Animais sel­va­gens em que­da acen­tu­a­da

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A bi­o­di­ver­si­da­de do pla­ne­ta es­tá a di­mi­nuir num rit­mo alar­man­te e is­so co­lo­ca em ris­co a so­bre­vi­vên­cia das es­pé­ci­es e do pró­prio ser hu­ma­no.

O aler­ta es­tá no re­la­tó­rio The Li­ving Pla­net Re­port 2016 (Pla­ne­ta Vi­vo) da or­ga­ni­za­ção am­bi­en­tal WWF, que é di­vul­ga­do a ca­da dois anos pe­la Zo­o­lo­gi­cal So­ci­ety of Lon­don (ZSL).

O re­la­tó­rio re­fe­re que a po­pu­la­ção de animais sel­va­gens caiu 58 por cen­to des­de 1970. Os nú­me­ros mos­tram que as es­pé­ci­es que vi­vem em la­gos, ri­os e pân­ta­nos fo­ram as que mais so­fre­ram re­du­ções e que, se na­da for fei­to, até 2020, a po­pu­la­ção de ver­te­bra­dos es­ta­rá re­du­zi­da a dois ter­ços da ac­tu­al.

As prin­ci­pais cau­sas des­se de­clí­nio são a ac­ção di­rec­ta do ho­mem (in­cluin­do a des­trui­ção de ha­bi­tats e o trá­fi­co de animais sil­ves­tres), a po­lui­ção e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

A pes­qui­sa pe­de mu­dan­ças ime­di­a­tas na ma­nei­ra co­mo ex­plo­ra­mos as fontes de ener­gia e ali­men­to do pla­ne­ta, pro­tec­ção da bi­o­di­ver­si­da­de e apoio a mo­de­los de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

“Es­tá cla­ro que, se con­ti­nu­ar­mos do jei­to que es­ta­mos, va­mos ver o de­clí­nio cons­tan­te dos animais sel­va­gens. Che­ga­mos a um pon­to em que não há mais des­cul­pa pa­ra se­guir­mos as­sim”, dis­se Mi­ke Bar­rett, di­rec­tor de Ci­ên­cia e Po­lí­ti­ca da WWF. “Sa­be­mos as cau­sas e o im­pac­to da ac­ção do ho­mem na na­tu­re­za e nas po­pu­la­ções de animais sel­va­gens. Te­mos que agir ago­ra”, aler­ta. O re­la­tó­rio es­tu­dou 3,7 mil es­pé­ci­es de aves, peixes, ma­mí­fe­ros, an­fí­bi­os e rép­teis, o que re­pre­sen­ta seis por cen­to do nú­me­ro to­tal de ver­te­bra­dos exis­ten­tes no mun­do.

Os pes­qui­sa­do­res ana­li­sa­ram as mu­dan­ças no ta­ma­nho da po­pu­la­ção des­de 1970. O es­tu­do an­te­ri­or, pu­bli­ca­do em 2014, cal­cu­la­va que a po­pu­la­ção de animais sel­va­gens di­mi­nui­ria 50 por cen­to em 40 anos.

Pas­sa­dos dois anos, es­sa es­ti­ma­ti­va foi 58 por cen­to pa­ra o pe­río­do.

Bar­rett ex­pli­ca que a si­tu­a­ção é pi­or em al­guns gru­pos de animais. “Ve­mos uma for­te re­du­ção es­pe­ci­al­men­te en­tre as es­pé­ci­es de água do­ce. O de­clí­nio che­ga a 81 por cen­to des­de 1970 e es­tá re­la­ci­o­na­do à ma­nei­ra co­mo a água do­ce é usa­da pe­lo ho­mem e tam­bém à cons­tru­ção de re­pre­sas, por exem­plo.”

A pes­qui­sa des­ta­ca tam­bém a si­tu­a­ção de es­pé­ci­es co­mo os ele­fan­tes afri­ca­nos ame­a­ça­dos pe­lo au­men­to da ca­ça ile­gal e os tu­ba­rões, al­vo da pes­ca pre­da­tó­ria.

Os pes­qui­sa­do­res con­cluí­ram que os ver­te­bra­dos es­tão a di­mi­nuir a uma ta­xa de dois por cen­to ao ano. Se is­so con­ti­nu­ar, até ao fim da dé­ca­da, es­sa po­pu­la­ção po­de so­frer uma re­du­ção de 67 por cen­to em re­la­ção aos ní­veis de 1970.“Mas se as nos­sas pre­vi­sões se con­fir­ma­rem e hou­ver au­men­to do co­mér­cio ile­gal de animais sil­ves­tres, por exem­plo, a que­da se­rá ain­da pi­or”, aler­ta o pro­fes­sor Ro­bin Fre­e­man, che­fe da Unidade de In­di­ca­do­res e Ava­li­a­ção da ZSL.

“O mais im­por­tan­te so­bre es­ses per­cen­tu­ais é que eles mos­tram a re­du­ção do nú­me­ro de animais em de­ter­mi­na­das po­pu­la­ções. Não se tra­ta de ex­tin­ção de es­pé­ci­es. Elas não es­tão a de­sa­pa­re­cer e is­so dá­nos tem­po de fa­zer al­go”, re­fe­re.

A boa no­tí­cia é que es­pé­ci­es co­mo o ur­so pan­da e o ti­gre de ben­ga­la, que já fo­ram ame­a­ça­das até de ex­tin­ção, não es­tão nes­ta lis­ta.

Mas a me­to­do­lo­gia da pes­qui­sa tam­bém foi cri­ti­ca­da. O ame­ri­ca­no Stu­art Pimm, pro­fes­sor de Eco­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Du­ke Uni­ver­sity, nos EUA, vê “fu­ros” nos da­dos do es­tu­do. “O re­la­tó­rio traz al­guns nú­me­ros im­por­tan­tes, mas ou­tros são mui­to im­pre­ci­sos”, dis­se Pimm.

“Por exem­plo, ao ana­li­sar a ori­gem de cer­tos da­dos, não é de sur­pre­en­der que eles ve­nham ma­ci­ça­men­te do les­te eu­ro­peu. Quan­do olha­mos ou­tras re­giões, há pou­cas in­for­ma­ções e os da­dos se tor­nam bem mais ine­xac­tos”, re­fe­riu pro­fes­sor de eco­lo­gia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.