di­a­pa­são das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do que in­can­sa­vel­men­te lu­tam pa­ra que in­di­ca­do­res so­ci­ais co­mo a po­bre­za co­nhe­çam as vi­as da sua er­ra­di­ca­ção e não o con­trá­rio.

Com­ba­ta­mos to­dos o van­da­lis­mo con­tra os ma­te­ri­ais eléc­tri­cos e de cons­tru­ção ci­vil, con­tra as con­du­tas de água, nas es­tra­das, nas es­co­las, nas em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das, no meio am­bi­en­te, en­quan­to fe­nó­me­no que acen­tua tam­bém a po­bre­za nas co­mu­ni­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.