His­tó­ria do te­le­jor­na­lis­mo

Jornal de Angola - - LAZER -

Te­le­jor­na­lis­mo é a prá­ti­ca pro­fis­si­o­nal do jor­na­lis­mo apli­ca­da à te­le­vi­são. Os te­le­jor­nais são pro­gra­mas que du­ram en­tre se­gun­dos e ho­ras e di­vul­gam no­tí­ci­as dos mais va­ri­a­dos ti­pos, uti­li­zan­do ima­gens, sons e ge­ral­men­te nar­ra­ção por um apre­sen­ta­dor (cha­ma­do de ân­co­ra, no jar­gão pro­fis­si­o­nal).

Os ca­nais de te­le­vi­são po­dem apre­sen­tar te­le­jor­nais co­mo par­te da pro­gra­ma­ção nor­mal trans­mi­ti­da di­a­ri­a­men­te ou mais fre­quen­te­men­te, em ho­rá­ri­os fi­xos. Às ve­zes, ou­tros pro­gra­mas po­dem ser in­ter­rom­pi­dos por plan­tões de no­tí­ci­as (news flashes) em ca­sos mui­to im­por­tan­tes e ur­gen­tes.

Um news­cast nor­mal­men­te con­sis­te nu­ma co­ber­tu­ra de vá­ri­as no­tí­ci­as e ou­tras in­for­ma­ções, pro­du­zi­da lo­cal­men­te por uma emis­so­ra, ou por uma re­de. Po­de tam­bém in­cluir ma­te­ri­al adi­ci­o­nal co­mo no­tí­ci­as de des­por­to, pre­vi­são do tem­po, bo­le­tins de trân­si­to, co­men­tá­ri­os e ou­tros as­sun­tos.

Com o sur­gi­men­to do ci­ne­ma, a ini­ci­a­ti­va pa­ra fil­mar no­tas de ti­po in­for­ma­ti­vo fi­cou la­ten­te, de tal mo­do que o pri­mei­ro fil­me pro­du­zi­do foi a saí­da dos ope­rá­ri­os de uma fá­bri­ca, mos­tran­do-se as­sim as ca­pa­ci­da­des in­for­ma­ti­vas do ci­ne­ma co­mo meio.

De tal mo­do, uma vez es­ta­be­le­ci­do tec­ni­ca­men­te, o ci­ne­ma foi trans­mis­sor de no­tí­ci­as. As pri­mei­ras com­pa­nhi­as ci­ne­ma­to­grá­fi­cas es­ta­be­le­ce­ram di­ver­sos equi­pa­men­tos pa­ra a con­fec­ção de no­ti­ciá­ri­os em fil­me (ci­ne­jor­nais), que têm co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a pe­ri­o­di­ci­da­de e a mul­ti­pli­ci­da­de, em al­guns ca­sos, pa­ra “lo­ca­li­zar” (tor­nar lo­cal) a in­for­ma­ção, ofe­re­cen­do con­teú­dos de in­te­res­se pa­ra zo­nas es­pe­cí­fi­cas e so­bre­tu­do no idi­o­ma de ca­da po­pu­la­ção.

Com a che­ga­da da te­le­vi­são e o fi­nal da II Gu­er­ra Mun­di­al, os no­ti­ciá­ri­os de ci­ne­ma fo­ram gra­du­al­men­te per­den­do re­le­vân­cia. A te­le­vi­são pro­me­tia ime­di­a­tis­mo em vá­ri­os sen­ti­dos: a no­tí­cia num mo­men­to mais pró­xi­mo e a lo­ca­li­za­ção em ca­sa.

O pri­mei­ro even­to te­le­vi­si­vo no­ti­ci­o­so foi no mês de Agos­to de 1928, nos Es­ta­dos Uni­dos. A emis­so­ra WGY trans­mi­tiu si­mul­ta­ne­a­men­te em rá­dio e TV (WGY, 2XAF e 2XAD): o se­nhor Al Smith, pré-can­di­da­to à pre­si­dên­cia pe­lo Par­ti­do De­mo­cra­ta, acei­tou a in­di­ca­ção ofi­ci­al. Foi o pri­mei­ro si­nal ao vi­vo (em di­rec­to) e o pri­mei­ro even­to de no­tí­ci­as.

Ori­gi­nal­men­te , o jor­na­lis­mo de te­le­vi­são co­pi­ou o for­ma­to da rá­dio. As pri­mei­ras no­tí­ci­as eram li­das di­an­te da câ­ma­ra, mas lo­go se no­tou a im­por­tân­cia do apre­sen­ta­dor, que de­mons­tra­va o jor­na­lis­mo atra­vés da sua apa­rên­cia, da sua ex­pres­são fa­ci­al e da sua en­to­na­ção. Al­gum tem­po de­pois, sur­gi­ram as ima­gens que, no iní­cio não pos­suíam som. Mais tar­de, os fil­mes pas­sa­ram a ser so­no­ros, com a uti­li­za­ção de uma câ­ma­ra­gra­va­do­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.