Ni­co­lás Ma­du­ro pe­de res­pei­to to­tal à lei

Va­ti­ca­no e Una­sul cri­a­ram pla­ta­for­ma com Go­ver­no e opo­si­ção pa­ra su­pe­rar a cri­se

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MATOS |

O Pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro en­vi­ou on­tem uma men­sa­gem po­lí­ti­ca aos seus opo­si­to­res na qual re­fe­re que o diálogo ser­ve ape­nas pa­ra estabilizar o país e pre­pa­rar as elei­ções pre­si­den­ci­ais, em res­pei­to à Cons­ti­tui­ção ve­ne­zu­e­la­na que ga­ran­te o exer­cí­cio com­ple­to do man­da­to pre­si­den­ci­al.

Ni­co­lás Ma­du­ro dis­se que ori­en­tou o go­ver­no a di­a­lo­gar com a opo­si­ção so­bre “os mei­os po­lí­ti­cos ne­ces­sá­ri­os pa­ra que ces­sem os ata­ques às ins­ti­tui­ções e ao re­gi­me vi­gen­te, pa­ra se dar lu­gar a ac­ções que, além de res­tau­rar a paz po­lí­ti­ca e so­ci­al, per­mi­tam aos ci­da­dãos apre­ci­a­rem às prá­ti­cas dos ac­to­res e as­se­gu­rem a sua es­co­lha.

Os lí­de­res dos par­ti­dos na opo­si­ção, que do­mi­nam o Par­la­men­to, acei­tam o diálogo, mas ad­ver­tem que vão man­ter a sua po­si­ção de an­te­ci­par a saí­da do Pre­si­den­te do po­der. A pos­si­bi­li­da­de de diálogo en­tre o Go­ver­no e a opo­si­ção es­tá a ser pro­mo­vi­da pe­lo Pa­pa Fran­cis­co e pe­la União de Na­ções Sul-Ame­ri­ca­nas (Una­sul). O Pa­pa acre­di­ta que exis­te uma opor­tu­ni­da­de pa­ra os po­lí­ti­cos se apro­xi­ma­rem e ul­tra­pas­sa­rem di­fe­ren­ças em no­me do po­vo e em prol da es­ta­bi­li­da­de e do de­sen­vol­vi­men­to. O líder da Igre­ja Ca­tó­li­ca, o ar­gen­ti­no “Ge­or­ge Ber­gó­lio”, tem si­do no­tá­vel na are­na po­lí­ti­ca, mais do que pe­las su­as pa­la­vras, con­tam as su­as ac­ções co­mo pro­mo­tor da paz e gran­de im­pul­si­o­nar de com­pro­mis­sos en­tre forças opos­tas. O ca­so de Cu­ba e da Colôm­bia ser­vem co­mo exem­plos da sua en­tre­ga a paz e ao de­sen­vol­vi­men­to. O Pa­pa e a Una­sul já con­se­gui­ram fru­tos, com um acor­do pa­ra a agen­da de ne­go­ci­a­ções, du­ran­te uma reu­nião en­tre de­le­ga­dos do Go­ver­no da Venezuela e da opo­si­ção.

A agen­da es­ta­be­le­ce que as ne­go­ci­a­ções de­vem se con­cen­trar em qua­tro te­mas fun­da­men­tais a ser abor­da­dos em me­sas se­pa­ra­das e cu­ja ins­ta­la­ção vai ser ime­di­a­ta, se­gun­do o co­mu­ni­ca­do li­do pe­lo re­pre­sen­tan­te do Va­ti­ca­no, Clau­dio Ma­ría Cel­li, após uma pri­mei­ra reu­nião ple­ná­ria de diálogo na­ci­o­nal. Uma das me­sas vai ser de­di­ca­da à paz, res­pei­to ao es­ta­do de di­rei­to e à so­be­ra­nia, re­za o do­cu­men­to. Ou­tra vai dis­cu­tir verdade, jus­ti­ça, di­rei­tos hu­ma­nos, re­pa­ra­ção de ví­ti­mas e re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal. A ter­cei­ra vai ter co­mo te­mas as áre­as eco­nó­mi­ca e so­ci­al, pa­ra en­ca­rar a se­ve­ra cri­se que ge­ra es­cas­sez de ali­men­tos e re­mé­di­os, e a quar­ta a ge­ra­ção de con­fi­an­ça e cro­no­gra­ma elei­to­ral. Go­ver­no e opo­si­ção con­cor­da­ram com um no­vo en­con­tro no dia 11 des­te mês em Ca­ra­cas, após a reu­nião de on­tem num mu­seu da ca­pi­tal.

“Com o pro­pó­si­to de man­ter e pre­ser­var um am­bi­en­te de paz e de con­cór­dia, o go­ver­no e a opo­si­ção se com­pro­me­te­ram em di­mi­nuir o tom de agres­si­vi­da­de da lin­gua­gem uti­li­za­da no de­ba­te po­lí­ti­co”, des­ta­ca o tex­to li­do por Cel­li ao la­do do se­cre­tá­rio-ge­ral da Una­sul, o ex-pre­si­den­te co­lom­bi­a­no Er­nes­to Sam­per.

Gol­pe da opo­si­ção

O re­pre­sen­tan­te do Go­ver­no, Jor­ge Ro­drí­guez, des­ta­cou à im­pren­sa que “es­tá a nas­cer uma pos­si­bi­li­da­de cer­ta de que a paz se im­po­nha pa­ra sem­pre so­bre a vi­o­lên­cia”.

Jor­ge Ro­drí­guez re­fe­riu que o Go­ver­no se com­pro­me­te a fa­zer com que es­te pro­ces­so te­nha re­sul­ta­dos cer­tei­ros e rá­pi­dos. O se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da Me­sa da Unidade De­mo­crá­ti­ca (MUD), Je­sús Tor­re­al­ba, anun­ci­ou que, de mo­do pa­ra­le­lo ao diálogo, a opo­si­ção vai man­ter a es­tra­té­gia con­tra o Go­ver­no, que com­bi­na pro­tes­tos nas ru­as e a de­cla­ra­ção de Ma­du­ro em aban­do­no de car­go por par­te do Par­la­men­to, do­mi­na­do pe­la opo­si­ção.

Tor­re­al­ba dis­se que a MUD de­fen­deu na me­sa o resgate do re­fe­ren­do re­vo­ga­tó­rio con­tra Ma­du­ro ou que con­ver­se­mos so­bre o adi­an­ta­men­to das elei­ções pre­si­den­ci­ais.

O pro­ces­so pa­ra a con­sul­ta po­pu­lar foi sus­pen­so no dia 20 de Ou­tu­bro, após de­ci­sões ju­di­ci­ais que can­ce­la­ram um re­co­lhi­men­to de as­si­na­tu­ras ne­ces­sá­rio pa­ra a sua ac­ti­va­ção.

O Par­la­men­to de­nun­ci­ou uma rup­tu­ra do mar­co cons­ti­tu­ci­o­nal e pro­põe-se de­cla­rar Ma­du­ro em aban­do­no de car­go por su­pos­to não cum­pri­men­to de su­as fun­ções.

Um jul­ga­men­to po­lí­ti­co não es­tá pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção e, de qual­quer for­ma, a jus­ti­ça, se­gun­do a MUD a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ra­zão pe­la qual as su­as de­ci­sões são con­si­de­ra­das ile­gais.

AFP

Che­fe de Es­ta­do ve­ne­zu­e­la­no Ni­co­lás Ma­du­ro dis­se que o diálogo ser­ve ape­nas pa­ra estabilizar o país e pre­pa­rar as pre­si­den­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.